Estádio Olímpico Pedro Ludovico Teixeira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Estádio Olímpico
Estádio Olímpico Pedro Ludovico Teixeira
Estadio-olimpico-pedro-ludovico-teixeira-go-ii.jpg
Um dos setores do estádio
Nomes
Nome Estádio Olímpico Pedro Ludovico Teixeira
Apelido Estádio Olímpico
Características
Local Goiânia
Gramado Grama natural[1] (105 x 68 m)
Capacidade 13.500 espectadores
Construção
Data 9 de fevereiro de 1940 (início)
3 de setembro de 1941 (término)
Custo R$ 95 milhões (2016)[2]
Inauguração
Data 3 de setembro de 1941 (inauguração)
27 de setembro de 2016 (reinauguração)
Partida inaugural Goiás Goiânia 2–0 América Mineiro Minas Gerais
Goiás Atlético Goianiense 1–1 Joinville Santa Catarina
Primeiro gol Ari, Goiás Goiânia (1941)
Jorginho, Atlético Goianiense Goiás (2016)
Recordes
Público recorde 11.881 pessoas
Data recorde 15 de outubro de 2017
Partida com mais público Goiás Atlético Goianiense 1–3 Palmeiras São Paulo
Outras informações
Proprietário Governo de Goiás
Administrador Governo de Goiás
Arquiteto Agetop
Mandante Goiânia
Atlético Goianiense
Goiás
Vila Nova

O Estádio Olímpico Pedro Ludovico Teixeira, mais conhecido como Estádio Olímpico é um estádio de futebol, localizado no centro da cidade de Goiânia, Goiás. Foi inaugurado em 1941 em um terreno doado pelo Goiânia Esporte Clube.[3]

Inicialmente com capacidade para 10.000 pessoas, hoje possui capacidade para 13.500 pessoas e atualmente é propriedade do governo do estado de Goiás. O nome original é uma homenagem ao fundador da capital goiana Pedro Ludovico Teixeira.

História[editar | editar código-fonte]

Time do Flamengo no Estádio Olímpico na década de 1960.
Equipe do Goiânia no Estádio Olímpico em 1978.

Inaugurado na década de 1940, foi o primeiro estádio goianiense com capacidade para dez mil torcedores e já realizou vários jogos importantes, sendo seu principal mandante o Goiânia Esporte Clube. O nome é uma homenagem ao fundador da capital, Pedro Ludovico Teixeira. Ao seu lado, fica o Parque Aquático e o Ginásio Rio Vermelho, com capacidade para cinco mil pessoas, ainda abrigava sedes estaduais das secretarias de esporte, tais como, a federação goiana de judo, a federação goiana de caratê e a federação goiana de kart.

Em 21 de março de 1965, ocorreu no Estádio Olímpico, o tradicional clássico Come-Fogo, inclusive, um dos maiores do Interior do Brasil, entre o Comercial e o Botafogo, ambos de Ribeirão Preto, a partida amistosa foi pelo Quadrangular da Cidade de Goiânia e terminou empatada em 1 a 1.

Em 12 de novembro de 2016, houve no estádio, a conquista da Série B de 2016 pelo Atlético Goianiense, o Atlético venceu o Tupi por 5 a 3, e foi o campeão do campeonato.

O Estádio Olímpico Pedro Ludovico Teixeira, foi escolhido com uma das sedes da Copa do Mundo FIFA Sub-17 de 2019, que irá se realizar no Brasil, entre os meses de Outubro e Novembro de 2019.

Césio-137[editar | editar código-fonte]

Em 1987, com o acidente radiológico de Goiânia o estádio foi utilizado como abrigo para as pessoas contaminadas, que tiveram suas casas demolidas e objetos confiscados. Muitas pessoas, se submeteram a exames para determinar seu nível de radioatividade neste estádio. Naturalmente, o estádio não oferece perigo quanto à radioatividade.

Referências

  1. goiasagora. 22 de janeiro de 2015 http://www.dm.com.br/cotidiano/2015/12/marconi-vistoria-5-grandes-obras-do-estado-em-goiania-e-no-interior.html. Consultado em 15 de janeiro de 2016  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  2. globoesportego=25 de julho de 2016 http://globoesporte.globo.com/go/noticia/2016/08/olimpico-e-entregue-apos-10-anos-e-custa-mais-que-o-dobro-do-previsto.html. Consultado em 20 de janeiro de 2017  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  3. «Olímpico» [ligação inativa]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]