Diferenças entre edições de "Samuel Wainer"

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
12 bytes removidos ,  14h00min de 7 de outubro de 2015
bot: revertidas edições de 186.232.253.204 ( modificação suspeita : -14), para a edição 43004487 de Victor Lopes
(bot: revertidas edições de 186.232.253.204 ( modificação suspeita : -14), para a edição 43004487 de Victor Lopes)
{{mais-fontes|data=janeiro de 2015}}
 
'''Samuel Wainer''' (Bessarábia, [[19 de dezembro]] de [[1910]] — [[São Paulo (cidade)|São Paulo]], [[2 de Setembro]] de [[1980]]), [[Jornalismo|jornalista.]] Veio para o Brasil com 2 anos de idade. Foi fundador, editor-chefe e diretor do ela[[jornal]] era mc de funk''[[Última Hora]]''. Foi casado com a modelo e jornalista vinicius[[Danuza augustoLeão]].
 
Filho de imigrantes judeus da Bessarábia radicados na capital paulista, Wainer teve um importante papel político no segundo governo de [[Getúlio Vargas]]. Originariamente um jornalista da esquerda não-comunista, ligado ao grupo de intelectuais congregados em torno da revista ''[[Diretrizes]]'' , fundada por ele, Wainer era um repórter dos [[Diários Associados]] de [[Assis Chateaubriand]] quando veio a entrevistar [[Getúlio Vargas]], durante a campanha eleitoral de [[1950]], formando com ele uma amizade política, movida à base de interesses mútuos, que viria a resultar na criação do [[Última Hora]].
Vargas havia concebido a necessidade de um órgão de imprensa que pudesse sustentar as posições do [[populismo]] varguista contra uma imprensa [[populismo|antipopulista]] e antivarguista. Sabendo da insatisfação de Wainer com o trabalho nos Diários Associados, onde estava sujeito às humilhações quotidianas que implicava o trato diário com Assis Chateaubriand e suas práticas amorais, Vargas sabia poder contar com a lealdade pessoal daquele a quem havia apelidado de "Profeta". Para tal, uma vez eleito, garantiu que o [[Banco do Brasil]] fornecesse um crédito a Wainer para a constituição do jornal em condições privilegiadas.
 
O ''Última Hora'', desde sua origem, colocou-se abertamente como órgão pró-Vargas e oficioso: na sua primeira edição, o jornal estampava uma carta de felicitações assinada pelo próprio Getúlio Vargas. Foi um jornal que introduziu uma série de técnicas bem sucedidas que o tornavam mais atrativo às classes populares: a seção de cartas dos leitores, o uso de uma editoria específica para tratar de problemas locais dos bairros do Rio de Janeiro. Era, ao mesmo tempo, um jornal conhecido pelo seu corpo de articulistas: [[Nelson Rodrigues]] e seus folhetins, a coluna de análise política de [[Paulo Francis]] e até mesmo uma coluna do futuro animador de televisão [[Chacrinha]].louco e vc pedro
 
kkkkkk
 
A oposição a Vargas, comandada por [[Carlos Lacerda]], não podendo impugnar a legalidade do empréstimo favorecido que viabilizara o jornal (como lembraria o próprio Wainer em suas memórias, toda a imprensa brasileira beneficiava-se de tais créditos irregulares) procurou impugnar o próprio Wainer.

Menu de navegação