Espinho (botânica)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fouquieria splendens

Espinho, em botânica, é um órgão axial ou apendicular, duro e pontiagudo, tais como os encontrados nas laranjeiras, resultantes da modificação de um ramo, folha, estípula ou raiz, constituído por tecido lignificado e vascular, e que se arrancado destrói o tecido subjacente.

Geralmente espinhos são estruturas modificadas. Nas cactáceas os espinhos, por exemplo, são catáfilos (folhas modificadas, com menor grau de organização que folhas comuns) para evitar perda de água.

Existem também estruturas semelhantes encontradas nos vegetais da família rósea, por exemplo, as quais não são espinhos. Na verdade, são denominadas acúleos, que são uma espécie de pêlos enrijecidos compostos pela presença de lignina ou acúmulo de substâncias inorgânicas impregnadas junto à parede celular. Quando se destaca o espinho, há danos no vegetal pelo fato de o espinho ter ligação com o cilindro vascular, diferentemente do acúleo que não possui esse vínculo e é facilmente destacado, ficando no seu lugar uma "cicatriz".

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Espinho (botânica)
Ícone de esboço Este artigo sobre Botânica é um esboço relacionado ao Projeto Plantas. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.