Saltar para o conteúdo

Diferenças entre edições de "Economia social"

39 bytes adicionados ,  18h12min de 5 de janeiro de 2014
São ainda identificadas três tipologias de Estado-Providência: o tipo '''liberal''', o '''corporativo''' e o '''universalista'''.
 
<u>'''Ao Estado-Providência de tipo liberal'''</u> estão associados os planos de bem-estar mais modestos que abrangem sobretudo os mais desfavorecidos. Ainda neste contexto, influenciado pelo ética do trabalho, o Estado funciona como elemento favorecedor do Mercado pelos baixos preços e pela subsistência dos esquemas privados.
 
<u>'''Por seu, turno, o Estado-Providência assente num modelo corporativo'''</u> privilegia a preservação das diferenças de estatutos de classes. Neste caso, o sistema é influenciado pela [[Igreja Católica|Igreja]] e tem uma preocupação notória com a família tradicional.
 
<u>'''Por fim, resta a abordagem ao Estado-Providência de tipo universalista''',</u> baseado num regime [[Social-democracia|social-democrata]], em que se promove a participação plena dos cidadãos, e especificamente a dos trabalhadores, no sentido de assegurar a qualidade dos seus direitos e garantias.
A crise deste sistema se deve à forma como a esfera económica se torna constituinte do social, e não aos fundamentos ideológicos do Estado-Providência. Nesta lógica, os mecanismos de produção de solidariedade tornam-se abstractos, formais e ilegíveis, em nada contribuindo a burocracia a eles associada.
Utilizador anónimo