Apeadeiro de Alhos Vedros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alhos Vedros
Antigo edifício da Estação de Alhos Vedros
Linha(s) L.ª do Alentejo (PK 5,352)
Coordenadas 38° 39′ N 9° 1′ W
Concelho Moita
Serviços Ferroviários Urbano (L.ª do Sado)
Serviços Bilheteiras e/ou máquinas de venda de bilhetes Lavabos Parque de estacionamento Elevadores Acesso para pessoas de mobilidade reduzida Acesso à Internet

O Apeadeiro de Alhos Vedros é uma infra-estrutura da Linha do Alentejo, que serve a localidade de Alhos Vedros, no Distrito de Setúbal, em Portugal.

Características e serviços[editar | editar código-fonte]

Este apeadeiro é utilizado por composições da Linha do Sado, um serviço urbano assegurado pela operadora Comboios de Portugal.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Anúncio de 1873 do Caminho de Ferro do Sueste, para comboios especiais a preços reduzidos de Lisboa até Setúbal, para uma tourada. Alhos Vedros foi uma das estações contempladas nesta iniciativa.

Inauguração[editar | editar código-fonte]

Insere-se no troço entre o Barreiro e Bombel da Linha do Alentejo, que foi aberto à exploração a 15 de Junho de 1857, pela Companhia Nacional dos Caminhos de Ferro ao Sul do Tejo.[2]

Transição para CP[editar | editar código-fonte]

Em 1927, a Administração dos Caminhos de Ferro do Estado, que explorava a Linha do Alentejo, foi integrada na Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses; em 1933, esta empresa realizou várias obras nesta estação, no âmbito de um programa de reparação e modernização das antigas interfaces do Estado[3] , e, no ano seguinte, levou a cabo grandes obras de reparação.[4]

Modernização[editar | editar código-fonte]

Em 16 de Junho de 2008, a Rede Ferroviária Nacional demoliu as antigas instalações deste apeadeiro, tendo construído uma nova interface, com o mesmo nome, para servir a localidade.[5] Estas acções, que se enquadraram num projecto de electrificação e modernização de estações e apeadeiros entre o Barreiro e o Pinhal Novo por parte daquela entidade, foram recebidas com protestos por parte da população e da autarquia da Moita.[6] [7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Horários Barreiro-Praias do Sado A» (PDF). Comboios de Portugal. 28 de Março de 2010. Consultado em 17 de Julho de 2010. 
  2. SANTOS, p. 108
  3. (1 de Dezembro de 1934) "Rêde do Sul e Sueste". Gazeta dos Caminhos de Ferro 47 (1127): 593-594. Visitado em 15 de Janeiro de 2013.
  4. (16 de Janeiro de 1935) "O que se fez nos Caminhos de Ferro Portugueses, durante o ano de 1934". Gazeta dos Caminhos de Ferro 47 (1130): 50-51. Visitado em 15 de Janeiro de 2013.
  5. «REFER de costas viradas para população e autarquias do concelho da Moita: Avançou a demolição da estação de Alhos Vedros» O Rio [S.l.] 16 de Junho de 2008. Consultado em 17 de Julho de 2010. 
  6. «Autarquia contra demolição das estações de comboio de Alhos Vedros e Moita» Público [S.l.] 24 de Maio de 2008. Consultado em 17 de Julho de 2010. 
  7. «Alhos Vedros: manifestação contra a demolição de estação ferroviária» TVI24 [S.l.] 29 de Maio de 2008. Consultado em 17 de Julho de 2010. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SANTOS, Luís Filipe Rosa (1995). Os Acessos a Faro e aos Concelhos Limítrofes na Segunda Metade do Séc. XIX (Faro: Câmara Municipal de Faro). p. 213. 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre o Apeadeiro de Alhos Vedros

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.