Difference between revisions of "Romanização do japonês"

Jump to navigation Jump to search
no edit summary
=== Variantes antigas ===
 
Em textos antigos, outras variantes de romanização que já não se usam são por vezes vistas. Algumas delas sobreviveram até aos dias de hoje, embora poucas sejam ainda a(c)tivamenteativamente usadas. Exemplos icluem:
* A vogal ''i'' mais ''o'' era por vezes usada para representar o som ''[[yōon]]'' japonês; daí Tokyo torna-se "Tokio" e [[Kyoto|Quioto]] torna-se "Kioto". Esta romanização pode ainda ser vista no nome da [[espécie]] "mioga", do vegetal japonês ''myōga''.
* O kana ゑ era usado como ''ye''. A pronúncia verdadeira deste kana já foi ''we'', mas o ''w'' já se tinha perdido na altura em que ゑど "''[[Edo|Wedo]]''" foi pela primeira vez romanizado como ''Yedo''.
=== Romanização de nomes japoneses ===
 
Os [[antroponímia japonesa|nomes]] podem ser obje(c)toobjeto de ainda mais variações, com ortografias dependendo da preferência individual. Por exemplo, o apelido do autor de [[mangá]] Yasuhiro Nightow seria normalmente escrito na romanização Hepburn como ''Naitō''.
 
Outras variantes vistas em nomes incluem a substituição do K pelo C, como no nome da celebridade [[Televisão|televisiva]] Ricaco, ou a remoção de [[vogais mudas]], como o [[cinema|realizador]] ''Macoto Tezka'', filho do autor de mangá [[Osamu Tezuka]] (note-se a remoção do "u").
 
=== Romanização para português ===
Em geral, a romanização do japonês para português não tem um padrão específico. Os nomes [[geográfico]]s são normalmente adaptados à ortografia portuguesa, como "[[Tóquio]]" em vez de Tōkyō ou "[[Quioto]]" em vez de Kyōtō. Outros nomes adaptados têm vindo a perder o uso, como por exemplo ''Hiroxima'', ''Nagasáqui'' ou ''Osaca'' (hoje em dia [[Hiroshima]], [[Nagasaki]] e [[Osaka]] são muito mais frequentes). Quanto aos nomes de pessoas, a influência americana/inglesa faz com que a romanização Hepburn seja vulgarmente usada, como no nome do [[primeiro-ministro]], [[Junichiro Koizumi]] (note-se a ausência dos macrons/circunflexos e do apóstrofo). É de fa(c)tofato raro um nome ser transcrito dire(c)tamentediretamente do japonês para o português.
 
É curioso notar que as adaptações de [[mangá|manga]] do japonês para o [[idioma francês|francês]] (bastante comuns e utilizadas em [[Portugal]]) normalmente usam sistemas alternativos de romanização para facilitar a pronúncia aos que não estão familiarizados com os sistemas padrão, baseados na pronúncia inglesa. Assim, é vulgar encontrar ち (Hepburn "chi") escrito como "tchi", já que em francês (e em português) o som "ch" se lê como o inglês "sh". Da mesma forma, o uso dos circunflexos (em vez dos macrons) é predominante, e por vezes usa-se o acento grave nos "e" finais, para contrariar a tendência a esse "e" ser mudo (daí ver-se muitas vezes escrito "[[anime|animé]]", "[[sake|saké]]" e outros derivados).
Uma vez que existem muitas semelhanças entre a fonética francesa e portuguesa, estas romanizações tornam mais fácil a pronúncia corre(c)tacorreta das palavras japonesas.
 
== Exemplos de palavras escritas em cada sistema de romanização ==
Anonymous user

Navigation menu