Saltar para o conteúdo

Lúcio Márcio Filipo (cônsul em 38 a.C.): diferenças entre revisões

sem resumo de edição
|local da morte =
}}
'''Lúcio Márcio Filipo''' ({{langx|la|''Lucius Marcius Philippus''}}) foi um político romanoda elegido[[gente (Roma Antiga)|gente]] [[Márcios|Márcia]] da [[República Romana]] nomeado [[cônsul sufecto]] em 38 a.C. com [[Lúcio Márcio Filipo (cônsul em 38 a.C.)|Lúcio Márcio Filipo]]. Um membro do ramo [[plebeus|plebeu]] da gente Márcia, Filipo era o filho de [[Lúcio Márcio Filipo (cônsul em 56 a.C.)|Lúcio Márcio Filipo]], o cônsul de {{AC|3856|x}}. Ele foi oEra meio-irmão do futuro [[imperador romano|imperador]] [[Augusto]] {{nwrap|r.|{{AC|27|x}}|{{DC|14|x}}}}
 
== Biografia ==
[[Imagem:Octavian aureus circa 30 BCE.jpg|thumb|upright=.9|[[Áureo (moeda)|Áureo]] com a [[efígie]] de [[Otaviano]] cunhado ca. {{AC|30|x}}]]
Um membro do ramo [[plebeus|plebeu]] da gente Márcia, Filipo era o filho de [[Lúcio Márcio Filipo (cônsul em 56 a.C.)|Lúcio Márcio Filipo]], o cônsul de {{AC|56|x}}. Em {{AC|50|x}}, possivelmente tornou-se um [[áugure]], um dos sacerdotes da [[Roma Antiga]],{{harvref|Broughton|1952|p=254}} e em {{AC|49|x}}, foi eleito um [[tribuno da plebe]]. Nesta posição vetou a proposta de enviar [[Fausto Cornélio Sula (senador)|Fausto Cornélio Sula]], enteado de [[Pompeu]], como [[propretor]] da [[Mauritânia romana|Mauritânia]], para persuadir os reis [[Boco II]] e [[Bogud]] a apoiarem Pompeu e abandonarem [[Júlio César]].{{harvref|Broughton|1952|p=258}}{{harvref|Holmes|1923|p=2}} Em {{AC|44|x}}, foi eleito [[pretor]], e, embora a ele tenha sido concedida uma província para administrar após o término de seu mandato, recusou-se a aceitar a validade do loteamento das províncias acordado em reunião do senado de 28 de novembro de {{AC|44|x}}.{{harvref|Broughton|1952|p=321}}
 
Com o casamento de seu pai com [[Ácia Balba Cesônia]], tornou-se meio-irmão de [[Otaviano]], o herdeiro de Júlio César. Seu pai usou sua influência para ajudar Filipo a obter o consulado como um dos [[cônsul sufecto|cônsules sufectos]] de {{AC|38|x}} juntamente com [[Lúcio Cornélio Lêntulo (cônsul em 38 a.C.)|Lúcio Cornélio Lêntulo]]. No entanto, durante seu consulado, Filipo não se declarou abertamente a favor de seu meio-irmão na disputa entre Otaviano e [[Marco Antônio]].{{harvref|Syme|1939|p=229}}{{harvref|Broughton|1952|p=389}} Em {{AC|35|x}}, foi nomeado o [[procônsul|governador proconsular]] de uma das províncias da [[Hispânia]].{{harvref|Broughton|1952|p=407}}{{harvref|Syme|1939|p=239}} Após servir lá por dois anos, retornou para [[Roma]], onde foi recompensado com um [[triunfo romano|triunfo]], celebrado em 27 de abril de {{AC|33|x}} por suas ações como governador. Com os despojos de suas vitórias, restaurou o [[Templo de Hércules e as Musas]] no [[Circo Flamínio]]{{harvref|Broughton|1952|p=415}}{{harvref|Syme|1939|p=241}} e construiu o [[Pórtico de Filipo]] em torno dele.<ref name=Porticus />
198 349

edições