Diferenças entre edições de "Empresa transnacional"

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
39 bytes removidos ,  10h50min de 28 de setembro de 2017
m
Foram revertidas as edições de 179.236.147.11 para a última revisão de 2804:431:B721:B991:BD66:8EE2:FDB1:C074, de 09h09min de 3...
m (Foram revertidas as edições de 179.236.147.11 para a última revisão de 2804:431:B721:B991:BD66:8EE2:FDB1:C074, de 09h09min de 3...)
 
==Origens==
<blockquote>[[Alicia Keys|A]] origem histórica das empresas multinacionais remonta ao processo de colonização e de expansão imperialista
dos países da Europa Ocidental, iniciado no começo do século XVI, com protagonismo da Inglaterra e Holanda. Durante este período, diversas empresas, como a famosa Companhia das Índias Orientais foram criadas para realizar a comercialização de bens oriundos do Extremo Oriente, da África e das Américas.<ref name=":1">John Dunning, Multinational
Enterprises and the Global Economy, Addison-Wesley Publishing Company, Reading,
Massachusetts, 1993, pp. 112 & 114.</ref>
Massachusetts, 1993, pp. 112 & 114.</ref></blockquote>Todavia, a estruturação das empresas transnacionais como conhecemos hoje surgiu apenas no século XIX, com o advento do capitalismo industrial e o desenvolvimento no sistema fabril, baseado na mecanização intensiva da produção, no desenvolvimento de melhores técnicas de estocagem e na criação de meios de transporte mais rápidos.<ref name=":1" />
 
Massachusetts, 1993, pp. 112 & 114.</ref></blockquote>Todavia, a estruturação das empresas transnacionais como conhecemos hoje surgiu apenas no século XIX, com o advento do capitalismo industrial e o desenvolvimento no sistema fabril, baseado na mecanização intensiva da produção, no desenvolvimento de melhores técnicas de estocagem e na criação de meios de transporte mais rápidos.<ref name=":1" />
 
Nas duas primeiras décadas após a Segunda Guerra Mundial, as empresas transnacionais norte-americanas dominaram o investimento estrangeiro, enquanto as corporações europeias e japonesas passaram a desempenhar um papel cada vez maior nesse cenário. Na década de 50, os bancos americanos, europeus e japoneses começaram a investir enormes somas de dinheiro na indústria, encorajando fusões corporativas e promovendo a concentração do capital. Além disso, os grandes avanços tecnológicos no transporte marítimo e aéreo, bem como a informatização e a facilitação dos meios de comunicação propiciaram que as empresas transacionais investissem cada vez mais em outros países e no comércio internacional, o que resultou na sua rápida internalizarão. Enquanto isso, os novos recursos publicitários ajudaram a garantir uma parcela maior do mercado consumidor às empresas transnacionais.<ref name=":2">Frederick Clairmonte & John Cavanagh, The World in Their Web The Dynamics of Textile Multinationals, Zed Press, London,1981, pp. 5-6</ref>

Menu de navegação