Saltar para o conteúdo

Cronologia média: diferenças entre revisões

121 bytes adicionados ,  12h18min de 7 de fevereiro de 2021
sem resumo de edição
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
Etiquetas: Editor Visual Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel
 
A cronologia é baseada em um cálculo de 56/64 anos [[Astronomia|astronômico]] determinado pela evidência da [[tábua de Vênus de Ammisaduqa]] e
a tabuinha [[Enuma anu enlil]] 63. Os livros convencionais tendem a usar a cronologia do meio, mas as evidências [[Dendrocronologia|dendrocronológicas]] e astronômicas iniciais apresentaram vários problemas para isso.<ref name="McIntosh2005">{{ cite book|author=Jane McIntosh|title=Ancient Mesopotamia:New Perspectives|url=https://books.google.com/books? id =9veK7E2JwkUC & pg=PA47|access-datetitle=3Ancient deMesopotamia:New novembroPerspectives|author=Jane de 2012McIntosh|yearprimeiro=2005|publisher=ABC-CLIO|ano=|local=|página=|páginas=|isbn=978-1-57607-965-2|access-date=3 de novembro de 2012|year=2005|pages=47–}}</ref> Isso levou a uma maior adoção de cronologias curtas por alguns. <ref name="Gurzadyan">[https://arxiv.org/abs/physics/0311035 Gurzadyan, VG, On the Astronomical Records and Babylonian Chronology, ICRA, University of Rome “La Sapienza”, Italy and Yerevan Physics Institute, Armênia, Akkadica, v. 119-120 (2000) , pp. 175–184.)]</ref><ref name="ultra1"> Warburton, DA, The Fall of Babylon in 1499: Another Update, Akkadica, v. 132, 1 (2011)</ref> No entanto , estudos mais recentes mostraram que a cronologia do meio está provavelmente correta.<ref>[http{{Citar web |url=https://www.news.cornell.edu/stories/2016/07/cornell-led-research-resolves-long-debated-mesopotamia-timeline Pesquisa|titulo=Cornell-led conduzidaresearch porresolves Cornelllong-debated resolveMesopotamia otimeline longamente|acessodata=2021-02-07 debatido|website=Cornell cronogramaChronicle da Mesopotâmia]|lingua=en}}</ref>
 
O problema levantado pelo uso de cronologias curtas é que um século ou mais precisa ser adicionado a algum período do segundo milênio AEC para acomodá-lo, mas ninguém até agora foi capaz de fazer uma sugestão sobre a qual período adicioná-lo. Isso deixou as datas do segundo milênio AEC parecendo artificialmente curtas e resultou em distorção e perda de precisão para datas mais antigas, como um sacrifício para fornecer maior precisão para as anteriores.<ref>[https://www.academia.edu/1619055/ Problems_of_Chronology_Mesopotamia_Anatolia_and_the_Syro-Levantine_Region], Schwartz, Glenn, 2008. "Problems of Chronology: Mesopotamia, Anatolia, and the Syro-Levantine Region." In: Beyond Babylon: Art, Trade, and Diplomacy in the Second Millennium A.C., editado por Joan Aruz, Kim Benzel e Jean M. Evans: 450–452.</ref>
 
Vários estudiosos têm favorecido cronologias diferentes nos últimos anos. [[Peter Jost Huber|Peter J. Huber]] tem favorecido a [[cronologia longa]], baseando-se em dados astronômicos disponíveis nas tabuletas 20 e 21 de [[Enuma anu enlil]] ligando [[eclipse]] lunar a eventos históricos no período [[Ur III]], junto com a [[Tábua de Vênus de Amisaduca]], a duração dos meses da Antiga Babilônia. <ref>[http://www.caeno.org/_Eponym/pdf/Huber_Ammizaduga_%20Gurzadyan%20rejoinder % 202000_NEEDS% 20FIX.pdf Huber, Peter J., Astronomy and Ancient Chronology, Akkadica 119-120 (2000), pp. 159-176.]</ref>
 
Numerosos elementos das teorias de Huber foram criticados por um consórcio de estudiosos liderados por [[Hermann Gasche]] e [[Vahe Gurzadyan]], que sugeriram uma [[Cronologia do antigo Oriente Próximo|cronologia ultrabaixa]] baseada em evidências [[Arqueologia|arqueológicas]] e especialmente no uso mais completo de evidências astronômicas. Gasche e Gurzadyan argumentam que apenas o ciclo de oito anos da tabuinha de Vênus é inteiramente confiável e de uso prático <ref name="Gurzadyan" />(ver atualização em <ref name = "ultra1" />). Os estudos mais recentes baseiam-se amplamente em mais evidências.<ref name="ultra1" /><ref>Sassmannshausen, Leonhard. Zur mesopotamischen Chronologie des 2. Jahrtausends, Baghdader Mitteilungen 37, 157-177, 2006.</ref> Um estudo de 2001 publicou datas de radiocarbono de alta resolução da Turquia apoiando datas para o segundo milênio aC que são muito próximas às propostas pelo cronologia intermediária.<ref>{{Citar book|last1=Manning|first1=SW|last2=Kromer|first2=B.|last3=Kuniholm|first3=PI|last4=Newton|first4=MW|year=2001|title=Anéis de árvores da Anatólia e uma nova cronologia para a Idade do Bronze e do Ferro do Mediterrâneo Oriental|journal=Science|volume= 294|pages=2532–2535|doi=10.1126/science.1066112|issue=5551|pmid=11743159}}</ ref> Suporte adicional para a Cronologia Média (ou um "Baixo-Médio" oito anos abaixo) foi fornecido por um estudo de 2016 combinando dendrocronologia e radiocarbono.<ref>[http://journals.plos.org/plosone/article?id=info%3Adoi% 2F10.1371% 2Fjournal.pone.0157144 #pone-0157144-g008 Sturt W. Manning et al., Quadro de tempo de alta resolução de anel de árvore integrado para resolver o mesopo do primeiro segundo milênio BCE cronologia tamian, PlosONE 13 de julho de 2016]</ref>
| [[Dinastia de Isin]]||||?|| 2017–1793 a.C.||?||1922-1698 a.C.
|-
| [[Império Paleobabilônico|Primeira Dinastia da Babilônia]]||?||1950–1651 ACa.C.|| 1894–1595 ACa.C.||1830–1531 ACa.C.||1798–1499 ACa.C.
|-
| Reinado de [[Hamurabi]]||1933–1890 BCEa.C.<ref name="Orientalia">{{Cite book|title=Orientalia|url=https://books.google.com/books?Id= YKZtAAAAMAAJ|access-date=3 de novembro de 2012|year=1998| publisher=Pontificium institutum biblicum.}}</ref>||1848-1806 aCa.C.|| 1792–1750 ACa.C.||1728–1686 ACa.C.||1696–1654 ACa.C.
|-
| Reinado de [[Amisaduca]]||?||1702–1682 aCa.C.||1646–1626 ACa.C.||1582–1562 ACa.C.||1550-1530 a.C.
|-
| Queda da Babilônia||1736 aCa.C. <ref>Eder, cristão. Assyrische Distanzangaben und die absoluto Chronologie Vorderasiens, AoF 31, 191–236, 2004.</ref>||1651 a.C.|| 1595 a.C.||1531 a.C.||1499 a.C.
|-
|}
6 387

edições