Saltar para o conteúdo

Idi Amin: diferenças entre revisões

4 bytes removidos ,  23 de dezembro de 2019
m
Foram revertidas as edições de Fraroisa para a última revisão de Coltsfan, de 10h13min de 18 de dezembro de 2019 (UTC)
m (Acentuação gráfica: prendê-lo)
Etiquetas: Editor Visual Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
m (Foram revertidas as edições de Fraroisa para a última revisão de Coltsfan, de 10h13min de 18 de dezembro de 2019 (UTC))
Etiqueta: Reversão
==Biografia==
===Primeiros anos===
Amin nunca escreveu uma autobiografia ou autorizou algum relato oficial sobre sua vida, dessa forma, há discrepâncias sobre quando e onde ele nasceu. A maioria das fontes biográficas afirmam que ele nasceu em Koboko ou Kampala por volta de 1925.{{nota de rodapé|Muitas fontes, como a [[Encyclopædia Britannica]], dizem que Amin nasceu em Koboko ou Kampala por volta de 1925, e que a data exata de seu nascimento é desconhecida. O pesquisador Fred Guweddeko afirma que ele nasceu em 17 de maio de 1928,<ref name=guweddeko>{{citar web|url=http://www.monitor.co.ug/specialincludes/ugprsd/amin/articles/index.php|arquivodata=12 de junho de 2007|arquivourl=https://web.archive.org/web/20070612053237/http://www.monitor.co.ug/specialincludes/ugprsd/amin/articles/index.php#|título=Rejected then taken in by dad; a timeline|obra=The Monitor|data=12 de junho de 2007|primeiro=Fred|último=Guweddeko|acessodata=28 de outubro de 2012|urlmorta=yes}}</ref> porém isso é contestado.<ref> {{citar web|url=http://www.mail-archive.com/ugandanet@kym.net/msg06472.html|obra=The Monitor|acessodata=28 de outubro de 2012|título=Separate fact from fiction in Amin stories|data=1 de setembro de 2003|primeiro=Billie|último=O'Kadameri }} </ref> A única certeza é que Amin nasceu durante a década de 1920. }} Outras fontes colocam seu nascimento em 1923 ou em 1928. De acordo com Fred Guweddeko, um pesquisador da Universidade Makerere, Amin era filho de Andreas Nyabire. Nyabire, um [[kakwa]], converteu-se do [[Igreja Católica|catolicismo]] para o [[Islão|islamismo]] em 1910 e mudou seu nome para Amin Dada. Ele nomeou seu primeiro filho em sua homenagem. Abandonado pelo pai ainda jovem, Idi Amin cresceu com a família de sua mãe em uma fazenda no noroeste de [[Uganda]]. Guweddeko diz que sua mãe se chamava Assa Aatte, uma [[lugbara]] cristã e herbalista tradicional que tratava os membros da realeza de [[Buganda]], entre outros. Amin entrou em uma escola islâmica de Bombo no ano de 1941. Após alguns anos, ele saiu da escola tendo estudado apenas até a quarta série, trabalhando em biscatesbicos até ser recrutado como oficial pelo exército colonial britânico.<ref name=guweddeko />
 
===Carreira militar e política===
Alistado no [[exército britânico]], foi inicialmente ajudante de cozinha do regimento colonial [[Império Britânico|britânico]] chamado ''[[King's African Rifles]]''. Impressionou com seu 1,90 metro de altura, e os seus 110 quilos bem como a sua habilidade pugilística, que o converteram num campeão de [[boxe]] na categoria de pesos-pesados do seu país, de [[1951]] a [[1960]].
 
Após a independência do país, em [[1962]], tornou-se chefe do [[Forças Armadas de Uganda|Exército]] do presidente [[Milton Obote]]. Pouco tempo após assumir este cargo, Amin e Obote começaram a ter desavenças.<ref name=britishcouncil>{{citar web |url=http://www.britishcouncil.org/learnenglish-central-history-amin.htm |título=General Idi Amin overthrows Ugandan government |publicado=British Council |data=2 de fevereiro de 1971 |acessodata=8 de agosto de 2009 |arquivourl=https://web.archive.org/web/20070225004054/http://www.britishcouncil.org/learnenglish-central-history-amin.htm# |arquivodata=25 de fevereiro de 2007 |urlmorta=yes }}</ref> A popularidade de Amin entre os militares e o atentado contra a vida de Obote em 1969 fizeram com que ambos se tornassem rivais.<ref name="britishcouncil" /> Sabendo que o então presidente planejava prendêprende-lo por supostamente desviar fundos das [[Forças Armadas de Uganda|forças armadas]], Idi Amin deu um [[golpe de estado]] com a ajuda do exército ugandense em 25 de janeiro de 1971,<ref>{{citar jornal|url=http://news.bbc.co.uk/onthisday/hi/dates/stories/january/25/newsid_2506000/2506423.stm |título=On this day: 25 January 1971: Idi Amin ousts Ugandan president |obra=BBC |acessodata=8 de agosto de 2009 |data=25 de janeiro de 1971}}</ref> aproveitando-se do momento em que Obote estava fora do país, numa conferência de primeiros-ministros do [[Commonwealth]] em [[Singapura]]<ref>KLEIN, Shelley. Os ditadores mais perversos da história. Trad. Dinah de Abreu Azevedo. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2004, p. 233.</ref>. Em uma transmissão de rádio ao povo ugandense, Amin falou que ele era um soldado e não um político, e que ele libertaria todos os prisioneiros políticos e colocaria a economia do país em ordem novamente.<ref>{{citar jornal|url=http://www.guardian.co.uk/theguardian/1971/jan/26/fromthearchive |título=Curfew in Uganda after military coup topples Obote |último =Fairhall |primeiro =John |obra=The Guardian |data=26 de janeiro de 1971 |acessodata=8 de agosto de 2009 |local=Londres}}</ref> Em 2 de fevereiro, ele se declarou Comandante em chefe das forças armadas e presidente vitalício, impondo disciplina militar a seu gabinete e colocou seus apoiantes em cargos proeminentes do seu governo.<ref name=LOC_Rule_Under_Amin>{{citar web|obra=Federal Research Division |publicado=United States Library of Congress |título=Country Studies: Uganda: Military Rule Under Amin |acessodata=8 de agosto de 2009 |url=http://lcweb2.loc.gov/frd/cs/ugtoc.html#ug0159}}</ref> Obote, que retornava da conferência, decidiu permanecer na [[Tanzânia]] após ter seu pedido de asilo aceito, e outros 20 mil soldados desertores e simpatizantes da oposição fugiram do país para o exílio em países vizinhos, como a Tanzânia.<ref name="Idi-otic">{{citar jornal|url=http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,946151-1,00.html |título=An Idi-otic Invasion |obra=Time |data=13 de novembro de 1978 |acessodata=8 de agosto de 2009}}</ref> Em retaliação, Idi Amin começou a expurgar oficiais de lealdade duvidosa do Exército, o que terminou com a morte de mais de 5 000 militares. Muitos intelectuais, artistas e políticos também começaram a ser presos sob suspeita de fazer oposição ao governo.<ref>{{citar periódico|último =Tall |primeiro =Mamadou |data=Primavera–Verão 1982 |título=Notes on the Civil and Political Strife in Uganda |periódico=A Journal of Opinion |volume=12 |número=1/2 |páginas=41–44 |doi=10.2307/1166537 |publicado=Issue: A Journal of Opinion, Vol. 12, No. 1/2|jstor=1166537}}</ref>
 
Após o golpe, depois de alguns meses de moderação, iniciou rapidamente a arbitrariedade como estilo de seu governo, que durou oito anos, sendo um regime brutal que deixou um país arruinado e pelo menos 300 mil ugandenses mortos. As perseguições, as mortes e os desaparecimentos, que tinham natureza étnica, política e financeira, começaram pouco após sua chegada ao poder.<ref>{{citar jornal|url=http://www.telegraph.co.uk/news/main.jhtml?xml=/news/2003/08/18/db1801.xml&page=1 |título=Obituary: Idi Amin |arquivourl=http://web.archive.org/web/20071012134036rn_1/www.telegraph.co.uk/news/main.jhtml?xml=/news/2003/08/18/db1801.xml&page=1 |arquivodata=9 de agosto de 2009 |obra=Daily Telegraph |data=17 de setembro de 2003 |local=Londres |primeiro =Charles |último =Moore}}</ref> O brigadeiro Hussein Suleiman, leal a Obote, foi preso, torturado e morto após espancamentos e golpes de rifles. Há também relatos de morte de soldados das etnias acholi e langi de maneira brutal. Eram colocados em filas, seus crânios eram esmagados por marretas pelo soldado que vinha atrás, que por sua vez seria assassinado pelo soldado seguinte. Dois norte-americanos, que investigavam os extermínios, também foram mortos. Nicholas Stroh, jornalista do Evening Bulletin de [[Filadélfia]] e Robert Seidle, professor de sociologia, foram assassinados pelos soldados de Amin.<ref>KLEIN, p. 235-236.</ref>