Saltar para o conteúdo

Diferenças entre edições de "Dopagem eletrônica"

Sem alteração do tamanho ,  19h26min de 1 de junho de 2018
m
Desfeita(s) uma ou mais edições de 2804:14d:8c88:89eb:f1d0:6c72:15a0:7f3e, com Reversão e avisos
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
m (Desfeita(s) uma ou mais edições de 2804:14d:8c88:89eb:f1d0:6c72:15a0:7f3e, com Reversão e avisos)
 
== Aceitadoras e doadoras ==
Como impurezas químicas elementares <u>aceitadoras</u> eletrônicas figuram [[boro]], [[alumínio]], [[gálio]], [[Índioíndio]] e [[tálio]], ''com uso mais frequente do [[Índioíndio]]'' (todos ''[[Valência|trivalentes]]''), permitindo, portanto, a constituição de cristais semicondutores controlados tipo P. Como impurezas químicas elementares <u>doadoras</u> eletrônicas comparecem [[fósforo]], [[arsênio]], [[antimônio]] e [[bismuto]], ''com uso mais frequente do [[fósforo]]'' (todos ''[[Valência|pentavalentes]]''), permitindo, assim, a constituição de cristais semicondutores controlados tipo N.
 
Cristais semicondutores dopados do tipo P apresentam lacunas como portadores majoritários de carga elétrica ([[elétron]]s sendo minoritários). Já o contrário ocorre com os cristais semicondutores dopados do tipo N, que apresentam [[elétron]]s como portadores majoritários de carga elétrica (sendo as lacunas os minoritários). Isso faz toda a diferença de comportamento entre os dois tipos de cristais dopados e é precisamente do "casamento", conotativamente, de ambos os tipos em várias modalidades que nasce a [[Semicondutor|Eletrônica semicondutora]] em toda a sua pujança.