Saltar para o conteúdo

Diferenças entre edições de "Madame du Barry"

m
→‎A queda: reescrever nem sempre resulta em algo bonito...
(mais uma ampliadinha e ajustes)
m (→‎A queda: reescrever nem sempre resulta em algo bonito...)
Em [[1791]], parte de sua valiosíssima coleção de joias, guardada em Louveciennes, foi roubada. Talvez sem se aperceber do perigo em que incorre, move mundos e fundos para as recuperar, ordena a abertura de um inquérito, promete generosas recompensas, fazendo assim alarde da sua imensa fortuna. Finalmente, as joias aparecem em [[Londres]], para onde empreende diversas viagens.<ref name=buzzle/> Ora esta cidade era um dos locais de refúgio dos “contra-revolucionários” e, na sua busca de informações, entra em contacto com alguns dos expatriados. Em Janeiro de [[1793]], encontrando-se um Londres, ao receber a notícia da execução de Luís XVI, veste-se de luto, o que não passa despercebido aos espiões franceses. Todas as suas acções, todas as suas relações são agora consideradas suspeitas, e a sua fortuna, a sua antiga condição de ''maîtresse du roi'', o facto de o seu amante, o Duque de Brissac, ter sido brutalmente assassinado nos [[Revolução Francesa|Massacres de Setembro]] de [[1792]], enfim, tudo joga em seu desfavor tornando-a um alvo de eleição para os revolucionários.
 
Estando na segurança em Londres, onde fora bem recebida pela aristocracia local, por motivos ignorados decide retornar à França a despeito dos muitos avisos sobre o perigo de empreender tal retornoempresa; ao retornarvoltar em [[1793]], é levada ao cárcere ficando na mesma cela em que ficarafora aprisionada antes [[Grace Elliott]].<ref name=buzzle/>
 
Acusada de conspirar contra o novo regime e, após um longo processo – cuja sentença estava decidida à partida - foi declarada inimiga da revolução e condenada à [[pena de morte]].