Estação Ferroviária de Santa Vitória-Ervidel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Santa Vitória-Ervidel
Linha(s) Linha do Alentejo
(PK 168,868)
Coordenadas 37° 57′ 33,23″ N, 7° 59′ 20,47″ O
Concelho Beja
Serviços Ferroviários Sem serviços
Horários em tempo real

A Estação Ferroviária de Santa Vitória-Ervidel, originalmente conhecida como Outeiro, é uma gare encerrada da Linha do Alentejo, que servia as localidades de Santa Vitória e Ervidel, no Distrito de Beja, em Portugal.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Horários de 1872, onde esta interface surge com o nome original, Outeiro.

Vias e plataformas[editar | editar código-fonte]

Em Janeiro de 2011, apresentava duas vias de circulação, ambas com 430 e 353 m de comprimento, e uma só plataforma, que tinha 50 cm de altura e 96 m de extensão.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Mapa do Sul de Portugal em 1965, onde a estação surge como bifurcação entre o traçado original da Linha do Alentejo, e a nova variante.
Ver artigo principal: História da Linha do Alentejo

Inauguração[editar | editar código-fonte]

Esta gare insere-se no troço entre Beja e Casével, que entrou ao serviço no dia 20 de Dezembro de 1870, com o nome de Linha do Sul.[2]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Em 1913, a estação estava ligada a Santa Vitória e a Ervidel por uma carreira de diligências.[3]

Em 1934, a comissão administrativa do Fundo Especial de Caminhos de Ferro autorizou a realização de obras, por forma a modificar as rasantes das linhas nesta interface.[4] Nesse mesmo ano, o Ministro das Obras Públicas aprovou a instalação de betonilha no pavimento do cais coberto desta estação.[5]

Em 1948, já estavam a decorrer as obras na chamada Variante de Beja, que iria alterar o traçado da Linha do Sul entre as estações de Beja e Santa Vitória.[6] Este novo troço entrou ao serviço em 1971.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Linhas de Circulação e Plataformas de Embarque». Directório da Rede 2012. Rede Ferroviária Nacional. 6 de Janeiro de 2011. p. 71-85 
  2. TORRES, Carlos Manitto (1 de Fevereiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1683). p. 76-78. Consultado em 25 de Maio de 2016 – via Hemeroteca Municipal de Lisboa 
  3. «Serviço de Diligencias». Guia official dos caminhos de ferro de Portugal. 39 (168). Outubro de 1913. p. 152-155. Consultado em 8 de Março de 2018 – via Biblioteca Nacional de Portugal 
  4. «Notícias Ferroviárias» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 46 (1111). 1 de Abril de 1934. p. 190. Consultado em 24 de Dezembro de 2011 – via Hemeroteca Municipal de Lisboa 
  5. «Direcção-Geral de Caminhos de Ferro: Aprovação de Projectos e Adjudicação de Obras». Gazeta dos Caminhos de Ferro. 46 (1117). 1 de Julho de 1934. p. 335. Consultado em 30 de Junho de 2012 – via Hemeroteca Municipal de Lisboa 
  6. GALO, Jaime (1 de Janeiro de 1949). «Balanço ferroviário de 1948» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 60 (1465). p. 6-8. Consultado em 25 de Maio de 2016 – via Hemeroteca Municipal de Lisboa 
  7. «Portugal Railways - Passenger Stations & Stops» (PDF) (em inglês). Jim Fergusson's Railway and Tramway Station Lists. Junho de 2001. Consultado em 25 de Maio de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.