Diferenças entre edições de "Autódromo Hermanos Rodríguez"

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
1 006 bytes adicionados ,  16h37min de 3 de novembro de 2015
m
sem resumo de edição
m
m
[[Adolfo Lopez Mateos]], ex-presidente mexicano, que tomou posse em 01 de dezembro de 1958, foi o idealizador do circuito. Ele sugeriu a utilização de algumas estradas internas do [[Ciudad Deportiva Magdalena Mixiuhca|complexo esportivo]] para corridas de carros e bicicletas.
 
[[Pedro Rodríguez|DomDon Pedro Rodríguez]], pai dos famosos pilotos mexicanos [[Pedro Rodríguez]] e [[Ricardo Rodríguez]] - que dão nome ao circuito - foi o diretor escolhido pelo presidente para dar andamento ao projeto. [[Pedro Rodríguez|Pedro]], então, sugeriu que se utilizassem as estradas de comunicação interna do complexo para criar uma pista de corridas, e o diretor de obras do governo da cidade, o engenheiro [[Gilberto Valenzuela]], foi incumbido de projetar a pista. [[Gilberto Valenzuela]], então, passou a visitar várias pistas no mundo e com o apoio da família Rodriguez criou um projeto de classe mundial para a pista. [[Pedro Rodríguez|Don Pedro Rodríguez]] apenas lhe recomendou que a pista tivesse uma parte oval, como a de [[Circuito de Monza|Monza]].
 
O '''Autódromo Magdalena Mixhuca''' foi concluído em 1959. A corrida inaugural do Autódromo aconteceu em 20 de dezembro de 1959, com as [[500 milhas da Cidade do México]], vencida por [[Pedro Rodríguez]] e seu irmão [[Ricardo Rodríguez|Ricardo]] em terceiro e separados por [[Moisés Solana]], o grande impulsionador da Fórmula 1 nos 60 no México.
 
Numa corrida extra-campeonato de Formula 1 (ou seja, que não valia pontos para o campeonato), ocorrida em 1962, [[Ricardo Rodríguez]], pilotando uma Lotus de [[Rob Walker]] (A Ferrari, sua equipe, não quis viajar já que a corrida não pontuava no Mundial), errou na traiçoeira curva Peraltada e sofreu um violento acidente no primeiro treino livre, falecendo no local. A direção do então '''Autódromo Magdalena Mixhuca''' decidiu homenageá-lo, renomeando o autódromo para '''Autódromo Ricardo Rodriguez'''.
 
Apesar do acidente, o povo da Europa gostou do circuito e o México foi agraciado com uma etapa no calendário oficial da Fórmula 1 a partir de 1963, tendo como vencedor o britânico [[Jim Clark]]. OA circuitopartir foido utilizadoano pelaseguinte, F-1o país passou a sediar a última etapa do calendário, ininterruptamente, até 1970. Graças a isso, presenciou três decisões de título e a coroação de campeões mundiais como [[John Surtees]] (1964), [[Denny Hulme]] (1967) e [[Graham Hill]] (1968)<ref name="G1">[http://globoesporte.globo.com/motor/formula-1/noticia/2015/10/desafios-historias-e-curiosidades-volta-da-f-1-ao-mexico-apos-23-anos.html globoesporte.globo.com/] ''Desafios, histórias e curiosidades: a volta da F-1 ao México após 23 anos''</ref>.
 
Construído sobre um pântano, a superfície não era estável o suficiente, o que resultava em inúmeras e enormes ondulações por toda a pista. Isso estava resultando em algumas mortes. Além disso, em 1970, houve um tumulto causado por superlotação e invasão de pista<ref name="G1"/>. Assim, a Fórmula 1 resolveu cancelar o Grande Prêmio do México a partir de 1971 (A F-1 só voltaria a a sediar um GP F-1 entre os anos de 1986 e 1992.).
 
Em 19721971, aem morteum acidente durante uma competição de carros de turismo, na Alemanha, [[Pedro Rodríguez]], que vivia seu auge na Fórmula 1, morreu. Sua morte comoveu o país e fez com que o então presidente mexicano [[Luis Echeverría]] incluísse seu nome no '''Autódromo Ricardo Rodriguez''', que acabou se tornando '''Autódromo Hermanos Rodríguez'''.
 
Em 1980, ele foi reformado pela primeira vez, perdendo o trecho original da Horquilla. Em 1985, empreenderam uma outra grande reforma, mudando a primeira curva e ampliando o trecho que sucede o "Esse do Lago". No ano seguinte, a FIA gostou do que viu e o México foi recolocado no calendário da F-1.
O nome da curva vem da palavra espanhola ''peralte'', que designa a inclinação das curvas. “Peraltada”, portanto, significa “inclinada”.
 
Ela é conhecida por ser uma das mais míticas - e perigosas - da Fórmula 1, pois os carros passam por ela a quase 300 quilômetros por hora. Depois de sairem das curvas 12 e 13, também conhecidas como "Esses", os pilotos entram numa reta chamada "Recta del Ovalo", atingindo mais de 300km/h. De repente aparece a Curva Peraltada, que lembra muito a [[La Parabolica|Curva Parabólica]], do [[Circuito de Monza]]<ref>[http://blogs.diariodonordeste.com.br/jogada/formula-1/peraltada-a-temida-curva-no-mexico-aguarda-novos-adversarios/ diariodonordeste.com.br/] ''Peraltada, a temida curva do México aguarda novos adversários''</ref>.
 
Dentro de seu arco já existiu um estádio de beisebol.
29 455

edições

Menu de navegação