Estação Bolivar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bolivar
Plataforma para Pré Saint-Gervais antes da renovação.
Uso atual Estação de metropolitano
Administração RATP Metrô de Paris
Linhas Linha 7 bis
Código 2214
Tipo de estação Subterrânea
Plataforma 2
Informações históricas
Inauguração Paris m 7 jms.svg 18 de janeiro de 1911
Paris m 7bis jms.svg 03 de fevereiro de 1967
Localização
Localização Avenue Secrétan x Avenue Simon-Bolivar
Próxima estação
Sentido Pré Saint-Gervais Paris m 7bis jms.svg Sentido Louis Blanc
Buttes Chaumont Jaurès
Bolivar

Bolivar é uma estação da linha 7 bis do Metrô de Paris, localizado no 19.º arrondissement de Paris.

Localização[editar | editar código-fonte]

A estação está localizada sob a avenue Secrétan, aproximadamente a meio caminho desta, ao sudeste da saída da avenue Simon-Bolivar.

História[editar | editar código-fonte]

A estação foi aberta em 18 de janeiro de 1911 com a lançamento do serviço do ramal Louis Blanc - Pré-Saint-Gervais da linha 7.

Trem MF 88 na plataforma em 2016 em direção a Louis Blanc.

Deve o seu nome à sua proximidade com a avenue Simon-Bolivar, que presta homenagem ao político Simón Bolívar, apelidado de Libertador (1783-1830), general e estadista sul-americano, principal líder da luta pela a independência da América do Sul contra a Espanha.

Durante a Primeira Guerra Mundial, a estação, bem como todas as estações mais profundas da rede, foi convertida em um abrigo antiaéreo. Durante um violento bombardeio em 11 de março de 1918[1], a população do bairro ficou em pânico: os habitantes correram para o abrigo, mas no fundo das escadas de acesso encontram portas que se abriam apenas para o exterior. As primeiras filas da multidão foram esmagadas ou sufocadas, e depois acabam pisoteadas quando as portas finalmente cederam sob pressão. O registro é particularmente pesado, mas permanece desconhecido, somando-se ao dos outros bombardeios: sessenta e seis mortes foram contadas nesse dia.

Como resultado desse drama, as portas do metropolitano foram redesenhadas posteriormente a fim de se abrirem para dentro e para fora[2].

Em 3 de dezembro de 1967, a estação foi cedida à linha 7 bis, que resultou da separação do ramal de Pré-Saint-Gervais, isolado do restante da linha 7 na forma de uma linha autônoma desde então.

A plataforma em direção a Louis Blanc possuía um pequeno empreendimento cultural homenageando Simón Bolívar através de uma biografia ilustrada, em um suporte incorporado ao pé-direito e coberto com cerâmicas finas colocadas verticalmente, em dois tons de bege sobre o suporte e branco acima. No entanto, esta decoração não foi reconduzida após a renovação da estação, operada como parte do programa "Renovação do Metrô" da RATP. As obras de modernização foram concluídas em 16 de dezembro de 2008 para os corredores e em 2009 nas plataformas[3].

Em 2013, ela viu entrar 646 310 passageiros, o que a coloca na 297ª posição das estações de metrô por sua frequência em 302[4][5].

Serviços aos passageiros[editar | editar código-fonte]

Acesso[editar | editar código-fonte]

A estação tem um acesso único que leva à esquina da avenue Secrétan e da avenue Simon-Bolivar, perto da Halle Secrétan, mercado coberto inscrito nos monumentos históricos por um decreto de 8 de março de 1982[6].

Desde 1987, a entrada da estação é ornada com uma edícula Guimard (também inscrita no título dos monumentos históricos), que se encontrava anteriormente na estação Barbès - Rochechouart[7].

Plataforma[editar | editar código-fonte]

Bolivar é uma estação de configuração padrão: ela possui duas plataformas laterais separadas pelos trilhos do metrô e a abóbada é elíptica. A decoração é do estilo utilizado pela maioria das estações de metrô: as faixas de iluminação são brancas e arredondadas no estilo "Gaudin" da renovação do metrô da década de 2000, e as telhas em cerâmica brancas biseladas recobrem os pés-direitos, a abóbada, os tímpanos e as saídas dos corredores. Os quadros publicitários são em cerâmicas brancas e o nome da estação é inscrito na fonte Parisine em placas esmaltadas. Os assentos de estilo "Akiko" são de cor ciano.

Intermodalidade[editar | editar código-fonte]

A estação é servida pela linha 26 da rede de ônibus RATP.

Pontos turísticos[editar | editar código-fonte]

Galeria de Fotografias[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. « 11 mars 1918 : frappes aériennes sur Paris, aéronefs tombés dans l’Aisne », lhistoireenrafale.lunion.fr (consultado em 22 de novembro de 2018).
  2. Jean Robert, Notre métro, 1967, p. 102.
  3. «SYMBIOZ - Le Renouveau du Métro». www.symbioz.net 
  4. Tráfego anual de entradas por estação (2013), no site data.ratp.fr (consultado em 31 de agosto de 2014).
  5. O número de 302 estações não inclui a estação fictícia Funicular de Montmartre. Esta última é de fato considerada como uma estação de metrô (e dois pontos de parada) pela RATP e anexada estatisticamente à linha 2, razão pela qual a RATP anuncia 303 estações e não 302.
  6. Mérimée PA00086766, Ministère français de la Culture. (fr).
  7. Mérimée PA00086750, Ministère français de la Culture. (fr).

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Estação Bolivar