Saltar para o conteúdo

Língua extinta: diferenças entre revisões

585 bytes removidos ,  19h48min de 21 de setembro de 2014
m
Reversão de uma ou mais edições de 200.149.97.200 para a versão 36373907 de Viniciusmc (parcial), com Reversão e avisos.
(Língua Extinta e Morta. (Cuidado com o Latim))
m (Reversão de uma ou mais edições de 200.149.97.200 para a versão 36373907 de Viniciusmc (parcial), com Reversão e avisos.)
{{Sem-fontes|data=dezembro de 2009}}
Uma '''língua extinta''' é uma língua que não têmtem mais falantes nativos (ou seja não há ninguém que nasça e que a utilize como primeira língua) nem pode ser estudada, devido à ausência de documentos que atestem como era a linguagem. Deve-se distinguir entre língua extinta e [[língua morta]]. Uma língua morta, como o [[latim]], mesmo sem ter falantes nativos, tem bastante documentação e pode ser estudada, aprendida e até usada no presente. Temos como dois exemplos os cursos de Letras e Direito aqui no Brasil. As línguas extintas, ao contrário, só têm sua existência comprovada por meio da tradição oral de outros idiomas aparentados, embora muitas vezes haja tentativas de reconstruí-las pelos especialistas. Um exemplo de língua extinta é o [[Língua proto-indo-europeia|proto-indo-europeu]].
 
É um erro dizer que o Latim és uma Língua Morta, pois ele ainda é muito utilizado em inúmeros documentos, emblemas de Universidades, na própria religião Católica (tiramos como exemplo o Vaticano, que ainda a tem como dialeto oficial de escrita e comunicação verbal) e no ramo do Direto. Portanto, não diga é este é um idioma já morto, pois ele ainda persiste, mas infelizmente alguns não possuem o devido conhecimento e pronunciam esta oração (O Latim já é uma língua morta.) de maneira totalmente equivocada.
 
== Ver também ==
18 700

edições