Diferenças entre edições de "Hinde binte Utba"

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
129 bytes adicionados ,  02h30min de 16 de outubro de 2017
sem resumo de edição
|nome =Hind bint ‘Utbah
|nome_nativo ={{lang|ar|هند بنت عتبة}}
|imagem nascimento_data ={{séc|VI}}
|imagem_tamanho =
|imagem_legenda =
|nascimento_data =século VI
|nascimento_local =[[Meca]]
|morte_data =século {{séc|VII}}
|morte_localcônjuge =[[Abu Sufiane ibne Harbe]]
|cônjugefilhos =[[AbuMoáuia Sufyan ibn HarbI]]<br />{{ilc|Ramla binte Abi Sufiane||Umm Habiba}}
|filhos =[[Muawiya I]]<br />{{ilc|Ramla bint Abi Sufyan||Umm Habiba}}
|religião =[[Islão]]
|conhecido_por =Oponente de [[Maomé]], posteriormente convertida ao Islão, mãe do primeiro [[califa]] [[Califado Omíada|omíada]]
}}
'''Hind bint ‘Utbah''' ({{Langx|ar|هند بنت عتبة}}) foi uma mulher [[Árabes|árabe]] que viveu entre o final do {{séc|VI}} e início do {{séc|VII}}, esposa de [[Abu SufyanSufiane ibnibne HarbHarbe]], um homem poderoso de [[Meca]], na [[Arábia]] ocidental. Foi a mãe do futuro [[califa omíada|califa]] {{Lknb|MuawiyaMoáuia|I}}, fundador da [[Omíadas|dinastia Omíada]], e de {{ilc|Ramla bintbinte Abi SufyanSufiane||Umm Habiba}}, uma das [[esposas de Maomé]]. Hind e Abu SufyanSufiane começaram por ser opositores de Maomé antes de se converterem ao [[Islão]], por isso o seu estatuto de ''Sahaba'' (companheira de Maomé) é questionado por muitos muçulmanos, devido às sua ações contra a [[Umma|comunidade muçulmana]], em particular um incidente sobre alegado [[canibalismo]] no campo de batalha.
 
Hind bint ‘Utbah nasceu em Meca e era filha de {{ilc|Utba ibne Rabiá||Utba ibn Rabi'ah||Utba ibn Rabiah}}, um dos líderes mais proeminentes da [[tribo]] dos [[Coraixitas]], e irmã de {{ilc|Abu-Hudhayfah ibn Utbah||Abu Hudhayfa ibn Utba}} e de [[{{ilc|Ualide ibne Utba||Walid ibn Utbah]]}}. Não se sabe quando casou com Abu SufyanSufiane, mas é provável que tivesse sido quando era ainda bastante jovem.
 
==Controvérsias das fontes xiitas==
Hind é famosa na história muçulmana pela sua regozijo ante a derrota dos muçulmanos na [[batalha de Uhud]], quando comeu o fígado de {{ilc|Hâmeza ibne Abdal Mutalibe||Hamza ibn Abd al-Muttalib|Hamza ibn ‘Abd al-Muttalib}}, um tio de Maomé morto na batalha. Apesar de depois se ter convertido ao Islão, o fundador da dinastia Omíada seria caluniado por ser filho ilegítimo duma canibal. As controvérsias sobre Hind ser ou não uma ''Sahaba'' devido aos seus atos pré-islâmicos perduraram até à atualidade. Na obra de referências [[Sunismo|sunita]] ''IstīʻābIstiabeMaʻrifatMarifate al-Aṣḥāb''Alaxabe, o [[teólogo]] {{ilc|Ibnibne Abdal Bar||'Abd al-Barr||Yusuf ibn 'Abd al-Barr|Ibn ʿAbd al-Barr}} {{nwrap||978|1071}} apresenta sumários das biografias do ''Sahaba'' onde é mencionada Hind.
 
===Acusações de adultério===
Alguns académicos [[xiitas]] citam fontes antigas que mencionam que Hind tinha relações com homens que não o seu marido Abu SufyanSufiane e que o seu filho Mu'awiyaMoáuia poderia ser o resultado de uma dessas relações ilegítimas. Em relação à paternidade do primeiro califa omíada, além de Abu SufyanSufiane, são mencionados UmarOmar ibnibne WalidUalide, MusafirMuçafir Abu UmarOmar e um quarto homem desconhecido.<ref name=anans /><ref name=shiap /> Outros estudiosos dizem que ela engravidou de Moáuia com Abu Sufiane quando ainda não era casada e que o este foi subornado para casar com ela.<ref name=anans /><ref name=shiap />
 
Outros estudiosos dizem que ela engravidou de Mu'awiya com Abu Sufyan quando ainda não era casada e que o este foi subornado para casar com ela.<ref name=anans /><ref name=shiap />
 
Quando Hind foi ter com Maomé durante a ''Fath Makka'' ([[conquista de Meca]]), ela perguntou ao profeta quais seriam os seus deveres como mulher muçulmana. Entre outros, Maomé disse-lhe que uma mulher muçulmana não devia roubar nem cometer [[adultério]]. Hind replicou chocada — ''«E as mulheres livres [que não são escravas] também roubam e cometem adultério?»''.<ref name=Taz />
 
===Acusações de canibalismo===
Segundo o relato de MūsáMuça ibnibne ‘UqbahUcba, durante a batalha de Uhud, Hind encarregou [[{{ilc|Uaxi ibne Harbe||Wahshi ibn Harb]]}}{{
NotaNT|
1=[[{{ilc|Uaxi ibne Harbe||Wahshi ibn Harb]]}} era uma escrava [[Etíopes|etíope]] de [[{{ilc|Jubair ibne Mutim||Jubayr ibn Mut'im]]}}, um dos inimigos de Maomé.
}} de matar Maomé, [[Ali ibn Abi Talib]] ou HamzaHâmeza ibnibne ‘AbdAbdal al-MuttalibMutalibe, como vingança da morte do seu pai durante a [[batalha de Badr]].{{Ntref||Trecho parcialmente baseado no artigo|en|Wahshi ibn Harb|516596842}} WahshiUaxi matou HamzaHâmeza e arrancou-lhe o fígado, que levou a Hind. [[Ibn Kathir]] (4/43) relata que Hind cuspiu no fígado. Por sua vez, [[Ibnibne IshaqIxaque]] refere, num trecho com ''[[isnad]]'' quebrada, que foi Hind quem arrancou o fígado a HamzaHâmeza.<ref>''Sīrah ibn Hishām'': 3/133</ref>
 
==Hostilidade contra os muçulmanos==
Entre 613 e 622, Maomé pregou publicamente a mensagem do Islão em Meca. À medida que reunia mais convertidos, ele e os seus seguidores enfrentaram uma perseguição crescente. Em 622 emigraram para a cidade distante de Yathrib[[Iatrebe]], atualmente conhecida como [[Medina]] e entraram em guerra com os habitantes de Meca, atacando as suas [[caravana]]s.
 
Os habitantes de Meca enviaram tropas para defenderem as caravanas e o conflito culminou na batalha de BadrBadir, travada em março de 624. Os muçulmanos derrotaram as tropas de Meca e o pai, irmão e tio de Hind foram mortos em combate. A raiva de Hind contra os muçulmanos era então imensa; ia frequentemente para o deserto chorar e deitar poeira na face e nas roupas, lamentando a morte dos seus familiares. Só parou de fazer isso quando o seu marido Abu SufyanSufiane lhe pediu para parar de chorar e lhe prometeu vingar a morte do irmão e do pai.
 
Alegadamente, Hind foi a única responsável por incitar WahshiUaxi a assassinar o tio de Maomé HamzaHâmeza ibnibne ‘AbdAbdal al-MuttalibMutalibe, que supostamente era responsável pela morte dos familiares de Hind, e prometeu a WahshiUaxi libertá-la e oferecer-lhe as suas joias se conseguisse matar HamzaHâmeza e trazer-lhe o coração. WahshiUaxi assim fez escondendo-se atrás dum árvore e atacando HamzaHâmeza com uma lança. Seguidamente, WahshiUaxi abriu o ventre a HamzaHâmeza e arrancou-lhe o coração, que levou a Hind conforme tinha prometido. Segundo alguns relatos, Hind teria provado o coração como sinal de vingança, mas não gostou do sabor e cuspiu-o imediatamente.
 
Uma das crónicas mais antigas da história islâmica, o ''[[Sira]]h Rasul Allah'' ("A Vida de Maomé"), de Ibnibne IshaqIxaque, relata que Hind acompanhou as tropas de Meca que foram cercar os muçulmanos em Medina. Na batalha de Uhud, Hind e as suas mulheres cantaram e dançaram, incitando os seus guerreiros. Os muçulmanos forma obrigados a fugir e, de acordo com Ibnibne IshaqIxaque, Hind e outras pessoas mutilaram os cadáveres dos muçulmanos, fazendo grinaldas com orelhas e narizes. Também segundo Ibnibne IshaqIxaque, depois da batalha, Hind abriu o corpo de HamzaHâmeza, retirou o coração e mordeu-o, mas não conseguiu engolir e cuspiu-o. No seu livro ''al-Istī‘āb'', Ibnibne ‘AbduAbdul l-BarrBar escreveu que ela cozinhou o coração de HamzaHâmeza antes de o comer. Este trecho foi amplamente copiado por historiadores muçulmanos.
 
Contudo, depois do incidente na batalha de Uhud, Hind aceitou a mensagem do Islão e é considerada como um dos principais companheiros de Maomé pelos sunitas.
[[Categoria:Mortos no século VII]]
[[Categoria:Mulheres em guerras da Idade Média]]
[[Categoria:Árabes do século VI]]
[[Categoria:Árabes do século VII]]

Menu de navegação