Estação Ferroviária de Santa Vitória-Ervidel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Santa Vitória-Ervidel
Linha(s) L.ª Alentejo
(PK 168,868)
Coordenadas 37° 57′ 33,23″ N, 7° 59′ 20,47″ O
Concelho Beja
Serviços Ferroviários Sem serviços
Horários em tempo real

A Estação Ferroviária de Santa Vitória-Ervidel, originalmente conhecida como Outeiro, é uma gare ferroviária encerrada da Linha do Alentejo, que servia as localidades de Santa Vitória e Ervidel, no Distrito de Beja, em Portugal.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Horários de 1872, onde esta interface surge com o nome original, Outeiro.

Vias e plataformas[editar | editar código-fonte]

Em Janeiro de 2011, apresentava 2 vias de circulação, ambas com 430 e 353 metros de comprimento, e uma só plataforma, que tinha 50 centímetros de altura e 96 metros de extensão.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Mapa do Sul de Portugal em 1965, onde a estação surge como bifurcação entre traçado original da Linha do Alentejo, e a nova variante.
Ver artigo principal: História da Linha do Alentejo

Inauguração[editar | editar código-fonte]

Esta gare insere-se no troço entre Beja e Casével, que entrou ao serviço no dia 20 de Dezembro de 1870, com o nome de Linha do Sul.[2]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Em 1913, a estação estava ligada a Santa Vitória e a Ervidel por uma carreira de diligências.[3]

Em 1934, a comissão administrativa do Fundo Especial de Caminhos de Ferro autorizou a realização de obras, por forma a modificar as rasantes das linhas nesta interface.[4] Nesse mesmo ano, o Ministro das Obras Públicas aprovou a instalação de betonilha no pavimento do cais coberto desta estação.[5]

Em 1948, já estavam a decorrer as obras na chamada Variante de Beja, que iria alterar o traçado da Linha do Sul entre as estações de Beja e Santa Vitória.[6] Este novo troço entrou ao serviço em 1971.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Linhas de Circulação e Plataformas de Embarque». Rede Ferroviária Nacional. Directório da Rede 2012: 71-85. 6 de Janeiro de 2011 
  2. TORRES, Carlos Manitto (1 de Fevereiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1683). p. 76-78. Consultado em 25 de Maio de 2016 
  3. «Serviço de Diligencias». Guia official dos caminhos de ferro de Portugal. 39 (168). Outubro de 1913. p. 152-155. Consultado em 8 de Março de 2018 
  4. «Notícias Ferroviárias» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 46 (1111). 1 de Abril de 1934. p. 190. Consultado em 24 de Dezembro de 2011 
  5. «Direcção-Geral de Caminhos de Ferro: Aprovação de Projectos e Adjudicação de Obras». Gazeta dos Caminhos de Ferro. 46 (1117). 1 de Julho de 1934. p. 335. Consultado em 30 de Junho de 2012 
  6. GALO, Jaime (1 de Janeiro de 1949). «Balanço ferroviário de 1948» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 60 (1465). p. 6-8. Consultado em 25 de Maio de 2016 
  7. «Portugal Railways - Passenger Stations & Stops» (PDF) (em inglês). Jim Fergusson's Railway and Tramway Station Lists. Junho de 2001. Consultado em 25 de Maio de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.