Estação Ferroviária de Pinheiro de Lafões

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Pinheiro de Lafões
BSicon BAHN.svg
Administração: Infraestruturas de Portugal (norte)[1]:3.3.3.2
Linha(s): Linha do Vouga (PK 93,540)
Altitude: 389.14 m (a.n.m)
Coordenadas: 40°43′32.65″N × 8°12′44.68″W

(≍+40.72574;−8.21241)

(mais mapas: 40° 43′ 32,65″ N, 8° 12′ 44,68″ O)
Concelho: bandeiraOliveira de Frades
Serviços: sem serviços
Encerramento: 1 de janeiro de 1990 (há 33 anos)

A Estação Ferroviária de Pinheiro de Lafões foi uma gare da Linha do Vouga, que servia a localidade de Pinheiro de Lafões, no Distrito de Viseu, em Portugal.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A superfície dos carris (plano de rolamento) da estação ferroviária de Pinheiro de Lafões ao PK 93+400 situava-se à altitude de 38 914 cm acima do nível médio das águas do mar.[2] O edifício de passageiros situava-se do lado sul da via (lado direito do sentido ascendente, para Viseu).[3][4]

História[editar | editar código-fonte]

Mapa da Rede do Vouga, onde se pode ver a localização da estação de Pinheiro de Lafões.

Esta interface situava-se no lanço entre Ribeiradio e Vouzela, que entrou ao serviço em 30 de Novembro de 1913,[5] pela Compagnie Française pour la Construction et Exploitation des Chemins de Fer à l'Étranger.[6]

Em 1 de Janeiro de 1947, a exploração da Linha do Vouga passou para a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses.[7]

O lanço entre Sernada do Vouga e Viseu foi encerrado em 2 de Janeiro de 1990, pela empresa Caminhos de Ferro Portugueses.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Diretório da Rede 2021. IP: 2019.12.09
  2. Linha do Vale do Vouga. Companhia Portugueza para a Construção e Exploração de Caminhos de Ferro: s.l., s.d. (Mapa e tabela de distâncias e altitudes.)
  3. (anónimo): Mapa 20 : Diagrama das Linhas Férreas Portuguesas com as estações (Edição de 1985), CP: Departamento de Transportes: Serviço de Estudos: Sala de Desenho / Fergráfica — Artes Gráficas L.da: Lisboa, 1985
  4. Diagrama das Linhas Férreas Portuguesas com as estações (Edição de 1988), C.P.: Direcção de Transportes: Serviço de Regulamentação e Segurança, 1988
  5. «Há 50 anos» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 76 (1824). 16 de Dezembro de 1963. p. 361. Consultado em 16 de Março de 2015 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  6. TORRES, Carlos Manitto (16 de Março de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 71 (1686). p. 133-140. Consultado em 16 de Março de 2015 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  7. AGUILAR, Busquets de (1 de Junho de 1949). «A Evolução História dos Transportes Terrestres em Portugal» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. Ano 62 (1475). p. 383-393. Consultado em 16 de Março de 2015 – via Hemeroteca Digital de Lisboa 
  8. «CP encerra nove troços ferroviários». Diário de Lisboa. Ano 69 (23150). Lisboa: Renascença Gráfica. 3 de Janeiro de 1990. p. 17. Consultado em 27 de Janeiro de 2021 – via Casa Comum / Fundação Mário Soares 

Leitura recomendada[editar | editar código-fonte]

  • SILVA, José; RIBEIRO, Manuel (2007). Os Comboios em Portugal. Volume III 1ª ed. Lisboa: Terramar - Editores, Distribuidores e Livreiros, Lda. 203 páginas. ISBN 978-972-710-408-6 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.