Diferenças entre edições de "Psique"

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
2 473 bytes removidos ,  16h42min de 15 de fevereiro de 2011
texto trocado por 'sin{}pisque era uma tia qualquer ai que depois deum tempo fico meio doidona e foi ao PSIQUEatra'
( texto trocado por 'sin{}pisque era uma tia qualquer ai que depois deum tempo fico meio doidona e foi ao PSIQUEatra')
Etiqueta: Remoção considerável de conteúdo
sin{}pisque era uma tia qualquer ai que depois deum tempo fico meio doidona e foi ao PSIQUEatra
{{Nota:|Se procura a personagem da mitologia grega, consulte [[Psiquê]].}}
 
'''Psique''' era o conceito [[Grécia antiga|grego]] para o ''[[self]]'' ("si-mesmo"), abrangendo as ideias modernas de [[alma]], [[ego]] e [[mente]].
 
== Etimologia ==
 
Do [[Língua grega|grego]] '''psychein''' ("soprar"), é uma palavra ambígua que significava originalmente "alento" e posteriormente, "sopro". Dado que o alento é uma das características da [[vida]], a expressão "psique" era utilizada como um sinônimo de vida e por fim, como sinônimo de [[alma]], considerada o princípio da vida. A psique seria então a "alma das sombras" por oposição à "alma do corpo".
 
Não se pode esquecer também, que esse clássico e significativo mito que inspirou a origem da palavra psic(o)- + -logia, não é uma referência básica, apenas pelo significado restrito (literal) de "psychein" e sim porque a trama e os personagens de sua narrativa envolvem os principais conceitos da lida da psicologia e/ou psicanálise (emoção, capacidade de amar, "Eros", resolução de tarefas e problemas, etc.).
 
Além dos significados adquiridos com o tempo, a exemplo da versão de [http://en.wikipedia.org/wiki/Psych%C3%A9_(play) Psyché] de [[Molière]], o célebre autor de "[[Le malade imaginaire|A doença imaginária]]" pode-se destar ainda a versão de [[Jean de La Fontaine]] (1621 — 1695) o romance "Os Amores de Psique e Cupido", além das versões clássicas como de [[Apuleio|Lucio Apuleyo]] (125 - 180), Eros y Psique (Metamorfosis: libros IV, V y VI) entre outras. Sendo que relevante para a psicanálise é a versão do(s) mito(s) utilizada por [[Sigmund Freud]] (1856 — 1939), ao propor a utilização dos termos [[Eros]] e [[Tanatos]] em seu livro "Além do princípio do prazer" (1922). A [[psicologia]], mesmo inadvertidamente, traz essa carga semântica, à sua [[Anexo:Subdisciplinas e áreas de atuação da psicologia|definição]].
 
== {{bibliografia}} ==
 
* DORSH, Friedrich. ''Dicionário de Psicologia Dorsch''. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.
{{esboço-psicologia}}
 
[[Categoria:Psicologia]]
 
[[be:Псіхіка]]
[[be-x-old:Псыхіка]]
[[bg:Психика]]
[[ca:Psique (ment)]]
[[cv:Психика]]
[[da:Psyke]]
[[de:Psyche]]
[[en:Psyche (psychology)]]
[[eo:Psiko]]
[[es:Psique]]
[[et:Psüühika]]
[[fi:Psyyke]]
[[fr:Psyché (psychologie)]]
[[hr:Psiha (psihologija)]]
[[hy:Հոգեկան]]
[[it:Psiche]]
[[lt:Psichika]]
[[lv:Psihe]]
[[pl:Psychika]]
[[ro:Psyche]]
[[ru:Психика]]
[[sk:Psychika]]
[[sv:Psyche]]
[[uk:Психіка]]
[[vec:Siche]]
Utilizador anónimo

Menu de navegação