Estação de Transbordo do Iguatemi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Estação de Transbordo do Iguatemi
Vista aérea da Estação.
Uso atual desativada
Informações históricas
Inauguração 30 de dezembro de 1988 (30 anos)[1]
Fechamento 26 de dezembro de 2015 (3 anos)[2]
Localização
Localização Avenida Tancredo Neves, Caminho das Árvores, Salvador, Bahia[3]

A Estação de Transbordo do Iguatemi foi um terminal rodoviário localizado na cidade de Salvador, Bahia. O terminal tinha uma área total de 3.050 metros quadrados, sendo 2.814 metros quadrados construídos e 2.300 metros quadrados urbanizados.[3] Foi construída sobre o leito do Rio Camarajipe, quando o rio alcança 20 metros de largura..[4]

Iguatemi compôs a infraestrutura do Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus de Salvador (STCO), ao lado das estações da Lapa, da Rodoviária, de Pirajá, do Aquidabã e de Mussurunga e dos terminais centrais da Barroquinha, da Praça da Sé, do Campo Grande e da França. Localizada próximo ao Iguatemi Salvador e ao Terminal Rodoviário de Salvador, encontrava-se saturada até a sua desativação.[5] Inaugurada em 30 de dezembro de 1988, a Estação Iguatemi é conectada a esses dois locais pela maior passarela da cidade, criada pelo arquiteto João Filgueiras, mais conhecido como Lelé.[1] Sua concepção fazia parte de um projeto não concluído de transporte de alta capacidade utilizando ônibus articulados em canaletas exclusivas nas avenidas de vale. Entrou em reformas entre abril e dezembro de 2000, na gestão de Antônio Imbassahy.[6]

Com a licitação do Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas (SMSL) e o convênio anterior entre as duas prefeituras e o governo estadual em 2013, a estação foi incluída no processo e passou para a administração estadual.[7] Em abril de 2014, a administração da estação foi transferida para a CCR Metrô Bahia, operadora do SMSL.[8] No dia 26 de dezembro de 2015, ela foi desativada para dar início às obras da estação metroviária da Rodoviária.[9][10][11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b JOSÉ JOAQUIM SANTOS SILVA. «MARIO KERTÉSZ». Consultado em 20 de junho de 2014 
  2. G1 BA. «Obras mudam linhas de ônibus e desativam Transbordo Iguatemi». G1. Consultado em 28 de dezembro de 2015 
  3. a b TRANSALVADOR. «Estação Iguatemi». Consultado em 20 de junho de 2014 
  4. [1]
  5. SANTOS, José Lázaro C. Desafios para a Mobilidade da Região Metropolitana de Salvador - Bahia. Disponível em: http://www.nossasalvador.org.br/site/colunas/153-desafios-para-a-mobilidade-da-regiao-metropolitana-de-salvador-bahia Arquivado em 27 de dezembro de 2013, no Wayback Machine.. (Trechos do trabalho apresentado no 4º Congresso de Infraestrutura de Transportes, 2010, SP).
  6. Daniel J. Mellado Paz (julho de 2006). «Lele´s update: A apropriação da arquitetura como tecnologia e algumas reflexões sobre o tema – parte 1». Arquitextos, ano 07. Vitruvius. Consultado em 20 de junho de 2014 
  7. BAHIA NOAR (12 de abril de 2014). «Estações de Pirajá, Mussurunga e Iguatemi terão gestão estadual». Consultado em 18 de junho de 2014 
  8. ARAGÃO, Fernanda (10 de abril de 2014). «Estações de transbordo passam para CCR semana que vem; metrô apresentou poucas falhas». Consultado em 5 de maio de 2014 
  9. Tribuna da Bahia. «Metrô de Salvador a Lauro de Freitas começa a ser discutido». SINDIFERRO. Consultado em 18 de junho de 2014 
  10. SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO. «Anexo 4 - Elementos de Referência de Projeto» (PDF). Consultado em 5 de Maio de 2014 
  11. G1 BA. «Obras mudam linhas de ônibus e desativam Transbordo Iguatemi». G1. Consultado em 28 de dezembro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Estação de Transbordo do Iguatemi