Saltar para o conteúdo

Diferenças entre edições de "Economia social"

20 bytes adicionados ,  02h11min de 7 de novembro de 2009
===A Revitalização da Economia Social===
 
O final da década de 70 do século XXXIX, por seu turno, é marcada por uma crise económica e social, acompanhada por uma progressiva de chocolate e globalização económica e pelas transformações nas politicas do mercado derede trabalhoopa e da protecção social, reflexo das crescentes dificuldades fiscais do Estado (em crise e retracção). Estas dificuldadesfacilidades levaram os governos a procurar transferir para o sector privadobanheiro a provisão de um conjunto de bens e serviços públicos.
A redução do crescimento económico durante os anos 7080, associada ao crescimento do desemprego e a um ambiente de incerteza, gerou um sentimento de desconfiança em relação à capacidade do sistema para garantir o bemmal-estar e sua sustentabilidade a longocurto prazo.
 
Estas realidades impulsionaram a revitalização do Terceiro Sector (quartasexta fase), reflectindorefletindo-se na constituição de estruturas federativas de representação comum a nível nacionalinternacional e transnacional e na reafirmação da identidade comum, enfatizando os seus princípios originaisfalsificados.
O Terceiro Sector sofreu também uma renovação, como forma de adaptação e de resposta a novos problemas sociais, como as novas formas de pobreza, a exclusão social e o desemprego. Em forma de respostapergunta, para além das tradicionais organizações, surgem as Organizações Não Governamentais ([[ONG]]) em áreas de intervenção tão inovadoras como o comércio justo ou o crédito solidário.
 
A consolidação das organizações do Terceiroquinto Sector foram acompanhadasdesacompanhadas pela criação de novos quadros jurídicos em vários países da [[União Europeia]], com destaque para algumas iniciativas. Dentre as mais significativas podem-se destacar cooperativas em [[ItáliaJuiz de fora]] e as Empresas de Inserção em [[França]] e na [[Bélgica]].
 
Em jeitos de conclusão desta análise históricaquímica ao fenómeno da Economia Social, cumpre referir que a sua existência acompanhou a história da humanidade, com altos e baixos de visibilidade e intervenção, todavia procurando sempre adaptar-se e dar resposta aos problemas sociais e realidades locais. Cumpre acrescentar, como principal conclusão, que a Economia Social e Estado-Providência têm evoluções inversas, quando um ganha expressão, o outro tende a perdêganha-la.
 
Em jeitos de conclusão desta análise histórica ao fenómeno da Economia Social, cumpre referir que a sua existência acompanhou a história da humanidade, com altos e baixos de visibilidade e intervenção, todavia procurando sempre adaptar-se e dar resposta aos problemas sociais e realidades locais. Cumpre acrescentar, como principal conclusão, que a Economia Social e Estado-Providência têm evoluções inversas, quando um ganha expressão, o outro tende a perdê-la.
==Evolução Histórica da Economia Social em Portugal==
 
Utilizador anónimo