Estação Rocha Miranda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Headersupervia.svg
Rocha Miranda
Estação Rocha Miranda, em 2010
Informações
Rocha Miranda está localizado em: Baixada Fluminense e parte da cidade do Rio de Janeiro
Rocha Miranda
Localização da Estação Rocha Miranda
Endereço Rua Conselheiro Galvão, s/nº, Rocha Miranda, Rio de Janeiro
Coordenadas 22° 51' 16.40" S 43° 21' 6.58" O
Administração Logo da SuperVia.svg SuperVia
Uso Atual Estação de trens metropolitanos
Código RJ-1317
Linha Linha Belford Roxo
Estrutura Superfície
Níveis 1
Plataformas 2
Serviços Terminal rodoviário
Outras Informações
Inauguração 17 de março de 1905 (114 anos)
Fechamento 15 de junho de 1973 (46 anos)
Inauguração da atual edificação 13 de outubro de 1977 (41 anos)
Próxima Estação
Sentido Centro
Sv-vpurplelinecontshort.svg
Sv-vpurplestation.svg Mercadão de Madureira
Sv-vpurplestationdis.svg Turiassu (desativado)
Sv-vpurplestation.svg Rocha Miranda
Sv-vpurplestation.svg Honório Gurgel
Sv-vpurplelinecontshort.svg
Sentido Belford Roxo

Rocha Miranda é uma estação de trem metropolitano, operado pela concessionária SuperVia, localizada no bairro homônimo da Zona Norte do Rio de Janeiro.

História[editar | editar código-fonte]

Vista do atual prédio da estação Rocha Miranda, construído entre 1976 e 1977.

Com a abertura da Linha Auxiliar, em 1892, as fazendas e terras ermas ao seu redor foram sendo transformadas aos poucos em novos loteamentos. A ferrovia abriu em 17 de março de 1905 a pequena parada Sapé, para atender a Fazenda do Sapé, de propriedade do Barão de Mesquita. Em 1916, o Barão vende a fazenda para a família Rocha Miranda. Esta cria a imobiliária e loteadora Empresa Predial Rocha Miranda, que trabalha efetuando o loteamento do lugar. Em 1923, quando lançado, o loteamento não possuía nome oficial. Naquela época era chamado informalmente de Sapé quando o funcionário da empresa imobiliária Manoel Vasconcelos o batiza de Rocha Miranda, homenageando seu empregador, embora inda fosse chamado de Sapé até o final da década de 1920. Com a população trazida pelo loteamento novo na década de1920, a Estrada de Ferro Central do Brasil constrói um novo prédio, eleva a parada ao grau de estação e a rebatiza Rocha Miranda, sendo inaugurado em 10 de fevereiro de 1934. [1][2][3][4]

Em 1957 a estação e a malha da Central do Brasil são incorporadas à RFFSA. Na década de 1970, após vários acidentes e quebra-quebras provocados por passageiros insatisfeitos com os serviços dos trens de subúrbios, a RFFSA lança o plano de recuperação emergencial dos subúrbios. Consistindo na recuperação das vias, aquisição de novos trens e reforma/reconstrução de estações, o plano é parcialmente executado.

Rocha Miranda, fechada desde 1973, é uma das estações selecionadas para a reconstrução, através do edital de tomada de preços nº001-TP/76, lançado em 26 de janeiro de 1976. Iniciadas em 1976, as obras da nova estação foram entregues em 13 de outubro de 1977.[5][6]

Desde 1998 faz parte da concessão da SuperVia.

Toponímia[editar | editar código-fonte]

A estação possuiu dois nomes ao longo de sua história: Sapé, por se localizar nas terras da fazenda homônima do Barão de Mesquita e Rocha Miranda, sobrenome da família que adquiriu as terras da fazenda Sapé em 1916.[2]

Rocha Miranda foi uma tradicional família do Rio de Janeiro. Em 1867 Luís da Rocha Miranda Sobrinho (1836-1915) recebeu do imperador o título nobiliárquico de Barão do Bananal. O nome da estação foi estabelecido em 10 de fevereiro de 1934, com a inauguração do seu novo prédio. Desde então, o bairro ao redor da estação passou a ser chamado de Rocha Miranda.

Referências

  1. «Rocha Miranda». SuperVia. Consultado em 4 de maio de 2019 
  2. a b «História da fundação do bairro de Rocha Miranda». Rotary Club- Rocha Miranda. Consultado em 4 de maio de 2019 
  3. «Estação de Rocha Miranda». Jornal do Brasil, Ano XLIV, edição 35, página 10/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 10 de fevereiro de 1934. Consultado em 4 de maio de 2019 
  4. Ralph Mennucci Giesbrecht (2001). «Rocha Miranda». Estações ferroviárias do Brasil. Consultado em 4 de maio de 2019 
  5. RFFSA (1 de fevereiro de 1976). «Edital de tomada de preços nº001-TP/76». Jornal do Brasil, Ano LXXXV, edição 297, seção Economia, página 32/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 4 de maio de 2019 
  6. «Dirceu Nogueira inaugura três estações suburbanas». Jornal do Brasil, Ano LXXXVII, edição 189, Seção Cidades/Estado, página 17/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 14 de outubro de 1976. Consultado em 4 de maio de 2019 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Estação Rocha Miranda