Estádio Godofredo Cruz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde março de 2013).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Godofredo Cruz
Nome Estádio Godofredo Cruz
Características
Local Campos dos Goytacazes, RJ
Gramado Grama natural (105 x 75 m)
Capacidade 12.300 pessoas
Construção
Inauguração
Data 24 de janeiro de 1954
Partida inaugural Goytacaz 1 x 4 Bangu
Primeiro gol Lucas (Bangu)
Recordes
Público recorde 22.853 [1]
Data recorde 30 de março de 1983
Partida com mais público Americano 2 x 2 Flamengo
Outras informações
Demolido 2014
Proprietário Americano Futebol Clube
Mandante Americano Futebol Clube

O Estádio Godofredo Cruz foi um estádio de futebol localizado em Campos dos Goytacazes no estado do Rio de Janeiro, inaugurado em 24 de janeiro de 1954, era o maior estádio de futebol não somente da cidade de Campos dos Goytacazes, como também é o terceiro maior estádio do interior do estado do Rio de Janeiro, só perdia para o Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, e o Estádio Claudio Moacyr de Azevedo, em Macaé.[2]

Pertencia ao Americano Futebol Clube e sua capacidade comportava 12 300 torcedores, após a execução de novas medidas visando o conforto e a segurança dos frequentadores, já que no passado a sua capacidade anunciada era para 25 000 espectadores.

A partida inaugural foi de Bangu versus Goytacaz, vencida pelo Bangu numa goleada de 4 a 1. O primeiro gol no estádio foi de Lucas (Bangu).

O recorde de público foi de 22.853 pagantes em 30 de março de 1983, em um jogo entre Americano Futebol Clube e Flamengo. Partida válida pelo Campeonato Brasileiro que terminou empatada em 2 a 2.[3]

Demolição[editar | editar código-fonte]

De forma oficial, foi assinada em 21/08/2013 em uma quarta-feira no Cartório do 11º Ofício a escritura de compra e venda, em forma de permuta, da sede do Americano Futebol Clube, no Parque Tamandaré, (o estádio Godofredo Cruz) para a Imbeg.

Nesta transação, as dívidas tributárias e fiscais do Alvinegro campista foram quitadas e sanadas, incluindo a quitação do Refis (Programa de Recuperação Fiscal).

A área atual do clube com 25.000 m² foi permutada em troca de um complexo em um terreno de 198.000 m², com estádio para 8.000 torcedores, centro de treinamento completo com três campos de futebol e novas instalações sociais e administrativas, que será situada em Guarús, com total de 120.000 m² de área urbanizada.[4]

Em 19 de fevereiro de 2014 foi iniciada a demolição do estádio, localizado há 60 anos em área nobre da cidade de Campos dos Goytacazes.[5]

Em troca, pela venda do terreno onde ficava o estadio, a Imbeg, empresa de Campos especializada em construções civis, custeou a edificação do início ao fim do novo centro de trenamento do clube na cidade, localizado no bairro de Guarus. O Centro de Treinamento de Guarus, novo endereço do clube, centralizará toda e qualquer atividade do Americano, e último passo dos planos do clube é construir ali um estádio com capacidade de 11 mil pessoas. [6]

Referências

  1. «Templos do Futebol - Estádio Godofredo Cruz». Consultado em 5 de março de 2013. Cópia arquivada em 11 de julho de 2012 
  2. Rosayne Macedo (15 de agosto de 2014). «Campos dá adeus ao estádio Godofredo Cruz. Torcedores lamentam demolição. Centro empresarial será erguido no local». Jornal O Dia. Consultado em 5 de março de 2017 
  3. Rosayne Macedo (15 de agosto de 2014). «Campos dá adeus ao estádio Godofredo Cruz. Torcedores lamentam demolição. Centro empresarial será erguido no local». Jornal O Dia. Consultado em 5 de março de 2017 
  4. «Adeus definitivo!Godofredo Cruz já é da Imbeg e demolição do estádio será de imediato». Site Ururau. 21 de agosto de 2013. Consultado em 5 de março de 2017 
  5. Rosayne Macedo (15 de agosto de 2014). «Campos dá adeus ao estádio Godofredo Cruz. Torcedores lamentam demolição. Centro empresarial será erguido no local». Jornal O Dia. Consultado em 5 de março de 2017 
  6. Tébaro Schmidt e Stella Freitas (15 de outubro de 2015). «Cara de clube grande: conheça o novo Centro de Treinamento do Americano». Site Globo Esporte. Consultado em 5 de março de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre estádios de futebol do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.