Saltar para o conteúdo

Diferenças entre edições de "Adenoma pleomórfico"

56 bytes adicionados ,  13h15min de 28 de novembro de 2016
sem resumo de edição
Este é um tumor benigno, mas pode sofrer uma malignização.
== Introdução ==
A [[Organização Mundial da Saúde]] classifica o adenoma pleomorfo como uma neoplasia benigna das glândulas salivares caracterizada pelos pleomorfismos: celular e arquitetural. À análise microscópica, elementos epiteliais e mioepiteliais modificados apresentam-se imersos em uma matriz mucóide, mixóide ou condróide. A lesão pode possuir ou não cápsula fibrosa. Os componentes epiteliais podem formar ductos, lençóis, cordões ou ilhotas celulares sólidas. A metaplasia escamosa pode ser encontrada em 25% dos adenomas pleomorfos<ref>'''ESTUDO COMPARATIVO MORFOLÓGICO E IMUNOHISTOQUÍMICO DA β-CATENINA EM CARCINOMAS EXADENOMAS PLEOMORFOS, ADENOMAS PLEOMORFOS E GLÂNDULAS SALIVARES'''. Renata Falchete do Prado. BAURU. 2005</ref>.
== Nomenclatura e História ==
Inicialmente descrito por Billroth e recebendo diferentes denominações, como endotelioma, branquioma e encondroma, o termo foi sugerido por Welsh e Meyer (1968) devido ao seu padrão morfológico variável e à constante variação na apresentação do seu parênquima e estroma, sendo o diagnóstico diferencial com o pleomórfico celular das neoplasias malignas de extrema importância<ref>Silveira EJD, Godoy GP, Queiroz LMG, Melo FCC, Jales E. '''Adenoma pleomórfico em lábio superior - relato de caso'''. Rev Bras Odont 2002; 59(2):70-2.</ref>.
 
Os termos '''adenoma pleomórfico''' e '''tumor misto''' representam tentativas de descrever as [[histologia|características histopatológicas]] não usuais deste tumor, mas nenhuma delas é completamente precisa. Embora o padrão tumoral básico seja altamente variável, raramente as células individuais são realmente pleomórficas. (Entretanto, uma pequena atipia focal é aceitável.) De forma semelhante, embora o tumor geralmente tenha um componente estromal proeminente semelhante ao mesênquima, ele não é verdadeiramente uma neoplasia mista, que é derivada de mais de uma camada germinativa.
== Tumores malignos mistos ==
Os tumores malignos mistos representam a contraparte maligna do tumor benigno misto ou adenoma pleomórfico.
Estas neoplasias incomuns constituem 2% a 6% de todos os tumores de glândula salivar e podem ser divididos em três categorias<ref>Neville BW, Damm DD, Allen CM, Bouquot JE. '''Patologia oral & maxilofacial'''. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.</ref>:
* [[Carcinoma ex-adenoma pleomórfico]] (''carcinoma extumor misto'')
* [[Carcinossarcoma]]
 
O mais comum destes tumores é o [[carcinoma ex-adenoma pleomórfico]], que é caracterizado pela transformação maligna do componente [[epitélio|epitelial]] de um adenoma pleomórfico benigno prévio. O [[carcinossarcoma]] é um tumor “misto” raro com a presença de ambos os componentes, carcinomatoso e sarcomatoso. O tumor metastatizante
misto apresenta características histopatológicas idênticas às do adenoma pleomórfico comum (tumor misto). Apesar de sua aparência benigna, a lesão metastatiza. O tumor metastático também apresenta uma aparência microscópica benigna, geralmente semelhante à da lesão primária<ref>Neville BW, Damm DD, Allen CM, Bouquot JE. '''Patologia oral & maxilofacial'''. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.</ref>.
 
Carcinossarcomas e carcinoma ex adenoma pleomórfico das glândulas salivares são tumores raros que se encaixam na categoria mais ampla de tumores mistos malignos. Embora a maioria das evidências sugere que os diferentes componentes morfológicos surgir a partir de uma origem clonal comum, existem poucos estudos que forneceram evidências moleculares para este clonalidade<ref>'''Malignant mixed tumors of the salivary gland: a study of loss of heterozygosity in tumor suppressor genes'''. Melissa H Fowler, Jason Fowler, Barbara Ducatman, Leon Barnes and Jennifer L Hunt. Modern Pathology (2006) 19, 350–355. doi:10.1038/modpathol.3800533; published online 6 January 2006.</ref>.
 
=={{Ver também}}==
5 959

edições