Saltar para o conteúdo

Exclusão digital: diferenças entre revisões

7 bytes adicionados ,  08h43min de 10 de julho de 2020
acréscimo de aposto
m
(acréscimo de aposto)
No Brasil e em Portugal, o termo "desigualdade digital" é mais usado para se referir ao problema, indicando o lado dos excluídos, enquanto em outros idiomas os termos equivalentes a "'''brecha digital'''"<ref>{{Citar periódico|ultimo=Román-García|primeiro=Sara|ultimo2=Almansa-Martínez|primeiro2=Ana|ultimo3=Cruz-Díaz|primeiro3=María-del-Rocío|data=2016|titulo=Adults and Elders and their use of ICTs. Media Competence of Digital Immigrants|url=https://doi.org/10.3916/C49-2016-10|jornal=Comunicar|lingua=es|volume=24|numero=49|paginas=101–110|doi=10.3916/c49-2016-10|issn=1134-3478}}</ref><ref>{{Citar periódico|ultimo=Peral-Peral|primeiro=Begoña|ultimo2=Arenas-Gaitán|primeiro2=Jorge|ultimo3=Villarejo-Ramos|primeiro3=Ángel Francisco|data=2015|titulo=From Digital Divide to Psycho-digital Divide: Elders and Online Social Networks|url=https://doi.org/10.3916/C45-2015-06|jornal=Comunicar|lingua=es|volume=23|numero=45|paginas=57–64|doi=10.3916/c45-2015-06|issn=1134-3478}}</ref> ou "'''fissura digital'''" são preferidos (como no inglês ''digital divide'' e o francês ''fracture numérique''). Os dois termos, porém, não são sinônimos perfeitos, pois enquanto a "desigualdade digital" se refere apenas a um dos lados da questão, "brecha digital" faz referência à própria diferença entre excluídos e incluídos.
 
A exclusão digital é atualmente (2006) um tema de debates entre [[governo]]s, organizações multilaterais ([[ONU]], [[Organização Mundial do Comércio|OMC]]), e o [[terceiro setor]] ([[ONG]]s, [[assistencialismo|entidades assistencialistas]]). Políticas de inclusão digital incluem a criação de pontos de acesso à internet em comunidades carentes ([[favela]]s, [[cortiço]]s, ocupações, assentamentos) e [[capacitação]] (treinamento) de usuários de ferramentas digitais ([[computador]]es, [[DVD]]s, [[vídeo digital]], [[som digital]], [[telefonia móvel]]).
 
As comunidades carentes, os mais pobres e pessoas com uma posição econômica desprivilegiada são excluídas digitalmente, pois não tem acesso à tecnologia.
103

edições