Estâncias de Dzyan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

As Estâncias de Dzyan (ou Livro de Dzyan) seriam pergaminhos antigos de origem tibetana. As estâncias (ou estrofes) formaram a base para A Doutrina Secreta (1888) de Helena Petrovna Blavatsky, uma das obras fundamentais do movimento teosófico.

As alegações de Madame Blavatsky[editar | editar código-fonte]

Madame Blavatsky afirmou ter visto um manuscrito do Livro de Dzyan enquanto estudava o conhecimento esotérico no Tibete. Ela alegou que este e outros manuscritos antigos foram salvaguardados de olhos profanos pelos iniciados de uma Fraternidade Oculta. O trabalho originalmente, segundo Blavatsky, foi escrito na língua sagrada de Senzar. Ela escreveu[1]

Esta primeira parcela das doutrinas esotéricas está baseada em Estâncias que são os registros documentais de um povo desconhecido pela Etnologia. Alega-se que estas doutrinas estão escritas em um idioma ausente da lista de línguas e dialetos conhecidos pela filologia; afirma-se que elas emanam de uma fonte (o Ocultismo) que é repudiada pela ciência; e, finalmente, elas são oferecidas através de um instrumento incessantemente atacado perante o mundo por todos os que detestam verdades desconfortáveis, ou que pretendem defender algum passatempo predileto seu. Portanto, deve-se esperar e aceitar antecipadamente a rejeição destes ensinamentos. Ninguém que descreva a si mesmo como um “erudito acadêmico” em qualquer departamento das ciências exatas terá permissão para levar a sério estes ensinamentos.

Max Müller e outros foram céticos. Dizem que Max Müller disse que, nessa questão, ou ela era uma falsificadora notável ou ela deu o presente mais valioso para a pesquisa arqueológica no Oriente.[2]

O Livro de Dzyan e os Tantras Budistas[editar | editar código-fonte]

Em outras referências, Blavatsky afirmou que o Livro de Dzyan pertencia a um grupo de escritos esotéricos tibetanos conhecidos como os Livros de Kiu-Te. Blavatsky havia feito a afirmação antes da transcrição padrão do tibetano para o alfabeto latino ter sido acordada; David Reigle levou algum tempo para estabelecer que ela estava se referindo ao que os estudiosos modernos escrevem como rGyud-sde, partes de uma volumosa coleção de escritos budista comumente chamada de Tantras.[3] Outros pesquisadores sugeriram que a fonte estaria no taoísmo chinês ou na cabala judaica.[4]

As Estancias de Dzyan nas obras de outros autores[editar | editar código-fonte]

Supostos versos das mesmas estrofes de Dzyan foram publicados mais tarde por Alice Bailey em A Treatise on Cosmic Fire em 1925. Bailey alegou que esses versos foram ditados para ela telepaticamente pelo mestre tibetano Djwal Kul.

O ufólogo Desmond Leslie baseou-se fortemente nas Estâncias de Dzyan em seus escritos,[5] e teorizou que eles tinham sido originalmente produzidos no continente perdido de Atlântida.

O autor suíço Erich von Däniken alegou ter explorado parte do conteúdo do livro e sua alegada história, relatando rumores sem sentido de que a primeira versão do livro antecede a Terra, e que pessoas escolhidas que simplesmente tocarem o livro receberão visões do que descreve.[6]

Referências às estancias existem na ficção de H. P. Lovecraft, por exemplo, em seu conto "O Assombro das Trevas", sendo expandidas por outros escritores que trabalharam dentro dos Mitos de Cthulhu.

Crítica sobre as fontes das Estancias de Dzyan[editar | editar código-fonte]

Quando A Doutrina Secreta apareceu, William Emmette Coleman ficou "indignado com as pretensões de aprendizado oriental de Madame Blavatksy e empreendeu uma completa exegese de suas obras". Ele alegou que suas principais fontes eram as traduções de H.H. Wilson do livro Vishnu Purana, A Vida Mundana, ou, Geologia Contemporânea de Alexander Winchell, Atlântida: O Mundo Antediluviano de Ignácio Donnely (1882) e outras obras científicas e ocultistas contemporâneas, plagiadas sem crédito e, em sua opinião, usadas de maneira desordenada. Ele também afirmou que ela tirou pelo menos parte de suas Estancias de Dzyan do Hino da Criação no velho sânscrito Rig-Veda, que prometeu um livro que exporia todas as fontes de Blavatsky, incluindo a da palavra Dzyan.

Em sua biografia HPB: A Vida Extraordinária e Influência de Helena Blavatsky, Sylvia Cranston aborda a alegação de plágio que foi nivelada por William Emmette Coleman. Sua visão, como a de Coleman, é que o plágio de HPB consistia em citar fontes primárias, sem reconhecer as fontes secundárias de onde elas vieram.

Cranston afirma que um assistente de pesquisa dela assumiu a tarefa de encontrar as alegadas 70 passagens de Coleman que HPB plagiou da Vida Mundana, e só conseguiu encontrar 6. O próprio Coleman, longe de ser uma autoridade em material ocultista, era funcionário do Quartermaster. Departamento do Exército dos EUA. Provavelmente ele não foi um juiz imparcial, tendo escrito a Coues em 8 de julho de 1890: "Eu enfaticamente denunciei e ridicularizei a teoria do ocultismo, dos espíritos elementares, etc., antes que a Sociedade Teosófica fosse organizada [em 1875]. desde então eu tenho lutado contra Teosofia o tempo todo". Coleman prometeu publicar um livro que "provaria" suas acusações contra Blavatsky em relação ao Livro de Dzyan; este livro e sua prova nunca apareceram. A razão pela qual o livro de Coleman nunca apareceu é que “Coleman perdeu sua biblioteca e suas anotações no terremoto de 1906 em San Francisco e morreu três anos depois, seu livro não foi escrito”.

Ver também[editar | editar código-fonte]

  1. A Doutrina Secreta: Vol 1 - Cosmogênese
  2. Alvin Boyd Kuhn. Theosophy: A Modern Revival of Ancient Wisdom (New York, NY: Henry Holt and Company, 1939), Chapter VIII, page 195.
  3. David and Nancy Reigle. Blavatsky's Secret Books (San Diego: Wizards Bookshelf, 1999).
  4. Nicholas Goodrick-Clarke. Helena Blavatsky (Berkeley: North Atlantic Books, 2006).
  5. Desmond Leslie & George Adamski: Flying Saucers Have Landed, London: Werner Laurie, 1953
  6. Erich von Däniken. Gods From Outer Space (New York: Bantam Books, 1972), p. 137.