Esquerda festiva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde outubro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2016)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Esquerda festiva foi uma expressão usada, de forma irônica, para designar pessoas que se identificavam com a ideologia socialista ou comunista a partir do regime militar de 1964 no Brasil, geralmente estudantes, artistas e intelectuais, que não tomaram parte da ação contra o regime militar, mas que defendiam sua derrubada em bares e festas.

Origem da expressão[editar | editar código-fonte]

Zuenir Ventura conta em seu livro 1968: o ano que não terminou que a expressão foi inventada pelo colunista Carlos Leonam em 1963. O ministro San Tiago Dantas declarou a ele que havia duas esquerdas no Brasil: “a esquerda positiva e a esquerda negativa”. Leonam replicou: “tem outra esquerda, é a esquerda festiva”. A expressão foi publicada no Jornal do Brasil, na entrevista com o ministro.

Uma frase de Roberto Campos comenta a esquerda festiva: "É divertidíssima a esquizofrenia de nossos artistas e intelectuais de esquerda: admiram o socialismo de Fidel Castro, mas adoram também três coisas que só o capitalismo sabe dar - bons cachês em moeda forte, ausência de censura e consumismo burguês; trata-se de filhos de Marx numa transa adúltera com a Coca-Cola..."

Obras de arte relacionadas[editar | editar código-fonte]

Uma das obras em que a esquerda festiva foi retratada foram as tiras em quadrinhos Chopnics, do cartunista Jaguar e do jornalista Ivan Lessa, publicadas no jornal de humor O Pasquim, na década de 1970.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]