Diferenças entre edições de "Ecoturismo"

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
5 810 bytes adicionados ,  15h55min de 31 de janeiro de 2019
Foram inseridas referências em alguns locais, uma nota curta sobre a falta de consenso na definição de ecoturismo e uma nova seção sobre os possíveis impactos do ecoturismo e maneiras de reduzi-los.
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
(Foram inseridas referências em alguns locais, uma nota curta sobre a falta de consenso na definição de ecoturismo e uma nova seção sobre os possíveis impactos do ecoturismo e maneiras de reduzi-los.)
[[Ficheiro:Tapanti.jpg|thumb|250px|Parque Nacional Tapantí em Costa Rica.]]
O ''ecoturismo'' ou ''turismo de natureza'', segundo a [[EMBRATUR]], é um segmento de atividade turística que utiliza, de forma sustentável, o patrimônio natural e
cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista através da interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar das populações envolvidas.<ref>EMBRATUR/IBAMA. Diretrizes para uma política nacional de ecoturismo. Brasília, 1994. [http://institucional.turismo.gov.br/arquivos_open/diretrizes_manuais/cadernos_manuais/Livro_Ecoturismo.pdf]</ref> No entanto, a definição de ecoturismo é difícil de aplicar e de controlar, gerando muitas discussões entre especialistas<ref>{{Citar periódico|ultimo=Fitzgerald|primeiro=Lee A.|ultimo2=Stronza|primeiro2=Amanda L.|data=2016-02|titulo=In Defense of the Ecotourism Shield: A Response to Geffroy et al.|url=http://dx.doi.org/10.1016/j.tree.2015.11.002|jornal=Trends in Ecology & Evolution|volume=31|numero=2|paginas=94–95|doi=10.1016/j.tree.2015.11.002|issn=0169-5347}}</ref><ref>{{Citar periódico|ultimo=Geffroy|primeiro=Benjamin|ultimo2=Samia|primeiro2=Diogo S.M.|ultimo3=Bessa|primeiro3=Eduardo|ultimo4=Blumstein|primeiro4=Daniel T.|data=2016-02|titulo=Nature-Based Tourism and Prey Vulnerability to Predators: A Reply to Fitzgerald and Stronza|url=http://dx.doi.org/10.1016/j.tree.2015.11.001|jornal=Trends in Ecology & Evolution|volume=31|numero=2|paginas=95–96|doi=10.1016/j.tree.2015.11.001|issn=0169-5347}}</ref>.
 
O ecoturismo é um segmento turístico que proporcionalmente mais cresce no mundo, enquanto o turismo convencional cresce 7,5% ao ano, o ecoturismo está crescendo entre 15 a 25% por ano.<ref name=Reni>Renielton Santos Souza (2011) ECOTURISMO COMO FERRAMENTA PARA CONSERVAÇÃO: UM
* E que seja financeiramente viável e aberto a todos.
 
Já a o ''International Ecoturismo Society''<ref>[http://www.ecotourism.org/webmodules/webarticlesnet/templates/eco_template.aspx?articleid=95&zoneid=2 Definição apresentada no site oficial da International Ecotourism Society {{en}}][[Língua inglesa|inglês]]<span>)</span><span> 24-12-2007.]</span></ref> define ecoturismo como ''a viagem responsável para áreas naturais que conservam o ambiente e melhorem o bem-estar da população local. Isto significa que quem opera e participa de atividades ecoturisticas deve seguir os seguintes sete princípios:<ref>Honey, Martha. ''Ecotourism and Sustainable Development: Who Owns Paradise?''. Island Press, Washington, D.C., 1999. ISBN 1-55963-582-7, pp. 22-23 {{en}}</ref>''
* Minimizar impactos
* Desenvolver consciência e respeito ambiental e cultural;
* Fornecer benefícios financeiros e poder legal de decisão para o povo local;
* Elevar a sensibilidade pelo contexto político, ambiental e social dos países anfitriões;
* Apoiar os direitos humanos internacionais e acordos trabalhistas.
 
*== Apoiar os direitos humanos internacionais e acordos trabalhistas. ==
A atividade, como presentemente configurada em muitas partes do mundo, é confundida com o turismo de aventura e, de fato, há quem inclua esta última, assim como outras nomenclaturas dadas ao turismo (por exemplo: [[turismo rural]], turismo responsável, turismo ecológico, turismo alternativo, turismo verde, turismo cultural) como partes ou derivações de uma generalização chamada ecoturismo.
 
 
''Nada se leva a não ser recordações.''
 
== Os impactos do ecoturismo ==
Apesar das boas intenções que cercam a prática do ecoturismo, já são conhecidos alguns impactos negativos deste segmento econômico. Uma série de artigos científicos diagnosticou em peixes expostos ao ecoturismo (na forma de mergulho recreacional) uma cascata de reações negativas. Primeiramente os animais sofrem alterações hormonais e metabólicas em nível fisiológico<ref>{{Citar periódico|ultimo=Geffroy|primeiro=Benjamin|ultimo2=Sadoul|primeiro2=Bastien|ultimo3=Bouchareb|primeiro3=Amine|ultimo4=Prigent|primeiro4=Sylvain|ultimo5=Bourdineaud|primeiro5=Jean-Paul|ultimo6=Gonzalez-Rey|primeiro6=Maria|ultimo7=Morais|primeiro7=Rosana N.|ultimo8=Mela|primeiro8=Maritana|ultimo9=Nobre Carvalho|primeiro9=Lucélia|data=2018-02-05|titulo=Nature-Based Tourism Elicits a Phenotypic Shift in the Coping Abilities of Fish|url=http://dx.doi.org/10.3389/fphys.2018.00013|jornal=Frontiers in Physiology|volume=9|doi=10.3389/fphys.2018.00013|issn=1664-042X}}</ref>. Em seguida, essas reações fisiológicas se expressam em seu comportamento, modificando sua alimentação<ref>{{Citar periódico|ultimo=Bessa|primeiro=Eduardo|ultimo2=Silva|primeiro2=Fernanda|ultimo3=Sabino|primeiro3=José|data=2017|titulo=Impacts of Fish Tourism|url=http://dx.doi.org/10.1007/978-3-319-58331-0_5|local=Cham|publicado=Springer International Publishing|paginas=59–72|isbn=9783319583303}}</ref>, escolha de hábitat, período de atividade<ref>{{Citar periódico|ultimo=Bessa|primeiro=Eduardo|ultimo2=Geffroy|primeiro2=Benjamin|ultimo3=Gonçalves-De-Freitas|primeiro3=Eliane|data=2017-07-14|titulo=Tourism impact on stream fish measured with an ecological and a behavioural indicator|url=http://dx.doi.org/10.1002/aqc.2804|jornal=Aquatic Conservation: Marine and Freshwater Ecosystems|volume=27|numero=6|paginas=1281–1289|doi=10.1002/aqc.2804|issn=1052-7613}}</ref>, socialidade e comportamento reprodutivo<ref name=":0">{{Citar periódico|ultimo=Bessa|primeiro=Eduardo|ultimo2=Gonçalves-de-Freitas|primeiro2=Eliane|data=2014-12|titulo=How does tourist monitoring alter fish behavior in underwater trails?|url=http://dx.doi.org/10.1016/j.tourman.2014.04.008|jornal=Tourism Management|volume=45|paginas=253–259|doi=10.1016/j.tourman.2014.04.008|issn=0261-5177}}</ref>. Decorrem disso mudanças ecológicas, como alterações na população de diferentes espécies que alterarão a comunidade de espécies existentes no ponto turístico<ref>{{Citar periódico|ultimo=Balduino|primeiro=Giliard|ultimo2=Marques|primeiro2=Tatianne|ultimo3=Bessa|primeiro3=Eduardo|data=2017-02-18|titulo=Fish assemblages from touristic and non-visited headwater streams differ|url=http://dx.doi.org/10.1007/s10641-017-0586-1|jornal=Environmental Biology of Fishes|volume=100|numero=5|paginas=575–584|doi=10.1007/s10641-017-0586-1|issn=0378-1909}}</ref>. Por fim, dado tempo o suficiente, estas alterações todas podem resultar em mudanças evolutivas<ref>{{Citar periódico|ultimo=Møller|primeiro=Anders Pape|data=2017|titulo=Transgenerational Consequences of Human Visitation|url=http://dx.doi.org/10.1007/978-3-319-58331-0_4|local=Cham|publicado=Springer International Publishing|paginas=47–58|isbn=9783319583303}}</ref> para as espécies alvejadas pelo turismo.
 
É fundamental, no entanto, esclarecer que isto não significa que o ecoturismo não deva ser almejado ou que seja uma atividade de baixo interesse ambiental. Ele pode fomentar a conservação ambiental, desde que os riscos que eventualmente apresenta sejam conhecidos, mensurados e diminuídos<ref name=":1">{{Citar periódico|ultimo=Blumstein|primeiro=Daniel T.|ultimo2=Geffroy|primeiro2=Benjamin|ultimo3=Samia|primeiro3=Diogo S. M.|ultimo4=Bessa|primeiro4=Eduardo|data=2017|titulo=Introduction: Ecotourism’s Promise and Peril|url=http://dx.doi.org/10.1007/978-3-319-58331-0_1|local=Cham|publicado=Springer International Publishing|paginas=1–7|isbn=9783319583303}}</ref>. Aplicar boas práticas de turismo de natureza<ref>{{Citar periódico|ultimo=Samia|primeiro=Diogo S. M.|ultimo2=Angeloni|primeiro2=Lisa M.|ultimo3=Bearzi|primeiro3=Maddalena|ultimo4=Bessa|primeiro4=Eduardo|ultimo5=Crooks|primeiro5=Kevin R.|ultimo6=D’Amico|primeiro6=Marcello|ultimo7=Ellenberg|primeiro7=Ursula|ultimo8=Geffroy|primeiro8=Benjamin|ultimo9=Larson|primeiro9=Courtney L.|data=2017|titulo=Best Practices Toward Sustainable Ecotourism|url=http://dx.doi.org/10.1007/978-3-319-58331-0_10|local=Cham|publicado=Springer International Publishing|paginas=153–178|isbn=9783319583303}}</ref> pode até tornar essa atividade inócua ao ambiente<ref name=":0" />. Ao invés de abandonar a prática, é necessário definir áreas específicas para sua realização, regular quantidade de visitantes e suas atividades e potencializar seus benefícios<ref name=":1" />.
 
== Ecoturismo no Brasil ==

Menu de navegação