Esperança (Ipatinga)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Esperança
  Bairro do Brasil  
Vista parcial do bairro Esperança a partir do Nova Esperança
Vista parcial do bairro Esperança a partir do Nova Esperança
Localização
Unidade federativa  Minas Gerais
Zona Regional VII
Distrito Barra Alegre
Município Ipatinga
Características geográficas
Área total 1,9 km²
População total (2010) 16 608 hab.
Densidade 8 741,05 hab./km²
Outras informações
Domicílios 5 290
Limites Cidade Nobre, Córrego Novo, Bom Jardim e Ideal
Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)[1][2]/

Esperança é um bairro do município brasileiro de Ipatinga, no interior do estado de Minas Gerais. Localiza-se no distrito Barra Alegre, estando situado na Regional VII. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sua população no ano de 2010 era de 16 608 habitantes, sendo 8 047 homens e 8 561 mulheres,[1] possuindo um total de 5 290 domicílios particulares[2] distribuídos em uma área de 1,9 km², o que inclui as extensões Nova Esperança e Esperança II.[3]

A área do atual bairro Esperança pertenceu originalmente a Rubem Siqueira Maia, que fora primeiro prefeito do município de Coronel Fabriciano, sendo loteada após a construção da Usiminas em território ipatinguense. Pelo decreto nº 528, de 22 de março de 1974, suas ruas receberam nomes de flores.[4]

Cultura[editar | editar código-fonte]

A efervescência cultural da região é explicada como uma reação contra a discriminação sofrida pelas comunidades periféricas que não dispunham de toda a infra-estrutura que caracterizava os bairros construídos em torno da Usiminas, empresa siderúrgica que domina até hoje o cenário econômico de Ipatinga.

Uma das festas tradicionais da comunidade era denominada "Esperança na Praça", nome de duplo sentido, que também caracterizava a esperança da população local em ver construída sua tão sonhada praça central (objetivo atualmente já alcançado).[4]

Tragédias históricas[editar | editar código-fonte]

O bairro foi também marcado por uma grande tragédia ocorrida no ano de 1979, época em que fortes chuvas atingiram a região. Após uma queda de encosta na chamada Grota do IAPI, uma das áreas que constitui o bairro, cerca de 40 pessoas morreram soterradas e algumas centenas ficaram desabrigadas.

No Esperança residia o catequista Nelson Ferreira Júnior, o Juninho, adolescente que desapareceu após uma batida policial no bairro Ideal no dia 17 de maio de 1992, dando origem a um dos maiores mistérios da cidade de Ipatinga.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (31 de dezembro de 2010). «Tabela 202 - População residente por sexo e situação do domicílio». Consultado em 3 de junho de 2015. Cópia arquivada em 3 de junho de 2015 
  2. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (31 de dezembro de 2010). «Tabela 185 - Domicílios particulares permanentes por situação e número de moradores». Consultado em 3 de junho de 2015. Cópia arquivada em 3 de junho de 2015 
  3. Secretaria Municipal de Educação (2010). «Conhecendo o município de Ipatinga». Prefeitura de Ipatinga. Consultado em 16 de julho de 2012. Cópia arquivada em 26 de março de 2011 
  4. a b Revista Eu Amo Ipatinga. «Bairro Esperança». Consultado em 3 de junho de 2015. Cópia arquivada em 3 de junho de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Esperança
Ícone de esboço Este artigo sobre bairros é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.