Saltar para o conteúdo

Theodor W. Adorno: diferenças entre revisões

326 bytes adicionados ,  01h49min de 19 de setembro de 2019
Desfeita a edição 56242037 de 2804:14D:78D3:89F8:78C4:1E0C:59FF:5F75 Restaurando referência (ver discussão)
(Desfeita a edição 56242032 de Feen: ao menos LEIA antes de desfazer. Removi um trecho REPETIDO.)
Etiqueta: Desfazer
(Desfeita a edição 56242037 de 2804:14D:78D3:89F8:78C4:1E0C:59FF:5F75 Restaurando referência (ver discussão))
Etiqueta: Desfazer
|
}}
'''Theodor Ludwig Wiesengrund-Adorno''' ([[Frankfurt am Main]], [[11 de setembro]] de [[1903]] &ndash; [[Visp]], [[6 de agosto]] de [[1969]]) foi um [[filosofia|filósofo]], [[sociologia|sociólogo]], [[musicologia|musicólogo]] e [[compositor]] [[alemanha|alemão]].<ref name="InfoEscola"/> É um dos expoentes da chamada [[Escola de Frankfurt]], juntamente com [[Max Horkheimer]], [[Walter Benjamin]], [[Herbert Marcuse]], [[Jürgen Habermas]], entre outros. Estudou [[filosofia]], [[sociologia]], [[psicologia]] e [[música]] na [[Universidade de Frankfurt]], mudando-se para [[Viena]] aos 22 anos para prosseguir seus estudos em [[Composição musical|composição]] com [[Alban Berg]]. Posteriormente, continuou sua formação no [[Escola de Frankfurt|Instituto de Pesquisas Sociais de Frankfurt]].<ref name="UOL - Educação">{{citar web |url=http://educacao.uol.com.br/biografias/theodor-adorno.jhtm |título=Theodor Adorno |acessodata=11 de setembro de 2012 |data= |obra= |publicado=UOL - Educação }}</ref> Ele é amplamente considerado como um dos principais pensadores do século XX em [[estética]] e [[filosofia]]. Como crítico do fascismo e do que ele chamou de [[indústria cultural]], seus escritos - como ''Dialética do Iluminismo'' (1947), ''Minima Moralia'' (1951) e ''Negativa Dialética'' (1966) - influenciaram fortemente a [[Nova Esquerda]] Europeia.
 
Em meio à moda desfrutada pelo [[existencialismo]] e pelo [[positivismo]] na Europa do início do século XX, Adorno avançou uma concepção dialética da história natural que criticou as tentações gêmeas da ontologia e do empirismo por meio de estudos de [[Kierkegaard]] e [[Husserl]]. Como pianista de formação clássica cujas simpatias com a técnica de doze tons de [[Arnold Schoenberg]] resultaram em sua composição de estudos com [[Alban Berg]], da [[Segunda Escola de Viena]], o compromisso de Adorno com a música de vanguarda constituiu o pano de fundo de seus escritos subseqüentes e levou a sua colaboração com [[Thomas Mann]] no romance ''[[Doutor Fausto (Mann)|Doutor Faustus]]'', enquanto os dois homens viviam na Califórnia como exilados durante a Segunda Guerra Mundial. A reputação de seu trabalho na música, no entanto, diminuiu acentuadamente ao longo do tempo. Trabalhando no recém-reformado Instituto de Pesquisa Social, Adorno colaborou em estudos influentes de autoritarismo, anti-semitismo e propaganda que mais tarde serviriam de modelos para estudos sociológicos que o Instituto realizou na Alemanha do pós-guerra.