Estêvão da Gama (1505-1576)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Estêvão da Gama
D. Estêvão da Gama. In Ásia portuguesa de Manuel de Faria e Sousa. Lisboa 1674
Governador da Índia Flag Portugal (1521).svg
Período 15401542
Antecessor(a) Garcia de Noronha
Sucessor(a) Martim Afonso de Sousa
Vida
Nascimento c. 1505
Morte 1576 (71 anos)
Progenitores Mãe: D. Catarina de Ataíde
Pai: Vasco da Gama

Estêvão da Gama (c. 15051576), foi um militar e administrador colonial português, tendo exercido o cargo de governador da Índia Portuguesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Efígie de Estêvão da Gama no Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa, Portugal.

Filho de D. Vasco da Gama e de sua mulher Catarina de Ataíde, D. Estêvão da Gama nasceu em data incerta, presumivelmente em 1505.

Foi com o pai para a Índia onde desempenhou o cargo de capitão-mor. Substituiu D. Paulo da Gama, seu irmão, como capitão de Malaca, em 1538, tendo desde 1534 servido sob suas ordens. Em 1540 foi designado pelo rei governador da Índia (1540-1542), pois tinha provado o seu valor no cargo anterior, afugentando os inimigos de Portugal na região. Não deixou de fazer o mesmo quando se tornou governador, tendo efectuado uma campanha em 1541 contra a frota do paxá do Egipto. Pelo caminho atendeu o pedido de socorro da Etiópia contra os invasores Otomanos enviando quinhentos homens comandados pelo seu irmão D. Cristóvão da Gama.

Depois de deixar o cargo, voltou para Portugal onde foi indicado para Governador de Lisboa, tendo declinado o convite para ser novamente governador da Índia.

As praças portuguesas na Índia tinham sido atacada pelos otomanos, o que levou o governador Estêvão da Gama (filho de Vasco da Gama) a atacar os muçulmanos, primeiro em Suez, em 1540, depois em Baçente, em 1542, já em conjunto com os etíopes e comandados por Cristóvão da Gama, irmão do governador.

O recontro incluía 8000 tropas etíopes de infantaria e 500 de cavalaria, e ainda 70 mosqueteiros e 60 cavaleiros portugueses; este exército era comandado pelo imperador Galawdewos. Do lado otomano, alinharam 14000 soldados somalis de infantaria e 1200 de cavalaria, e ainda 200 mosqueteiros, comandados pelo imam Ahmad ibn Ibrihim al-Ghazi, que foi morto na batalha.

Precedido por
Garcia de Noronha
Governador da Índia Portuguesa
15401542
Sucedido por
Martim Afonso de Sousa
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.