Estação Ecológica Raso da Catarina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2014)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Estação Ecológica Raso da Catarina
Estação ecológica
Localização Bahia
País  Brasil
Dados
Área 105 282 ha
Gestão ICMBio

A Estação Ecológica do Raso da Catarina é uma estação ecológica brasileira, localizada entre o rio São Francisco e o rio Vaza-Barris, na região mais seca do estado da Bahia, com pluviosidade que varia entre 300 e 600 mm por ano. Administrada pelo IBAMA, está a 60 km de Paulo Afonso, em lugar de difícil acesso. Ocupa uma área de 105.282,00 hectares em uma zona de transição entre o clima árido e semiárido. A vegetação é composta por caatinga arbustiva. É uma região cheia de história: foi palco da Guerra de Canudos e, devido à dificuldade de acesso, era esconderijo de cangaceiros.

O objetivo desta estação é proteger o ecossistema e permitir o desenvolvimento de pesquisas científicas da fauna e da flora nela existentes. É o lar da arara-azul-de-lear, animal ameaçado de extinção. É administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). O acesso é restrito a finalidades educacionais e científicas. Depende de autorização prévia.

Características[editar | editar código-fonte]

O nome Catarina é uma homenagem a uma antiga moradora e líder local.

O nome raso deriva do relevo em forma de tabuleiro, que é recortado por ravina e cânions. A periferia no platô, sobretudo nas porções sul e oeste, sofreu intensa erosão, facilitada pela natureza dos sedimentos arenosos.

A vegetação é a caatinga arbustiva, com abundância de mandacarus, e xiquexiques e diversos tipos de bromélias.

A fauna é diversa, apresentando desde a mamíferos como o veado-mateiro, a suçuarana, e aves como a arara-azul-de-lear, considerada a espécie mais ameaçada de extinção do mundo, e a avoante.

Ameaças[editar | editar código-fonte]

As fazendas de gado no entorno da reserva ameaçam os animais silvestre da região, ao invadir as terras para pastar. Disseminam doenças e competem com a fauna nativa.

Visitação[editar | editar código-fonte]

A visitação do local só é permitida mediante autorização prévia para finalidades educativas ou científicas.

Referências gerais[editar | editar código-fonte]