Diferenças entre edições de "Departamento de Ordem Política e Social"

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Desfeita a edição 53995244 de Chronus que refundação é essa??
(Desfeita a edição 53944344 de Young Brujah)
Etiqueta: Desfazer
(Desfeita a edição 53995244 de Chronus que refundação é essa??)
Etiqueta: Desfazer
|sigla = DOPS
|lema =
|fundação = 30 de dezembro de 1924 |extinção = 4 de março de 1983
|refundaçãoextinção = 14 de janeiromarço de 20181983
|filiação =
|tipo =
Os arquivos dos numerosos DOPS existentes até o início da década de 1980 tiveram destinos diversos. Os do [[Rio Grande do Sul]], que foi o primeiro a ser extinto, em 27 de maio de 1982, teriam sido queimados, conforme as informações oficiais, ainda que muitos acreditem que o acervo esteja guardado em local secreto.<ref name="rev-forum" />
 
Após a extinção do DOPS, seu arquivo ficou sob a guarda da Polícia Federal até o final do ano de 1992. O &nbsp;decreto nº 34.216, de 19 de novembro de 1991, constituiu uma Comissão Especial com a finalidade de coordenar a destinação desses documentos. A comissão deliberou passar o acervo à guarda do Arquivo Público do Estado de São Paulo, o que aconteceu em 1992, durante a gestão do Professor Doutor Carlos Guilherme Motta.
 
Em São Paulo, antes da posse do governador do [[MDB]], [[Franco Montoro]], em 1983, os arquivos foram transferidos para a [[Polícia Federal]], o que ocorreu também em outros estados. Somente em 1991 os arquivos foram devolvidos aos estados de origem, sendo que, em São Paulo, ficaram sob a guarda do [[Arquivo Público do Estado de São Paulo|Arquivo Público]]<ref>[http://www.arquivoestado.sp.gov.br/site/acervo/textual/deops Seção do DEOPS, do Arquivo Público do Estado de São Paulo], acessado em 13.set.2016.</ref>. A documentação existente, no entanto, é incompleta, havendo várias falhas sequenciais, mostrando que muitos documentos foram desviados. Em São Paulo, não é possível encontrar nenhum documento sobre informantes do DOPS, nem sobre pessoas que teriam executado torturas.<ref name="rev-forum" />
 
Até 1994,o acesso aos documentos do DOPS ficou restrito aos familiares de presos e desaparecidos políticos. Neste mesmo ano, com base na &nbsp;resolução nº 38, de 27 de Dezembro, o arquivo foi aberto à consulta pública, mediante a assinatura de um termo de responsabilidade pelo consulente.
 
No acervo, disponibilizado parcialmente na internet desde 2013<ref>[http://www.exemplo.org Arquivo Público do Estado publica acervo do Deops na internet], acessado em 13.set.2016.</ref>, encontram-se documentos bastante diversificados, que retratam tanto a rotina interna do órgão repressivo, tal como os ofícios, relatórios anuais, relatórios diários, pedidos de informações, correspondências, inquéritos policiais e prontuários temáticos e nominais. Nesse conjunto, é possível encontrar documentos e fotografias particulares, além de livros, revistas, jornais, entre outros.
35 162

edições

Menu de navegação