Estádio Eládio de Barros Carvalho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aflitos
Estádio Eládio de Barros Carvalho
Estádio dos Aflitos.jpg

Sisbrace: Soccerball shade.svgSoccerball shade.svg[1]
Nome Estádio Eládio de Barros Carvalho
Características
Local Recife, PE
Gramado Grama natural (Bermuda Celebration) (Dimensão a definir)
Capacidade 22.856 espectadores[2]
Construção
Inauguração
Data 25 de Junho de 1939
Partida inaugural Náutico 5x2 Sport
Primeiro gol Wilson (Náutico)
Recordes
Público recorde 31.613 pessoas
Data recorde 16 de Agosto de 1970
Partida com mais público Náutico 1x0 Santa Cruz[3]
Outras informações
Proprietário Clube Náutico Capibaribe
Mandante Clube Náutico Capibaribe

O Estádio Eládio de Barros Carvalho, popularmente conhecido como Estádio dos Aflitos, por estar localizado no bairro dos Aflitos, é o estádio usado pelo Clube Náutico Capibaribe.

O estádio foi inaugurado em 25 de junho de 1939 e o seu nome é uma homenagem a Eládio de Barros Carvalho, que foi presidente do Náutico por 2 ocasiões (1948-54 e 1957-63).[4]

História[editar | editar código-fonte]

De campo a estádio[editar | editar código-fonte]

A história do campo começou em 1917 com a compra do campo pela Liga Sportiva Pernambucana para realização das partidas do campeonato pernambucano. Sendo comprado, no final daquele ano, pelo Náutico por 250 mil réis. Em 1921 foi construída uma segunda sede (a original era no centro do Recife). Na década de 1930 começou a construção das primeiras arquibancadas já elevando o campo a categoria de estádio. A primeira partida foi uma vitória do Náutico sobre o Sport por 5x2 na decisão do segundo turno do pernambucano de 1939, Wilson (Náutico) marcou o primeiro gol[5], o alvirrubro viria a ganhar o estadual, o segundo em sua história.

Expansões[editar | editar código-fonte]

A partir da década de 1940 começou as gradativas mudanças que deram a forma atual do estádio, com a construção das sociais e cadeiras. As torres de iluminação foram instaladas e inauguradas em 19 de junho de 1941 na partida entre Great Western e Flamengo do Recife, a partida terminou 2x2. Já na década de 1950 o estádio ganharia a forma que durou até 1996, sendo finalizado as arquibancadas e construindo o placar, o popularmente conhecido Balança mas não cai, inaugurado em maio de 1953 e que foi demolido na expansão iniciada em 1996. Essa última expansão duraria até 2002 e foi responsável por aumentar os degraus de toda a arquibancada e demolir o Balança mas não cai, dando a forma atual. A capacidade, antes de 30.000, porém, caiu para 22.856, pois a FIFA mudou, em 2000, a medição de dimensionamento.

Novos usos do estádio[editar | editar código-fonte]

Após uma vida de uso, a equipe do Clube Náutico Capibaribe assinou em 2011 para, após a Copa das Confederações de 2013, mandar seus jogos na Arena Pernambuco, sendo a despedida em 2 de Junho de 2013 num empate em 2x2 contra a Portuguesa-SP válido pelo Campeonato Brasileiro da Série A daquele ano[6], porém seria usado brevemente em 27 de maio de 2014 na derrota de 1x0 para o Avaí pela série B daquele ano quando a Arena estava sendo preparada para a Copa do Mundo. De 2013 a 2016 o Recife Mariners, time de futebol americano local e parceiro do Náutico até então, utilizou em suas partidas até 2016 quando se mudou para a Arena Pernambuco. No final de 2014 o América Futebol Clube de Recife acertou com o Clube Náutico Capibaribe para mandar seus jogos no estádio, ficando lá até 2015 quando o alviverde se mudou para o Ademir Cunha em Paulista, região metropolitana do Recife. Após isso, o estádio recebeu eventos de menor porte, como os jogos do Náutico Beisebol, até não ser mais utilizado e entrar em estado de abandono, isso porque à época já se cogitava demolir o estádio e construir um centro comercial[7].

Retorno à casa[editar | editar código-fonte]

No final do 1º semestre de 2016 já com grande descontentamento com a Arena de Pernambuco devido ao acesso complicado, a distância, as campanhas ruins, por não ser o "caldeirão" que era os aflitos, e o não pagamento do aporte mensal combinado em 2013 com a consequente quebra de contrato e posterior investigação da arena pela Lava Jato[8], foi lançada pela diretoria do clube a Campanha Voltando Pra Casa [9] em 23 de Agosto de 2016, o projeto é tornar o estádio utilizável gradualmente, a medida que os recursos chegam, sendo eles de patrocinadores, sócios , venda das cadeiras antigas do estádio e etc. A revitalização prevê além da adaptação do estádio aos regulamentos (o estádio é de 1939), a construção de um foodpark, bares, alameda e espaço pra mídia, com a intenção de aumentar a receita do clube[10]. A previsão é que o estádio seja reaberto em Abril de 2018, se estendendo até o final do 1º semestre de 2018, a depender da chegada dos recursos e da execução das obras.

Maiores Públicos[editar | editar código-fonte]

Jogos Históricos[editar | editar código-fonte]

  • Náutico 5x2 Sport - 25 de junho de 1939 - Estadual - Primeiro jogo do estádio
  • Great Western 2x2 Flamengo do Recife - 19 de Junho de 1941 - Estadual - Primeiro jogo com iluminação artificial
  • Náutico 6x1 Tramways - 26 de Junho de 1941 - Estadual - Primeiro jogo com iluminação artificial com o dono da casa
  • Náutico 21x3 Flamengo de Recife - 1 de Julho de 1945 - Estadual - Maior goleada do clube, da competição e do estádio
  • Náutico 1x0 Galícia de Aragua-VEN - 11 de Fevereiro de 1968 - Copa Libertadores da América - Primeira partida da libertadores no estádio e primeira vitória do time na competição
  • Náutico 1x0 Sport - 21 de Julho de 1968 - Decisão do estadual que garantiu o inédito hexacampeonato e maior público do estádio até então
  • Náutico 1x0 Santa Cruz - 16 de Agosto de 1970 - Estadual - Maior público do estádio até hoje (31.613 pessoas)
  • Náutico 1x0 Santa Cruz - 12 de Novembro de 1974 - Decisão do estadual - Vitória que garantiu o título ao alvirrubro depois de 6 anos e evitou o hexacampeonato do Santa Cruz
  • Náutico 3x2 Atlético Mineiro - 18 de Outubro de 1989 - Brasileiro Série A - Gol mais rápido da história da Série A, Nivaldo (Náutico) aos 8 segundos
  • Náutico 5x4 União São João-SP - 7 de Setembro de 2002 - Brasileiro Série B - Jogo emocionante onde o Náutico saiu perdendo, abriu 4x2, levou o empate, mas virou nos últimos minutos
  • Náutico 0x1 Grêmio - 26 de Novembro de 2005 - Brasileiro Série B - A famosa Batalha dos Aflitos
  • Náutico 2x0 Ituano - 18 de Novembro de 2006 - Brasileiro Série B - A volta à Série A depois de 12 anos, considerada a volta por cima da batalha no ano anterior
  • Náutico 4x1 Botafogo-RJ - 9 de Setembro de 2007 - Brasileiro Série A - O ídolo uruguaio Beto Acosta marcou 4 gols, sendo o primeiro estrangeiro a fazer tal feito no brasileirão
  • Náutico 5x0 Atlético Paranaense - 29 de Setembro de 2007 - Brasileiro Série A - Maior goleada do time em casa em todas as divisões do brasileiro
  • Náutico 1x0 Sport - 17 de Abril de 2011 - Estadual - 500º Clássico dos Clássicos
  • Náutico 1x0 Sport - 2 de Dezembro de 2012 - Brasileiro Série A - Marcou o rebaixamento do rival e classificação a uma competição internacional depois de 44 anos
  • Náutico 2x2 Portuguesa-SP - 2 de Junho de 2013 - Brasileiro Série A - Despedida do estádio antes do hiato de 5 anos sem uso regular do clube para futebol

Dados do Estádio[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Ministério do Esporte: Sistema Brasileiro de Classificação de Estádios». 28 de janeiro de 2016. Consultado em 29 de janeiro de 2016 
  2. CBF (24 de outubro de 2014). «CNEF - Cadastro Nacional de Estádios de Futebol» (PDF). CBF Website. Consultado em 24 de maio de 2015 
  3. diariodepernambuco (28 de janeiro de 2018). «O verdadeiro recorde de público do estádio dos Aflitos, estabelecido em 1970». diariodepernambuco Website. Consultado em 22 de fevereiro de 2018 
  4. Clube Nautico Capibaribe. do estádio http://www.nautico-pe.com.br/=Estrutura do estádio Verifique valor |url= (ajuda)  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  5. superesportes (2 de junho de 2013). «Na inauguração oficial dos Aflitos, goleada sobre o Sport e título do 1º turno do PE». superesportes Website. Consultado em 22 de fevereiro de 2018 
  6. Futebol Interior (2 de junho de 2013). «Timbu sob pressão na despedida dos Aflitos». Futebol Interior Website. Consultado em 2 de junho de 2013 
  7. JC online (12 de março de 2015). «Projeto de nova sede timbu prevê duas torres e shopping». JC online Website. Consultado em 22 de fevereiro de 2018 
  8. JC online (17 de setembro de 2017). «Justiça determinará árbitro da ação do Náutico contra a Odebrecht». JC online Website. Consultado em 22 de fevereiro de 2018 
  9. Náutico (23 de agosto de 2016). «Voltando Pra Casa». Náutico Website. Consultado em 22 de fevereiro de 2018 
  10. Náutico (22 de fevereiro de 2018). «Voltando Pra Casa». Náutico Website. Consultado em 22 de fevereiro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre estádios de futebol do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.