Diferenças entre edições de "Paulo Vasco"

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
463 bytes removidos ,  03h34min de 20 de julho de 2016
m
Foram revertidas as edições de 109.48.111.184 para a última revisão de Minerva97, de 2015-12-02T17:27:36 (UTC)
m (Foram revertidas as edições de 109.48.111.184 para a última revisão de Minerva97, de 2015-12-02T17:27:36 (UTC))
Em 1990, participa na peça “As aventuras de Balela e Bagatela, numa encenação de Henrique Santos, no Teatro Variedades. Muda-se para o [[teatro Maria Vitória]] e em 1992 faz “Quem tem ecu tem medo”, com a qual ganha o prémio de revelação do ano do teatro musicado. De seguida faz as peças “A pão e laranjas (1993) e “De pernas pró ar” (1994). Sai do Maria vitória para fazer a revista “Mama eu quero”, no teatro ABC. Acaba, no entanto, por regressar ao Teatro Maria Vitória onde faz a comédia musical “Histórias da Puta da vida militar(1996), “Ora bolas pró parque”(1997/ 98), “Aqui há muitos gatos” (1998) e a revista “Ó Troilaré ó Troilará”. Nesse ano ganha o prémio de melhor actor de revista exéquo com [[José Raposo]].
 
Muda-se para a Madeira onde, no Teatro do Casino da Madeira, estreia, com encenação de [[Filipe La Féria]] o musical “Amália” (1999), sendo que entre 2000/2001 se estreia no palco teatro Politeama. Acaba por regressar novamente ao maria Vitória com “2001 Odisseia no Parque”, “Lisboa Regressa ao Parque” (2002), “Vá pra fora ou vai Dentro”(2003), “Arre Potter que é demais”(2004), “A Revista é Liiinda"(2005-2006), “Já viram isto?” (2006/2007), “Hip-Hop'Arque"“Hipoparque (2007/2008) e “Piratada à Portuguesa” (2008/2009) onde ganha o Prémio de melhor elenco conjunto. Em 2009/2010 faz “Agarra que é honesto” também no mesmo teatro, e no ano seguinte faz a revista "Vai de Em@il a pior!"(2010/2011)<ref>{{citar web|url=http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/lazer/cultura/paulo-vasco-e-primeira-figura-ao-lado-de-florbela-queiros|título= Paulo Vasco é primeira figura ao lado de Florbela Queirós|autor= Correio da Manhã|data=19 de Agosto de 2010 |publicado= |acessodata=28 de Julho de 2012}}</ref>, seguindo-se "Ora Vira ‎€ Troika o Passos!" (2011/2012), "Humor com Humor se Paga" (2012/2013) e "Lisboa Amor Perfeito" (2013/2014).
 
Fez alguns trabalhos como encenador, em 2000 fica à á frente do grupo de teatro da Academia de Santo Amaro onde encena “ A grande Cegada”cégada”, “Tás entregue à á Bicharada”, “Roupa velha”, ”Queres fiado? Toma!”toma”, “Em Santo Amaro...ta tudo na maior!”maior”, “Isto está caro santo Amaro” e “Isto agora Asae ou racha”<ref>{{citar web|url=http://www.academiadesantoamaro.pt/site/index.php?option=com_content&view=article&id=80&Itemid=98 |título= Teatro - Academia de Santo Amaro|autor= Academia de Santo Amaro|data=|publicado= |acessodata=28 de Julho de 2012}}</ref>. Acaba por reformular também o grupo de teatro “Os Combatentes “ onde encenou “Isto é que vai uma crise”<ref>{{citar web|url=http://www.filipelaferia.pt/fado/index.htm|título= Fado - História de um Povo – FLÁVIO GIL|autor= Filipe La Féria|data=|publicado= |acessodata=28 de Julho de 2012}}</ref>. Encenou também a revista "Bué da Tesos!" na Academia de Santo Amaro e, já em 2016, "Há Festa na ASA!", que comemora os 70 anos daquele palco.
 
Como actor também passou pela televisão com “Companhia do riso”, “Verão quente”, “Marina Marina”, “Quem casa quer casa”, "Malucos do riso”, “Big show sic”, “Barba e cabelo”, “Um sarilho chamado Marina”, “Camilo na prisão”, “Cadeira do poder” e “Entre marido e mulher”, entre outros.
 
O público sabe que sempre o encontra no seu Maria Vitória onde, depois de "Tudo Isto é FaRdo!" e "Revista Quer... É Parque Mayer!", se prepara para estrear "Parque à Vista!", ao lado de [[Adelaide Ferreira]] e [[Flávio Gil]].
 
{{referências|col=2}}
629 500

edições

Menu de navegação