Saltar para o conteúdo

Diferenças entre edições de "Conceito"

2 307 bytes adicionados ,  18h54min de 1 de setembro de 2016
sem resumo de edição
m (Foram revertidas as edições de 177.188.216.244 para a última revisão de HVL, de 17h05min de 26 de outubro de 2015 (UTC))
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição via aplic. móvel
Conceitos são universais ao se aplicarem igualmente a todas as coisas em sua extensão. Conceitos são portadores de [[significado]]. Um único conceito pode ser expresso em qualquer número de [[linguagem|linguagens]]: o conceito ''cão'' pode ser expresso como ''Hund'' em alemão, ''hond'' em Afrikaans, ''dog'' em inglês, ''perro'' em castelhano, ''gos'' em catalão, ''hundo'' em esperanto, ''txakur'' na língua basca, ''chien'' em francês, ''can'' em galego, ''cane'' em italiano, ''canis'' em latim, ''inu'' em japonês etc. O fato de que conceitos são, de uma certa forma, independentes das linguagens torna a [[tradução]] possível; palavras em várias línguas "querem dizer" o mesmo porque expressam um e o mesmo conceito.
 
Conceito é uma frase (juízo) que diz o que a coisa é ou como funciona. O conceito, enquanto o-que-é é a expressão de um predicado comum a todas as coisas da mesma espécie. Chega-se a esses predicados ou atributos comuns por meio da análise de diversas coisas da mesma espécie. O homem é um ser racional. A racionalidade é o predicado comum a todos os homens. Numa linguagem mais iluminista, o Conceito é "um juízo sintético a priori" (Cf. KANT, I. Crítica da Razão Pura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001 ). Sendo assim, conceito não é a mesma coisa que definição. Outros autores usam a expressão "definição real" como sinônimo de conceito (cf. MENDONÇA, Nadir Domingues. O uso dos conceitos: uma questão de interdisciplinaridade.interdiscipl{{sem-fontes|data=junho Petrópolis:de Vozes, 1985).2010}}
 
'''Conceito''' (do latim ''conseptus'', do verbo ''concipere'', que significa "conter completamente", "formar dentro de si"), substantivo masculino, é aquilo que a mente concebe ou entende: uma [[ideia]] ou noção, representação geral e [[Abstração|abstracta]] de uma realidade. Pode ser também definido como uma unidade [[semântica]], um [[símbolo]] mental ou uma "unidade de conhecimento". Um conceito corresponde geralmente a uma representação numa [[linguagem]] ou [[simbologia]]. O termo é usado em muitas áreas, como na [[matemática]], na [[astronomia]], na [[estatística]], na [[filosofia]], nas [[ciências cognitivas]], na [[física]], na [[biologia]], na [[química]], na [[economia]] e na [[informática]].
 
Conceitos são universais ao se aplicarem igualmente a todas as coisas em sua extensão. Conceitos são portadores de [[significado]]. Um único conceito pode ser expresso em qualquer número de [[linguagem|linguagens]]: o conceito ''cão'' pode ser expresso como ''Hund'' em alemão, ''hond'' em Afrikaans, ''dog'' em inglês, ''perro'' em castelhano, ''gos'' em catalão, ''hundo'' em esperanto, ''txakur'' na língua basca, ''chien'' em francês, ''can'' em galego, ''cane'' em italiano, ''canis'' em latim, ''inu'' em japonês etc. O fato de que conceitos são, de uma certa forma, independentes das linguagens torna a [[tradução]] possível; palavras em várias línguas "querem dizer" o mesmo porque expressam um e o mesmo conceito.
 
Conceito é uma frase (juízo) que diz o que a coisa é ou como funciona. O conceito, enquanto o-que-é é a expressão de um predicado comum a todas as coisas da mesma espécie. Chega-se a esses predicados ou atributos comuns por meio da análise de diversas coisas da mesma espécie. O homem é um ser racional. A racionalidade é o predicado comum a todos os homens. Numa linguagem mais iluminista, o Conceito é "um juízo sintético a priori" (Cf. KANT, I. Crítica da Razão Pura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001 ). Sendo assim, conceito não é a mesma coisa que definição. Outros autores usam a expressão "definição real" como sinônimo de conceito (cf. MENDONÇA, Nadir Domingues. O uso dos conceitos: uma questão de interdisciplinaridade. Petrópolis: Vozes, 1985).inaridade. Petrópolis: Vozes, 1985).
 
== Ver também ==
Utilizador anónimo