Espuma quântica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A espuma quântica, também tratada como espuma espaço-temporal, é um conceito relacionado com a mecânica quântica, concebido por John Wheeler em 1955. A espuma seria supostamente a fundação do tecido do universo,[1] mas também se utiliza o termo como uma descrição qualitativa das turbulências do espaço-tempo subatômico, que tem lugar em distâncias extremamente pequenas, da ordem do comprimento de Planck[2].Nesta escala de tempo e espaço, o princípio de incerteza permite que as partículas e a energia existam brevemente, para aniquilar-se posteriormente, sem violar as leis de conservação de massa e energia.

Mas que a escala de espaço e tempo se vê reduzida, a energia das partículas virtuais se vê incrementada, e dado que a energia curva o espaço-tempo, de acordo à teoria da relatividade geral de Einstein, isto sugere que em escalas suficientemente pequenas, a energia das flutuações seria suficientemente elevada para causar saídas significativas desta energia do espaço-tempo "liso" visto desde uma escala maior, o que lhe daria à trama espaço-temporal um caráter "espumoso" (como se composto de bolhas em permanente formação, anulação e alteração).

Entretanto, sem uma teoria completa da gravidade quântica, é impossível saber como se apreciaria o espaço-tempo nestas escalas, já que se pensa que as teorias existentes não poderiam fazer previsões muito precisas neste contexto.

Referências

  1. «Quantum foam». New Scientist.
  2. Michael Shermer. «Muito barulho por nada». Scientific American Brasil. Consultado em 12 de abril 2018. 
Ícone de esboço Este artigo sobre física é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.