Saltar para o conteúdo

Tratado Anglo-Irlandês: diferenças entre revisões

4 bytes removidos ,  03h48min de 30 de dezembro de 2020
m
sem resumo de edição
m
 
{{Formação do Reino Unido}}
O '''Tratado Anglo-Irlandês''' comumente conhecido como '''O Tratado''' e oficialmente os '''Artigos de Acordo para um Tratado entre a Grã-Bretanha e a Irlanda''' , foi um acordo entre o governo do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda e representantes da [[República da Irlanda|República Irlandesa]] que concluíram a [[Guerra de Independência da Irlanda|Guerra da Independência da Irlanda]].<ref>[http://www.ucc.ie/celt/online/E900003-007/text001.html "Official Correspondence relating to the Peace Negotiations, part 1: Preliminary Correspondence"]</ref> Previa o estabelecimento do [[Estado Livre Irlandês]] dentro de um ano como um domínio autônomo dentro da "comunidade de nações conhecida como Império Britânico", um status" igual ao do Domínio do Canadá ". Também concedeu à [[Irlanda do Norte]] , que foi criada pelo Ato do Governo da Irlanda de 1920, uma opção de exclusão do Estado Livre Irlandês, que exerceu.
 
O acordo foi assinado em Londres em [[6 de dezembro]] de [[1921]], por representantes do governo britânico (que incluía o primeiro-ministro [[David Lloyd George]], que era o chefe dos delegados britânicos) e por representantes da República da Irlanda, incluindo [[Michael Collins]] e [[Arthur Griffith]] . Os representantes irlandeses tinham status de plenipotenciário (negociadores com poderes para assinar um tratado sem referência a seus superiores) agindo em nome da República da Irlanda, embora o governo britânico se recusasse a reconhecer esse status. Conforme exigido por seus termos, o acordo foi aprovado por "uma reunião" dos membros eleitos para fazer parte da Câmara dos Comuns da Irlanda do Sul e [separadamente] pelo [[Parlamento britânico]]. Na realidade, [[Dáil Éireann]] (a assembleia legislativa da República da Irlanda ''de facto'') primeiro debateu e depois aprovou o tratado; os membros então prosseguiram com a "reunião". Embora o tratado tenha sido aprovado por pouco, a divisão levou à Guerra Civil Irlandesa , que foi vencida pelo lado pró-tratado.
 
O Estado Livre Irlandês, conforme contemplado pelo tratado, passou a existir quando sua constituição se tornou lei em 6 de dezembro de 1922 por uma proclamação real.