Estado Islâmico do Iraque e do Levante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Estado Islâmico)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Estado Islâmico" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Estado islâmico (desambiguação).
Estado Islâmico do Iraque e do Levante
الدولة الاسلامية في العراق والشام
İD bayrağı ile bir militan.jpg
Um militante do Estado Islâmico carregando a bandeira do grupo.
País  Iraque
 Síria
Criação 2003[1] ou out/2004[2]

29 de junho de 2014
(proclamação do Califado)[3]
Lema em árabe: باقية وتتمدد; transl.: "Bāqiyah wa-Tatamaddad , "Remanescendo e Expandindo"[4][5]
História
Guerras/batalhas Guerra do Iraque

Guerra Civil Síria

Líbia/Egito[8][9]
Iêmen[10]
Tunísia[11]
Afeganistão
Nigéria
Filipinas[12]

Logística
Efetivo 80 000 – 100 000 (no seu auge; cerca de 50 000 na Síria e 30 000 no Iraque, segundo o OSDH)[13][14]

20 000 – 31 500[15]
(em 2014, segundo a CIA)

6 500 (2017)[16]

Insígnias
Bandeira de batalha do grupo Flag of the Islamic State of Iraq and the Levant2.svg
Comando
Comandante Abu Musab al-Zarqawi[1] (2004–2006)[2]
Abu Ayyub al-Masri[1] (2006–2010)[2]
Abu Omar al-Baghdadi (2006-2010)[2]
Abu Bakr al-Baghdadi[17][18](2010–presente)
Sede
Quartel-general Raca (de facto, de 2013 a 2017)[19]
Al-Qaim (2017)
Hajin (2017-2018)
Al-Susah (2018-2019)
Al-Marashidah (Janeiro–fevereiro de 2019)
Al-Baghuz Fawqani (Fevereiro–Março de 2019)
Atualmente nenhum

Estado Islâmico,[20] antes denominado Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL) ou Estado Islâmico do Iraque e da Síria (EIIS),[21] é uma organização jihadista islamita de orientação salafita (sunita ortodoxa)[22][23] e wahabita [24][25] criada após a invasão do Iraque em 2003. O grupo opera principalmente no Oriente Médio e também é conhecido pelos acrônimos ingleses ISIS ou ISIL,[26][27] sendo muitas vezes designado, por seus oponentes árabes (que não reconhecem a organização como 'estado', nem como 'islâmico' [28] [29][30]), pelo acrônimo داعش, transl. Dāʿiš (de ad-Dawlat al- 'Irāq wa sh-Shām; em português: 'Estado do Iraque e do Levante'), frequentemente grafado Da'ish ou, por influência do inglês, Daesh[31][26], de onde provém a forma aportuguesada Daexe.[32][33][34][35]

Em 29 de junho de 2014, o EIIL passou a se autodenominar simplesmente "Estado Islâmico" (EI) (em árabe: الدولة الإسلامية, ad-Dawlat al-Islāmiyah), autoproclamando-se um califado sob a liderança de Abu Bakr al-Baghdadi. Tal estado nunca foi reconhecido pela comunidade internacional.[3][18] O EIIL afirma autoridade religiosa sobre todos os muçulmanos do mundo[36] e aspira tomar o controle de muitas outras regiões de maioria islâmica,[37] a começar pela região do Levante, que inclui Jordânia, Israel, Palestina, Líbano, Chipre e Hatay, uma área no sul da Turquia.[27][38]

O grupo, em seu formato original, era composto e apoiado por várias organizações terroristas sunitas insurgentes, incluindo suas organizações antecessoras, como a Al-Qaeda no Iraque, o Conselho Shura Mujahideen (2006-2006) e o Estado Islâmico do Iraque (ISI) (2006-2013), além de outros grupos insurgentes, como Jeish al-Taiifa al-Mansoura, Jaysh al-Fatiheen, Jund al-Sahaba, Katbiyan Ansar al-Tawhid wal Sunnah e vários grupos tribais iraquianos que professam o islamismo sunita. O objetivo original do EIIL era estabelecer um califado nas regiões de maioria sunita do Iraque. Após o seu envolvimento na guerra civil síria, este objetivo se expandiu para incluir o controle de áreas de maioria sunita da Síria.[39] O grupo é oficialmente considerado uma organização terrorista estrangeira por países como Estados Unidos,[40] Brasil,[41] Reino Unido,[42] Austrália,[43] Canadá,[44] Indonésia[45] e Arábia Saudita,[46] além de também ter sido classificado pela Organização das Nações Unidas (ONU),[47] pela União Europeia e pelas mídias do Ocidente e do Oriente Médio como grupo terrorista.[48][49][50][51]

O Estado Islâmico cresceu significativamente devido à sua participação na Guerra Civil Síria e ao seu líder, Abu Bakr al-Baghdadi. Denúncias de discriminação econômica e política contra árabes sunitas iraquianos desde a queda do regime secular de Saddam Hussein também ajudaram a dar impulso ao grupo. No auge da Guerra do Iraque, seus antecessores tinham uma presença significativa nas províncias iraquianas de Alambar, Ninaua, Quircuque, maior parte de Saladino e regiões de Babil, Diala e Bagdá, além de terem declarado Bacuba como sua capital.[52][53][54][55] No decorrer da guerra civil síria, o EIIL teve uma grande presença nas províncias de Raca, Idlibe, Alepo e Deir Zor.[56][57] Contudo, a partir de 2016, o grupo começou a perder força considerável, cedendo grandes porções de territórios no leste da Síria e no norte e oeste do Iraque. Em 2017, o Estado Islâmico, sob o peso de uma intervenção armada estrangeira e ações mais organizadas de grupos opostos e governos locais, foi forçado a se reorganizar, enquanto perdia cidades chave como Ramadi, Faluja, Mossul e Raca, sofrendo também com privações e deserções em suas fileiras.[58][59][60] No começo de 2019, os últimos redutos do Estado Islâmico no leste Síria são sobrepujados e o Califado, proclamado quase cinco anos antes, é considerado formalmente como destruído.[61]

O Estado Islâmico obriga as pessoas que vivem nas áreas que controla a se converterem ao islamismo, além de viverem de acordo com a interpretação sunita da religião e sob a lei charia (o código de leis islâmico). Aqueles que se recusam podem sofrer torturas e mutilações, ou serem condenados a pena de morte.[49][62] O grupo é particularmente violento contra muçulmanos xiitas, assírios, cristãos armênios, iazidis, drusos, shabaks e mandeanos.[63] Segundo a Agência Central de Inteligência (CIA), em meados de 2014 o EI tinha pelo menos entre 20 000 e 31 500 combatentes na Síria e no Iraque[64] que, além de ataques a alvos militares e do governo, já assumiram a responsabilidade por ataques que mataram milhares de civis.[65] O Estado Islâmico tinha ligações estreitas com a Alcaida até 2014, mas em fevereiro daquele ano, depois de uma luta de poder de oito meses, a Alcaida cortou todos os laços com o grupo, supostamente por sua brutalidade e "notória intratabilidade".[66][67][68]

História[editar | editar código-fonte]

Formação do grupo (1999–2006)[editar | editar código-fonte]

Corpo de Abu Musab al-Zarqawi após ataque de forças dos Estados Unidos em 2006. Zarqawi foi o fundador grupo militante Tawhid wal-Jihad, que mais tarde se tornaria o Estado Islâmico

Após a invasão do Iraque em 2003, o jordaniano Abu Musab al-Zarqawi, adepto do salafismo jiadista, e seu grupo militante, o Jamaat al-Tawhid wal-Jihad, fundado em 1999, alcançou notoriedade nos estágios iniciais da insurgência iraquiana por conta de ataques suicidas contra mesquitas islâmicas xiitas, civis, instituições do governo iraquiano e soldados italianos que faziam parte da coalizão militar internacional liderada pelos Estados Unidos. O grupo de Al-Zarqawi rompeu oficialmente com a rede Alcaida, de Osama bin Laden, em outubro de 2004, mudando seu nome para Tanzim Qaidat al-Jihad fi Bilad al-Rafidayn (تنظيم قاعدة الجهاد في بلاد الرافدين; "Organização de Base da Jihad na Mesopotâmia"), também conhecida como Alcaida no Iraque (AQI).[69][70][71] Os ataques do grupo contra civis, forças governamentais e de segurança iraquianas, diplomatas estrangeiros e comboios de soldados norte-americanos continuaram com aproximadamente a mesma intensidade. Em uma carta a al-Zarqawi em julho de 2005, Ayman al-Zawahiri, o então vice-líder da Alcaida, delineou um plano de quatro etapas para expandir a Guerra do Iraque, que incluía expulsar das forças norte-americanas do país, criar uma autoridade islâmica através de um califado, espalhar o conflito para os vizinhos seculares do Iraque e entrar em confronto com Israel, que a carta diz que só "foi criado só para desafiar qualquer nova entidade islâmica".[72]

Em janeiro de 2006, a AQI passou a trabalhar em conjunto com vários grupos insurgentes iraquianos menores sob o comando de uma organização guarda-chuva chamada o Conselho Shura Mujahideen (CSM). Em 7 de junho de 2006, al-Zarqawi foi morto em um ataque aéreo feito por forças dos Estados Unidos e foi sucedido como líder do grupo pelo militante egípcio Abu Ayyub al-Masri.[73][74]

Em 12 de outubro de 2006, o CSM uniu-se com três grupos menores e seis tribos sunitas islâmicas para formar a "Coalizão Mutayibeen", que jurou por Alá que iria "... livrar os sunitas da opressão dos rejeicionistas (xiitas) e cruzado ocupantes, ... restaurar nossos direitos mesmo que ao preço de nossas próprias vidas ... para fazer a palavra do Deus supremo do mundo e para restaurar a glória do Islã ... ".[75][76] Um dia depois, o CSM declarou o estabelecimento do Estado Islâmico do Iraque (ISI), que incluía seis províncias árabes do Iraque, em sua maioria sunitas,[77] sendo que Abu Omar al-Baghdadi foi anunciado como seu Emir.[78] Al-Masri foi nomeado Ministro da Guerra.[79]

Estado Islâmico do Iraque (2006-2013)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerra do Iraque
Insurgentes iraquianos em 2006

De acordo com um estudo elaborado por agências de inteligência dos Estados Unidos no início de 2007, o grupo planejava tomar o poder das áreas centrais e ocidentais do Iraque e transformá-las em um Estado islâmico sunita.[80] O grupo ganhou força e no seu auge teve uma presença significativa nas províncias iraquianas de Alambar, Diala e Bagdá e reivindicou a cidade de Bacuba como a sua capital.[52][53][54][55]

Um exercício de treinamento conjunto entre militares dos Estados Unidos e do Iraque perto de Ramadi em novembro de 2009. O Estado Islâmico do Iraque havia declarado a cidade como a sua capital

Em 2007, as tropas norte-americanas realizaram operações de enfraquecimento do grupo, o que resultou em dezenas de militantes capturados ou mortos.[81] Entre julho e outubro de 2007, a Alcaida no Iraque parecia ter perdido suas bases militares seguras na província de Alambar e na região de Bagdá.[82] Em 2008, uma série de ofensivas iraquianas e norte-americanas conseguiram expulsar os insurgentes de seus antigos refúgios seguros, como as províncias Diala e Alambar, para a área da cidade de Moçul, o último grande campo de batalha contra a organização.[83]

Até 2008, o grupo descrevia-se como se estivesse em um estado de "crise extraordinária".[84] As suas tentativas violentas de governar seu território levou a uma reação de iraquianos sunitas e outros grupos insurgentes e um declínio temporário no grupo, que foi atribuído a uma série de fatores.[85]

No final de 2009, o comandante das forças norte-americanas no Iraque, o general Ray Odierno, afirmou que a organização "tem se transformado significativamente nos últimos dois anos. O que antes era dominado por indivíduos estrangeiros tornou-se cada vez mais dominado por cidadãos iraquianos".[86] Em 18 de abril de 2010, dois líderes do grupo, Abu Ayyub al-Masri e Abu Omar al-Baghdadi, foram mortos em um ataque conjunto EUA-Iraque perto de Ticrite.[87] Em uma conferência de imprensa em junho de 2010, o general Odierno informou que 80% dos 42 principais líderes da organização, incluindo recrutadores e financistas, haviam sido mortos ou capturados, com apenas oito restantes em geral. Ele disse que foram retirados da liderança da Alcaida no Paquistão.[88][89][90]

Em 16 de maio de 2010, Abu Bakr al-Baghdadi foi apontado como o novo líder do Estado Islâmico do Iraque.[91][92] Al-Baghdadi reabasteceu a liderança do grupo, visto que muitos haviam sido mortos ou capturados, com a nomeação de antigos oficiais militares e de inteligência que serviram durante o regime de Saddam Hussein. Esses homens, quase todos os quais tinha passado um tempo preso pelos militares norte-americanos, tornaram-se cerca de um terço dos 25 principais comandantes de Baghdadi. Um deles era um ex-coronel, Samir al-Khlifawi, também conhecido como Haji Bakr, que se tornou o comandante militar geral encarregado de supervisionar as operações do grupo.[93][94]

Em julho de 2012, al-Baghdadi lançou um comunicado de áudio on-line anunciando que o grupo estava voltando aos antigos redutos de que as tropas norte-americanas e seus aliados sunitas os tinha expulsado em 2007 e 2008.[95] Ele também declarou o início de uma nova ofensiva no Iraque para libertar membros do grupo detidos nas prisões iraquianas.[95] A violência no Iraque havia começado a crescer em junho de 2012, principalmente por conta de ataques com carros-bomba e, em julho de 2013, mais de 1000 mortes mensais foram registradas pela primeira vez desde abril de 2008.[96]

Guerra Civil Síria (2011-presente)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerra Civil Síria

Em março de 2011 dava-se o início dos protestos na Síria contra o governo de Bashar al-Assad. Nos meses seguintes, a violência entre manifestantes e forças de segurança levou a uma militarização gradual do conflito.[97] Em agosto de 2011, al-Baghdadi começou a enviar membros sírios e iraquianos do seu grupo, com experiência em guerrilha, para a Síria para estabelecer uma organização no interior do país. Liderados por um sírio conhecido como Abu Muhammad al-Julani, este grupo começou a recrutar combatentes e estabelecer células de todo o país.[98][99] Em 23 de janeiro de 2012, o grupo anunciou sua formação como a Frente al-Nusra, que cresceu rapidamente para uma força de combate forte, com apoio popular entre os sírios que fazem oposição ao governo Assad.[98]

Estado Islâmico do Iraque e do Levante (2013–2014)[editar | editar código-fonte]

Em 8 de abril de 2013, al-Baghdadi lançou um comunicado onde anunciou que a Frente al-Nusra tinha sido estabelecida, financiada e apoiada pelo Estado Islâmico do Iraque[100] e que os dois grupos foram fundidos sob o nome "Estado Islâmico do Iraque e do Levante" (EIIL).[101] Al-Jawlani divulgou um comunicado negando a fusão e reclamando que nem ele nem qualquer outra pessoa na liderança da al-Nusra havia sido consultada sobre o assunto.[102] A campanha do EIIL para libertar membros presos culminou em julho de 2013 com a realização de invasões nas prisões de Taji e Abu Ghraib, que libertaram mais de 500 prisioneiros, muitos deles veteranos da insurgência iraquiana.[96][103] Em outubro de 2013, al-Zawahiri ordenou a dissolução do EIIL, colocando a Frente al-Nusra como a encarregada dos esforços jiadistas na Síria,[104] mas al-Baghdadi contestou a decisão de al-Zawahiri, com base na jurisprudência islâmica e seu grupo continuou a operar na Síria. Em fevereiro de 2014, depois de uma luta de poder de oito meses, a Alcaida desmentiu qualquer relação com o EIIL.[66]

Segundo a jornalista Sarah Birke, há "diferenças significativas" entre a Frente al-Nusra e o EIIL. Enquanto al-Nusra clama ativamente pela deposição do governo Assad, o EIIL "tende a focar-se mais no estabelecimento do seu próprio governo no território conquistado", sendo "muito mais implacável" na construção de um Estado islâmico, na "realização de ataques sectários e em impor a xaria". Ainda que a al-Nusra tenha um "grande contingente de combatentes estrangeiros", ela é vista como um grupo local por muitos sírios; pelo contrário, os militantes do EIIL têm sido descritos como "ocupantes estrangeiros" por muitos refugiados sírios.[105] Ele tem uma forte presença na região central e do norte da Síria, onde se instituiu a xaria em várias cidades.[105] O grupo controlava as quatro cidades fronteiriças de Atmeh, al-Bab, Azaz e Jarablus, permitindo-lhe controlar a entrada e a saída entre o território sírio e a Turquia.[105]

No início de 2014, a organização terrorista lançou uma grande ofensiva na província iraquiana de Alambar que resultou em severos combates nas cidades de Faluja e de Ramadi;[106] na Síria, diversos grupos rebeldes, dentre eles integrantes do Exército Livre Sírio, da Frente Islâmica e da Frente Revolucionária Síria, em uma ação apoiada pela Coalizão Nacional Síria, iniciaram uma ofensiva contra posições dos grupos extremistas nas províncias sírias de Idlibe e Alepo, que matou pelo menos 36 e capturou mais de 100 integrantes do EIIL.[107] Os combates entre grupos rebeldes moderados e jihadistas prosseguiriam nas primeiras semanas de 2014 e ceifaram a vida de mais de 1 400 pessoas.[108]

Enquanto a luta na Síria se intensificava, o EIIL lançou-se em uma série de ofensivas e atentados por todo o Iraque, especialmente na fronteira sírio-iraquiana e na região norte. Avanços foram reportados na província de Ninaua e diversas cidades, como Mossul, foram atacadas. Em junho de 2014, em uma nova rodada de investidas, boa parte da cidade de Ticrite caiu em mãos dos jiadistas que ganhavam terreno no caminho a Bagdá. O exército iraquiano conseguiu deter ofensivas dos insurgentes em Samarra e forçou o recuo dos rebeldes em Baiji, enquanto tentavam reagir para manter a ordem no país. A nova onda de violência no Iraque, perpetrado pelo Dawlat al-ʾIslāmiyya (o Estado islâmico), deixou centenas de mortos e milhões de refugiados.[109] O EIIL cometeu diversas atrocidades contra a sua própria seita para silenciar vozes moderadas, como no caso do assassinato de 13 clérigos muçulmanos sunitas em junho de 2014 em Moçul.[110]

Mapa da Guerra Civil na Síria e a Guerra Civil Iraquiana em 2015, mostrando a expanção máxima do EIIL.
Territórios sírio e iraquiano:
  Controlados pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL)
  Controlados por Rebeldes Sírios
  Controlados pelo Governo Sírio
  Controlados pelo Governo Iraquiano
  Controlados pela Jabhat Fateh al-Sham
  Controlados pelos Curdos Sírios
  Controlados pelos Curdos Iraquianos

Em agosto de 2014, boa parte das províncias de Ninaua, Saladino e Alambar haviam sido conquistadas pelos islamitas. O exército iraquiano, incapaz de montar uma resistência coesa, teve que recuar e evacuar várias cidades, como Ticrite (a 140 km de Bagdá).[111] Enquanto avançavam pelo Iraque, como haviam feito na Síria, o Estado Islâmico cometeu inúmeras atrocidades, como assassinatos e saques.[112]

Em resposta a intensificação dos combates, que ameaçavam desestabilizar a região e o governo do Iraque, os Estados Unidos lançaram uma campanha aérea contra o Estado Islâmico, bombardeando alvos de importância militar do grupo. Como um contraponto ao EIIL, os americanos também afirmaram que iriam aumentar a assistência militar a grupos ditos como moderados na Síria e ainda colocariam mais conselheiros militares em solo iraquiano.[113][114]

Autoproclamado "Estado Islâmico" (junho de 2014–2015)[editar | editar código-fonte]

Em 29 de junho de 2014, o EIIL declarou oficialmente a criação de um Califado Islâmico na Síria e no Iraque. Enquanto isso, a violência sectária e religiosa na região se intensificava consideravelmente.[115]

Em 12 de setembro, de acordo com a agência de notícias France-Presse, o EIIL fez um acordo de paz com outros grupos rebeldes sírios. No entendimento, as diferentes facções colocariam suas diferenças de lado para unir forças contra Bashar al-Assad. Dois dias depois, um representante da Coalizão Nacional Síria negou qualquer pacto com os extremistas, mas afirmou não poder falar pelos outros grupos.[116]

Entre os primeiros dias de Novembro, a cidade de Derna na Líbia entrou para a lista das cidades do Estado Islâmico, ela foi a primeira cidade fora da Síria e Iraque a ser incorporada ao califado de Abu Bakr al-Baghdadi.[117]

Em 13 de novembro de 2014, o grupo anunciou um acordo de paz com a Al Nusra.[118]

No dia 8 de dezembro de 2014, foi anunciado que a coalizão enviaria pela primeira vez, cerca de 1.500 soldados com o propósito de combater o grupo, o então presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, aprovou o envio de outros 1.600 militares para treinar e assessorar as forças iraquianas.[119]

Caças F-15E da Força Aérea dos Estados Unidos sobrevoam o território iraquiano em setembro de 2014.
Posição do EIIL destruída pela coalizão militar liderada pelos Estados Unidos em Kobanî, Síria.

Em 2015 a área de influência do Estado Islâmico atravessou as fronteiras da Síria e do Iraque. Grupos em vários outros países afirmaram ser ligados ao EI e conquistaram territórios por todo o mundo islâmico. No Iêmen, uma nação descentralizada e em caos político, militantes deste grupo começaram a recrutar pessoal no leste do país para tentar ganhar território, rivalizando diretamente com a Alcaida na Península Arábica.[120] No Afeganistão, o governo de Cabul afirmou que o EIIL também havia estabelecido uma presença no país, contando com centenas de combatentes para lutar contra as forças da coalizão, as autoridades locais e até grupos jihadistas rivais na região (como o Talibã).[121] Na Líbia, onde a organização já tinha uma presença na cidade de Derna,[122] militantes islamitas começaram a tentar espalhar suas áreas de controle pelo país. Assim como em outros territórios que ocupam, o EIIL perpetrou várias atrocidades em solo líbio. Em fevereiro de 2015, eles decapitaram vinte e um cristãos coptas egípcios na província de Trípoli. Em resposta, o governo egípcio ordenou que sua força aérea conduzisse ataques contra áreas sob controle do Estado Islâmico na Líbia.[123]

Nesse meio tempo, na Síria e no Iraque o Estado Islâmico cedia pouco terreno aos seus rivais e inimigos, mas também não conseguiam conquistar novos territórios. Parte deste retrocesso deve-se ao aumento da intensidade dos ataques aéreos de aeronaves da Coalizão ocidental e nações árabes da região. Na cidade síria de Kobanî, milícias curdas conseguiram expulsar, depois de quatro meses de luta, os militantes do EI da área.[124] Enquanto isso, em amplas frentes de batalha por toda a região, sangrentas lutas eram travadas. Os avanços do EIIL geravam ondas de milhares de refugiados e centenas de cadáveres, agravando a crise humanitária naquela parte do mundo.[125] Em meados de abril de 2015, o exército iraquiano (apoiado por militares iranianos e por aviões do ocidente) retomaram Ticrite, a segunda maior cidade do Iraque em mãos do Estado Islâmico, após semanas de violentos combates.[126] Mesmo assim, o grupo conseguiu se manter na ofensiva em amplas frentes no território iraquiano. Em meados de maio, a cidade de Ramadi, capital da importante província de Alambar e que fica a 100 quilômetros a oeste de Bagdá, foi tomada pelos combatentes do EI.[127] A região só foi retomada ao fim de dezembro do mesmo ano.[128]

De acordo com a organização OSDH, o grupo chegou a controlar, no início de 2015, metade do território sírio, embora seus avanços estivessem, à época, muito mais lentos e ineficientes do que já foram. O Estado Islâmico, contudo, foi perdendo força, e já em 2016 começou a perder território, principalmente devido a intervenção estrangeira no Iraque e na Síria, com aviões da OTAN (principalmente dos Estados Unidos, do Reino Unido e da França) e da Rússia passando a ataca-los dia e noite.[129]

Declínio no Iraque e na Síria (2016–2017)[editar | editar código-fonte]

Explosão de um carro bomba feita na base aérea de Menagh, em território sírio, em 2017, executada por um suicida ligado ao Estado Islâmico (EI). Conforme o grupo ia perdendo terreno e influência, seus militantes passaram a realizar centenas de atentados (a maioria suicidas) contra cidades na Síria e no Iraque e por outras regiões do Oriente Médio.[130]

Em meados de 2015, as forças armadas da Rússia, em apoio ao regime de Bashar al-Assad, iniciaram a construção de uma base militar na Síria e em setembro do mesmo ano começaram a lançar bombardeios aéreos contra militantes do Estado Islâmico na região. Esta ação coincidiu com uma série de sucessos por parte dos extremistas deste grupo, que continuavam avançando em direção a Damasco, a capital síria.[131] Segundo especialistas, a intervenção da Rússia na guerra civil síria foi importante, não somente para dar sobrevida ao regime Assad, mas também para deter os avanços do EIIL, especialmente nas regiões central e norte do país. Assim, sob pressão das potências mundiais, o Estado Islâmico começou a perder terreno, embora ainda conservasse enorme poderio militar em meados de 2016.[132] No final deste ano, no Iraque, o governo local (apoiado por milícias curdas e aviões da Coalizão ocidental) iniciou uma pesada ofensiva para retomar a cidade de Mossul, último grande reduto urbano do EIIL em solo iraquiano.[133] A região foi reconquistada em meados de julho de 2017, após quase nove meses de intensos combates. A vitória do governo iraquiano em Mossul (junto com outras ofensivas bem sucedidas no norte) foi celebrada como um dos maiores feitos contra os terroristas islâmicos no país.[134] Ao mesmo tempo, foi lançado na província de Raca, na Síria, uma enorme campanha militar a fim de retomar a cidade de Raca, a auto-proclamada capital do califado do EIIL. Encabeçando a ofensiva, estavam tropas das Forças Democráticas Sírias (majoritariamente composta por curdos), apoiadas por aviões e forças especiais da OTAN.[135]

Já em meados de 2017, com os curdos pressionando pelo norte, o governo sírio lançou uma nova ofensiva contra os islamitas na região de Deir Zor, tomando quase toda a capital dessa província, incluindo seu principal aeroporto. Então, em outubro do mesmo ano, após quatro meses de violentos combates, milicianos curdos e árabes (liderados pelas Forças Democráticas Sírias), haviam anunciado a retomada de Raca, no nordeste do país, além da expulsão de boa parte dos militantes do Estado Islâmico da região, marcando mais uma derrota significativa para o grupo.[136] Fora da região do Oriente Médio, simpatizantes do EIIL nas Filipinas, que haviam conseguido, em maio de 2017, tomar a cidade de Marawi, na cadeia de ilhas de Mindanau, foram derrotados também e a cidade foi recuperada pelas autoridades nacionais.[137]

Em dezembro de 2017, após uma série de ofensivas bem sucedidas nas regiões oeste e norte do Iraque, o governo local afirmou que o Estado Islâmico havia sido "expulso" do país, embora ações em forma de guerrilha permanecessem em alguns locais. A informação foi saudada na região e no mundo como uma importante vitória contra o terrorismo global. Enquanto isso, na Síria o EIIL continuava a ser empurrado de volta para a fronteira iraquiana, no leste, sofrendo pesadas baixas e deserções, perdendo uma cidade após a outra. Órgãos de inteligência ocidentais, contudo, argumentaram que, apesar de muito enfraquecido, o Estado Islâmico ainda conserva algum poder no Oriente Médio, e ainda pode atiçar "lobos solitários" a realizar atentados pelo mundo.[59][58]

Evolução posterior (2017-atualmente)[editar | editar código-fonte]

Com as sucessivas derrotas militares, o Estado Islâmico intensificou os esforços para exportar o caos que costumava confinar dentro de suas fronteiras. O ataque ao Ocidente desenvolve-se a partir do interior dessas sociedades, aproveitando circunstâncias como a imigração em massa. O EI encorajou ataques individuais, oferece apoio e instruções pela internet, além de ter membros designados na Europa para fornecer orientação direta a jihadistas. A princípio reprovando a imigração muçulmana para a Europa, cedo verificou que assim poderiam introduzir facilmente combatentes no Ocidente. O Estado Islâmico aconselhava métodos simples para liquidar aqueles que considerava como "infiéis"ː "esmague-lhe o crânio com uma pedra, mate-o à facada, atropele-o com um carro, lance-o de uma falésia, estrangule-o ou envenene-o".[138]

Assim o EIIL chamou a si a responsabilidade por uma grande série de ataques terroristas fora do Iraque e Síria, e não só na Europaː o atentado de Sousse, na Tunísia em 2015 (38 mortos),[139] o atentado de Suruç na Turquia também em 2015 (33 mortos),[140] o ataque ao Museu Nacional do Bardo, na Tunísia em março de 2015 (22 mortos),[141] os atentados de Saná também em março de 2015 (142 mortos),[142] a bomba no voo Metrojet 9268 (224 mortos),[143] o atentado em Ancara em 2015 (102 mortos),[144] os atentados de Beirute em 2015 (43 mortos),[145] os ataques de novembro de 2015 em Paris (130 mortos),[146] o assassinato de Jaafar Mohammed Saad, o governador de Aden,[147] o atentado em Istambul em janeiro de 2016 (11 mortos),[148] os atentados em Bruxelas em março de 2016 (32 mortos),[149] os atentados no aeroporto de Istambul em 2016 (48 mortos),[150] o atentado de julho de 2016 em Nice (86 mortos),[151] o ataque em Cabul em julho de 2016 (80 mortos),[152] o atentado de Berlim em 2016 (12 mortos),[153] o atentado em Istambul em janeiro de 2017 (39 mortos),[154] o ataque no metrô de São Petersburgo em 2017 (15 mortos),[155] o atentado na Manchester Arena em 2017 (22 mortos),[156] os ataques em Teerã em 2017 (18 mortos)[157] e os atentados no Paquistão em 13 de julho de 2018 (pelo menos 131 mortos).[158]

Em 2018, o Deutsche Welle noticiou que um grupo de seguidores do Estado Islâmico supostamente impõe as suas regras no campo de refugiados de Moria, na Grécia, considerado o pior campo da Europa, onde vivem cerca de oito mil pessoas. O grupo controla a maioria das atividades ilegais, como drogas e prostituição. Quem se opõe pode esperar violência física e ameaças de morte. Os perpetradores frequentemente citam a lei da Xaria como sua justificativa. As autoridades gregas não tomariam medidas, segundo a reportagem.[159][160]

O Estado Islâmico (EI) afirmou em várias ocasiões a intenção de infiltrar terroristas no fluxo de refugiados, com algum sucesso. Hans-Georg Maassen, chefe da inteligência interna alemã, disse em 2017 à TV pública ZDF que as autoridades europeias "viram repetidas vezes que terroristas estão sendo contrabandeados, camuflados como refugiados. Esse é um fato que as autoridades de segurança devem procurar reconhecer e identificar". Um ex-comandante da OTAN, o general da Força Aérea Philip Breedlove disse em março desse ano que o EI havia introduzido mil e quinhentos combatentes na Europa.[161][162][163]

Em 23 de março de 2019, as Forças Democráticas Sírias, apoiadas pelos Estados Unidos, eliminaram o último reduto urbano do grupo na Síria, em Al-Bagouz, no leste da província de Deir Zor.[164][165]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Objetivos[editar | editar código-fonte]

Território reivindicado pelo Estado Islâmico no mundo

Desde 2004, a principal meta do grupo é a fundação de um Estado islâmico.[166][167] O EIIL procurou estabelecer-se como um califado, um tipo de Estado islâmico liderado por um grupo de autoridades religiosas sob o comando de um líder supremo, o califa, que se acredita ser o sucessor de Maomé.[168] Em junho de 2014, o EIIL publicou um documento em que afirmava ter rastreado a linhagem de seu líder al-Baghdadi até Maomé[168] e, depois da proclamação de um novo califado em 29 de junho, o grupo nomeado al-Baghdadi como seu califa. Como califa, ele exigiu a lealdade e obediência de todos os muçulmanos do mundo, de acordo com a jurisprudência islâmica (fiqh).[169]

Quando o califado foi proclamado, o EIIL declarou: "A legalidade de todos os emirados, grupos, Estados e organizações torna-se nulo pela expansão da autoridade do califado e pela chegada de suas tropas em suas áreas."[168] Isto foi uma rejeição das divisões políticas do Oriente Médio conforme estabelecidas pelas potências ocidentais durante a Primeira Guerra Mundial no Acordo Sykes-Picot.[170][171][172]

No final de 2014, um membro do EIIL afirmou que eles iriam humilhar soldados dos Estados Unidos na Síria e levantar a "bandeira de Alá" sobre a Casa Branca.[173] O mesmo membro também ameaçou "libertar" a cidade de Istambul, se a Turquia não abrir uma represa que tem vindo a limitar o fluxo de água para a Síria e o Iraque.[173] Falando aos ocidentais, um militante da Bélgica disse: "Assim queira Deus, o Califado foi estabelecido e iremos invadi-los como vocês nos invadiram. Iremos capturar as vossas mulheres como vocês capturaram as nossas mulheres. Vamos deixar os vossos filhos órfãos como vocês deixaram órfãos os nossos filhos".[173]

Governo e liderança[editar | editar código-fonte]

Abu Bakr al-Baghdadi, considerado o califa do Estado Islâmico

O grupo é dirigido e administrado por Abu Bakr al-Baghdadi, ao lado de um gabinete de conselheiros. Existem dois vice-líderes, Abu Muslim al-Turkmani para o Iraque e Abu Ali al-Anbari para a Síria, e 12 governadores locais nos territórios conquistados. Abaixo dos líderes estão os conselhos sobre finanças, liderança, assuntos militares, assuntos jurídicos, o que inclui as decisões sobre a execução de estrangeiros, segurança, inteligência e meios de comunicação. Além disso, um conselho Shura tem a tarefa de assegurar que todas as decisões tomadas pelos governadores e conselhos sejam cumpridas de acordo com a interpretação do grupo da xaria.[174] A maioria da liderança do EIIL é dominada por iraquianos, principalmente entre os antigos membros do regime de Saddam Hussein. Tem sido relatado que iraquianos e sírios têm recebido maior prioridade em relação a outras nacionalidades dentro EIIL.[175][176][177][178]

O The Wall Street Journal estimou em setembro 2014 que oito milhões de iraquianos e sírios viviam em áreas controladas pelo EIIL. Raca na Síria é a sede de facto do grupo.[179] Em setembro de 2014, o governo de Raca passou para o controle total do EIIL, que reconstruiu a estrutura de governo em menos de um ano. Os ex-funcionários do governo Assad mantiveram seus empregos após prometerem lealdade ao EIIL. A barragem de Raca continua a fornecer eletricidade e água. Serviços de assistência social são fornecidos, o controle de preços estabelecido e há impostos incidentes sobre os ricos. O EIIL executa um programa de poder brando nas áreas sob seu controle no Iraque e na Síria, o que inclui o fornecimento de serviços sociais, palestras religiosas e o dawa, o proselitismo religioso para as populações locais. O grupo também executa serviços públicos, tais como a reparação de estradas e a manutenção do fornecimento de energia elétrica.[180]

O especialista britânico em segurança Frank Gardner concluiu que as perspectivas de manutenção do controle e do domínio do EIIL eram maiores em 2014 do que em 2006. Apesar de ser tão brutal quanto antes, a organização tornou-se "bem entrincheirada" entre a população e não é susceptível de ser desalojada por forças sírias ou iraquianos ineficazes. Eles substituíram a governança corrupta anterior com a implementação de autoridades controladas localmente, os serviços foram restaurados e há um fornecimento adequado de água e combustíveis.[181][182] A fim de reforçar as regras do EIIL há o controle da produção de trigo, que é de aproximadamente 40% da produção do Iraque. O EIIL tem mantido a produção de alimentos, crucial para a governabilidade e o apoio popular.[183]

Características[editar | editar código-fonte]

Quando conquista localidades, o EIIL:

  • pendura uma bandeira negra no topo do prédio mais alto;
  • inicia uma campanha para conquistar corações e mentes, por meio da prestação de serviços sociais[nota 1] em locais devastados pela guerra;
  • distribui pen drives com cânticos jihadistas e vídeos que mostram as operações militares do grupo e folhetos que pregam contra a democracia, sobre a necessidade de permanecer em silêncio e excomungar os alauitas;
  • começa a impor gradualmente a sua interpretação estrita da lei islâmica.

Avalia-se que suas práticas abusivas,[nota 2] combinadas com uma estratégia internacional para limitar sua influência, pode inviabilizar seu plano para transformar o norte da Síria em um emirado islâmico sob seu comando. Para derrotar o EIIL, avalia-se que os Estados Unidos possam cooptar líderes tribais[nota 3] para lutar contra os fundamentalistas, numa estratégia combinada utilizada para derrotar a Alcaida no Iraque. Por sua vez, o EIIL procura minar, por meio de intimidação, a formação de uma aliança de sírios, apoiados pelo ocidente, que pudesse vir a atacar suas posições.

Ideologia e crenças[editar | editar código-fonte]

O EIIL é um grupo extremista que segue a linha-dura ideológica da Alcaida e adere aos princípios da jihad global.[185] Muitos outros grupos jihadistas modernos como Alcaida e EIIL surgiram a partir da ideologia da Irmandade Muçulmana, que remonta ao final dos anos de 1920 no Egito,[186] que segue uma interpretação antiocidental extrema do Islã, promove a violência religiosa e considera aqueles que não concordam com a sua interpretação como infiéis e apóstatas. Ao mesmo tempo, pretende-se estabelecer um Estado islâmico salafista orientado no Iraque, na Síria e em outras partes do Levante.[185] A sua ideologia tem origem no ramo do Islã moderno, que pretende voltar para os primeiros dias do Islã, rejeitando posteriores "inovações" na religião que eles acreditam ser corrupta em seu espírito original.[carece de fontes?]

Propaganda[editar | editar código-fonte]

O EIIL é conhecido pela utilização ampla e eficaz de propaganda.[187] O grupo usa uma versão da bandeira muçulmana do Estandarte Negro e desenvolveu um emblema que tem significado simbólico claro no mundo muçulmano.[188]

Em novembro de 2006, pouco depois da renomeação da organização para "Estado Islâmico do Iraque", o EIIL criou o "al-Furqan Institute for Media Production", que produz CDs, DVDs, cartazes, panfletos e produtos de propaganda na internet.[189]

O principal meio de comunicação do grupo é a "I'tisaam Media Foudation",[190] que foi formada em março de 2013 e distribui através do "Global Islamic Media Front" (GIMF).[191]

Em 2014, o EIIL estabeleceu o "al-Hayat Media Center", que tem como alvo o público ocidental e produz materiais em inglês, alemão, russo e francês.[192][193]

Além disso, em 2014, foi criada a "Ajnad Media Foundation", que libera áudios de cânticos jiadistas.[194] Desde julho de 2014, al-Hayat começou a publicar uma revista digital chamada Dabiq, em diferentes idiomas, incluindo o inglês. Segundo a revista, o seu nome é retirado da cidade de Dabiq, no norte da Síria, que é mencionado em um hadith sobre o Armagedom (ver Escatologia islâmica).[195]

Recursos financeiros[editar | editar código-fonte]

Em 2014, a RAND Corporation realizou um estudo de cartas (200 documentos pessoais, relatórios de despesas e listas de adesão) que tinham sido capturados do Estado Islâmico do Iraque (Alcaida no Iraque). Eles descobriram que, entre 2005 e 2010, doações externas responderam por apenas 5% do orçamento de funcionamento do grupo, sendo que o restante era levantado dentro do próprio Iraque. No período de tempo estudado, as células eram obrigadas a enviar até 20% da renda gerada a partir de sequestros, extorsões e outras atividades para o próximo nível de liderança do grupo. Os comandantes de nível superior, então, redistribuíam os fundos para as células provinciais ou locais que estavam em dificuldades, ou que precisavam de dinheiro para conduzir ataques. Os registros mostram que o Estado Islâmico do Iraque era dependente de membros de Moçul para conseguir dinheiro, que a liderança usava para fornecer fundos adicionais para militantes em Diala, Saladino e Bagdá.[196]

Em meados de 2014, a inteligência iraquiana obteve informações de um agente EIIL que revelou que a organização tinha um patrimônio de 2 bilhões de dólares,[197] o que a tornaria o mais rico grupo jiadista no mundo.[198] Acredita-se que cerca de três quartos dessa soma seja proveniente de bens apreendidos depois que o grupo capturou a cidade de Mossul, em junho de 2014; isso inclui possivelmente até 429 milhões de dólares saqueados do Banco Central de Moçul, junto com milhões adicionais e uma grande quantidade de barras de ouro roubadas de uma série de outros bancos na cidade.[199][200]

A exportação de petróleo dos campos petrolíferos capturados já rendeu ao EIIL dezenas de milhões de dólares.[181][201] Um funcionário do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos estimou que o Estado Islâmico ganha 1 milhão de dólares por dia a partir da exportação de petróleo. Grande parte do petróleo é vendido ilegalmente na Turquia.[202] Analistas de energia com sede em Dubai têm estimado a receita do petróleo combinada da produção iraquiana e síria do EIIL em 3 milhões de dólares por dia.[203] O grupo também extrai a riqueza através de impostos e de extorsão.[202]

Crimes de guerra[editar | editar código-fonte]

No início de setembro de 2014, o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas concordou em enviar uma equipe ao Iraque e à Síria para investigar os abusos e assassinatos realizados pelo Estado islâmico em "uma escala inimaginável". Zeid Ra'ad al Hussein, da Jordânia, que assumiu o posto de Navi Pillay como o Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, pediu aos líderes mundiais que intervenham para proteger as mulheres e crianças que sofrem nas mãos dos militantes extremistas islâmicos do grupo, que, segundo ele, estavam tentando criar uma "casa de sangue". Ele apelou à comunidade internacional para concentrar os seus esforços em acabar com o conflito no Iraque e na Síria.[204]

Em julho de 2014, a BBC informou que o investigador-chefe das Nações Unidas afirmou que os "combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante podem ser adicionados a uma lista de suspeitos de crimes de guerra na Síria."[205]

Em agosto de 2014, a Organização das Nações Unidas acusou o Estado Islâmico de cometer "atrocidades" e crimes de guerra.[206][207]

Perseguição religiosa[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Genocídio Yazidi
Refugiados iazidis nas Montanhas Sinjar

O EIIL obriga as pessoas que vivem nas áreas que controla, sob ameaça de pena de morte, tortura ou mutilação, a se converter ao islamismo e viver de acordo com a sua interpretação do islã sunita e a lei charia.[49][62] O grupo direciona a violência principalmente contra muçulmanos xiitas, assírios, caldeus, siríacos nativos, cristãos armênios, iazidis, drusos, shabaks e mandeanos.[63]

A Anistia Internacional acusou o EIIL de promover uma limpeza étnica dos grupos minoritários que vivem no norte do Iraque.[208]

Tratamento dado aos civis[editar | editar código-fonte]

Durante o conflito no Iraque em 2014, o grupo lançou dezenas de vídeos mostrando maus-tratos contra civis, muitos dos quais tinham sido aparentemente direcionados com base na religião ou etnia das pessoas. Navi Pillay, a então Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, alertou para os crimes de guerra ocorridos na zona de guerra do Iraque e divulgou um relatório que afirmava que militantes do EIIL estavam assassinando soldados do exército iraquiano e 17 civis em uma única rua da cidade de Moçul. A ONU informou que nos 17 dias entre 5 e 22 de junho, o EIIL matou mais de 1.000 civis iraquianos e feriu mais de 1.000 pessoas.[209][210][211] Depois do EIIL divulgar fotos de seus combatentes atirando em dezenas de jovens, as Nações Unidas declararam que as "execuções a sangue frio", que teriam sido feitas por militantes no norte do Iraque, quase certamente podem ser consideradas crimes de guerra.[212]

O avanço do EIIL no Iraque em meados de 2014 foi acompanhado pela violência contínua na Síria. Em 29 de maio, uma aldeia síria foi invadida pelo EIIL e pelo menos 15 civis foram mortos, incluindo, de acordo com a Human Rights Watch, pelo menos seis crianças.[213] Um hospital na área confirmou ter recebido 15 corpos no mesmo dia.[214] O Observatório Sírio de Direitos Humanos informou que em 1 de junho, um homem de 102 anos de idade foi morto junto com toda a sua família em uma aldeia em Hama.[215]

O EIIL recrutou para o combate crianças iraquianas, que podem ser vistas com máscaras em seus rostos e armas na mão enquanto patrulham as ruas de Mossul.[216]

Denúncias de violência sexual[editar | editar código-fonte]

De acordo com um relatório, a captura de cidades iraquianas pelo EIIL em junho 2014 foi acompanhada por um aumento nos crimes contra as mulheres, incluindo sequestro e estupro.[217][218][219][220] O jornal The Guardian informou que a agenda extremista do EIIL abrange os corpos das mulheres e que as mulheres que vivem sob o controle do grupo estavam sendo capturadas e estupradas.[221] Basma al-Khateeb, uma ativista dos direitos das mulheres baseada em Bagdá, disse que existe uma cultura de violência no Iraque contra as mulheres em geral e tinha certeza de que a violência sexual contra a mulher estava acontecendo em Mossul envolvendo não só o EIIL, mas todos os grupos armados envolvidos no conflito.[222]

Durante um encontro com Nouri al-Maliki, o ministro das relações exteriores britânico, William Hague, disse em relação ao EIIL: "Qualquer um que glorifique, apoie ou participe deve entender que eles estariam ajudando um grupo responsável pelo sequestro, tortura, execuções, estupros e muitos outros crimes hediondos".[223] De acordo com Martin Williams publicou no jornal sul-africano The Citizen, alguns salafistas linha-dura, aparentemente, consideram o sexo extraconjugal com múltiplas parceiras uma forma legítima de guerra santa e é "difícil de conciliar isso com a religião, onde alguns adeptos insistem que as mulheres devem ser cobertas da cabeça aos pés, com apenas uma fenda estreita para os olhos".[224]

Haleh Esfandiari do Woodrow Wilson International Center for Scholars destacou o abuso de mulheres locais por militantes do EIIL depois de terem capturado uma área. "Eles costumam levar as mulheres mais velhas a um mercado de escravos improvisado e tentam vendê-las. As meninas mais jovens são estupradas ou forçadas a casar com os combatentes", disse ela, acrescentando: "É baseando-se nesses casamentos temporários e que esses militantes têm feito sexo com essas meninas, quando então eles simplesmente as passam para outros combatentes".[225] Meninas iraquianas do grupo étnico yezidi que foram violadas por combatentes do EIIL se suicidaram saltando para a morte das Montanhas Sinjar, conforme descrito em um depoimento.[226]

O Estado Islâmico sistematizou a escravidão no território que eles controlam, e emitiu uma fatwa que lista detalhadamente quando e como os “donos” de escravas sexuais podem ter relações com elas. A fatwa, que tem força de lei dentro do Estado Islâmico, foi encontrada entre uma série de documentos capturados pelos EUA durante um raide na Síria em Maio de 2015.[227][228]

Regimento imposto aos civis conquistados[editar | editar código-fonte]

Depois de o Estado islâmico autoproclamar a captura de cidades no Iraque, o EIIL divulgou orientações sobre como os civis dominados devem usar roupas e véus. O EIIL alertou as mulheres na cidade de Mossul para usar o véu de rosto inteiro ou sofreriam punições severas.[229][230] Um clérigo disse à Reuters em Mossul que pistoleiros do EIIL lhe havia ordenado a ler o aviso em sua mesquita, quando os fiéis se reuniam.[229] O EIIL também proibiu manequins nus e ordenou que os rostos de manequins de ambos os sexos fossem cobertos.[231] O EIIL lançou 16 notas intituladas "Contrato da Cidade", um conjunto de regras destinadas a civis em Ninaua. Uma regra estipulava que as mulheres devem ficar em casa e não sair para a rua, a menos que seja necessário. Outra regra diz que o roubo seria punido com a amputação.[232]

Além da proibição da venda e uso de álcool (que é habitual na cultura muçulmana), os militantes proibiram a venda e uso de cigarros e narguilés. Eles também têm proibido "música e canções em carros, em festas, em lojas e em público, assim como fotografias de pessoas nas vitrines das lojas".[233]

Os cristãos que vivem em áreas sob controle do EIIL que queiram permanecer no território do "califado" tem apenas três opções: se converter ao islamismo; pagar um imposto religioso (o jizia); ou morrer.[234] O EIIL já havia estabelecido regras semelhantes para os cristãos em Raca, na Síria, que era uma das cidades mais liberais do país antes da dominação.[235][236]

Destruição de Patrimônio da Humanidade[editar | editar código-fonte]

Lamassu na porta do palácio de Assurnasirpal II em Nimrud, em 2007. O EIIL destruiu a cidade antiga assíria em março de 2015

Irina Bokova, a diretora-geral da UNESCO, alertou que o EIIL está a destruir o patrimônio cultural do Iraque, no que ela chamou de "limpeza cultural". "Não temos tempo a perder, porque os extremistas estão tentando apagar a identidade, porque eles sabem que, se não há identidade, não há memória, não há história", disse ela.[237] Saad Eskander, diretor dos Arquivos Nacionais do Iraque disse: "Pela primeira vez você tem de limpeza cultural ... Para os yazidis, a religião é oral, nada é escrito pela destruição de seus lugares de culto ... você está matando a memória cultural. É o mesmo com os cristãos ... é realmente uma ameaça que vai além da crença."[238]

Para financiar suas atividades, o grupo rouba artefatos históricos e culturais da Síria[239] e do Iraque e enviá-los para a Europa para serem vendidos. Estima-se que o EIIL levante 200 milhões de dólares por ano a partir da pilhagem cultural. A UNESCO pediu ao Conselho de Segurança das Nações Unidas que controle a venda de antiguidades, semelhante ao que foi imposto após a guerra do Iraque em 2003. A UNESCO também está trabalhando com a Interpol, as autoridades aduaneiras nacionais, museus e grandes casas de leilão, na tentativa de impedir que os itens roubados sejam vendidos.[238] O EIIL ocupou o Museu de Moçul, o segundo museu mais importante no Iraque, quando o local estava estava prestes a ser reaberto depois de anos de reconstrução dos danos causados após a guerra do Iraque. O grupo então destruiu todo o acervo da instituição cultural alegando que as estátuas da antiguidade eram contra o islamismo.[240][241]

Cidade antiga de Hatra, fundada no século III a.C. pelo Império Selêucida, considerada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO desde 1985 e destruída pelo Estado Islâmico em 2015

O Estado Islâmico considera que a "adoração" de sepulturas equivale a idolatria e procura purificar a comunidade de crentes. O grupo usou escavadeiras para esmagar edifícios e sítios arqueológicos. O professor da Universidade de Princeton Bernard Haykel descreveu a ideologia de al-Baghdadi como "uma espécie de wahabismo indomável", dizendo: "Para a Al Qaeda, a violência é um meio para um fim; para o EIIL, ela é um fim em si mesmo". A destruição do túmulo e santuário do profeta Iunus (ou Jonas para os cristãos), da mesquita de Imame Iáia Abu Alcácime do século XIII, do santuário do século XIV do profeta Jerjis (São Jorge para os cristãos) e a tentativa de destruição do minarete de Hadba do século XII na mesquita de Al-Nuri têm sido descritas como "uma explosão desenfreada do extremismo wahabita".[242] "Houve explosões que destruíram edifícios que remontam à época assíria", disse o diretor do Museu Nacional do Iraque, Qais Rashid, referindo-se à destruição do santuário de Iunus. Ele citou um outro caso em que o "Daesh (EIIL) reuniu mais de 1 500 manuscritos de conventos e outros lugares sagrados e queimaram todos eles no meio da praça da cidade".[243] Em março de 2015, o grupo destruiu a cidade antiga assíria de Nimrude, datada do século XIII a.C. Irina Bokova, da UNESCO, classificou o ato como uma "nova barbárie" e um "crime de guerra" que exige uma "mobilização sem precedentes" da comunidade internacional.[244] Em 7 de março de 2015 o EIIL também destruiu as ruínas de Hatra, um Patrimônio da Humanidade localizado em Ninaua, região dominada pelos terroristas.[245] "A destruição de Hatra marca um momento decisivo na lamentável estratégia de limpeza cultural no Iraque", afirmou Bokova.[246]

Designação como organização terrorista[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerra contra o Estado Islâmico
Mapa - Um mapa de todos os oponentes do Estado Islâmico:     Coalizão liderada pelos Estados Unidos     Outros países oponentes     Territórios mantidos pelo Estado Islâmico
Entidade Data Autoridade Referências
Organizações multinacionais
 Nações Unidas 18 de outubro de 2004 Conselho de Segurança [247]
 União Europeia 2004 Conselho Europeu (ao adotar as sanções da ONU) [248]
Nações
 Reino Unido Março de 2001 (como parte da Alcaida)
20 de junho de 2014 (após a separação da al‑Qaeda)
Secretário de Estado
para os Assuntos Internos
[42]
 Estados Unidos 17 de dezembro de 2004 Departamento de Estado [40]
 Austrália 2 de março de 2005 Autoridade-Geral para a Austrália [43]
 Canadá 20 de agosto de 2012 Parlamento [44]
 Turquia 30 de outubro de 2013 Grande Assembleia Nacional [249][250]
 Arábia Saudita 7 de março de 2014 Decreto real do Rei da Arábia Saudita [46]
 Indonésia 1 de agosto de 2014 Agência Nacional Contraterrorismo [45]
 Emirados Árabes Unidos 20 de agosto de 2014 Gabinete governamental [251]
 Israel 3 de setembro de 2014 Ministério da Defesa [252][253][254]
 Malásia 24 de setembro de 2014 Ministério das Relações Exteriores [255]
 Egito 30 de novembro de 2014 Tribunal do Cairo para Assuntos Urgentes [256][257]
 Índia 16 de dezembro de 2014 Ministério de Assuntos Internos [258][259]
 Rússia 29 de dezembro de 2014 Suprema Corte da Federação Russa [260]
 Brasil 13 de novembro de 2015 Ministério das Relações Exteriores [41]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Ao prestar tais serviços (atividades que são divulgadas por meio de dezenas de vídeos distribuídos pela organização), o EIIL procura provar que a Al Qaeda pode fazer contribuições positivas e que aprendeu com os erros que cometeu quando dominou amplas áreas no Iraque na década passada, que levaram os sunitas iraquianos a se rebelaram contra sua brutal forma de atuação.
  2. Similares àquelas que fizeram com que Alcaida perdesse o apoio em países como o Mali e o Iêmen, tais como a perseguição a ativistas da oposição à sua visão islâmica linha-dura (tais como o padre jesuíta Paolo Dall'Oglio) e o sequestro de jornalistas, que passaram a evitar áreas de influência do grupo. Também cabe mencionar que um de seus combatentes estrangeiros foi executado pelo Exército Livre da Síria, acusado de ter molestado sexualmente várias crianças no norte da cidade de al-Dana. Além disso, na cidade de Tel Abyad, na província de Raca, o EIIL roubou cestas básicas que a Unidade de Coordenação de Assistência da Coalizão Nacional Síria da Oposição e das Forças Revolucionárias pretendia entregar a civis, pois a Coalização recusou-se a fazer tal entrega em conjunto com o EIIL. Como exemplo da insatisfação da população local contra o domínio do EIIL, cabe registrar também uma manifestação que ocorreu em Raca, em junho de 2013. Por outro lado, em 2013, o grupo procurava excluir militantes acusados de práticas abusivas, como o Emir al-Banat, oriundo do Daguestão e suspeito de assassinar dois padres, e o Emir Seifullah, um checheno oriundo de Pankisi Gorge que foi o Secretário de Imprensa da divisão de combatentes oriundos do Cáucaso.[184]
  3. Entre os líderes tribais que poderiam ser cooptados, citam-se: Bashir al-Huwaydi e Mahmud al-Khabur da tribo Afadla (o maior clã em Raca) e Nawaf al-Bashir, da tribo Baqqara, que exerce domínio nas províncias de Deir al-Zour e Hasaka.

Referências

  1. a b c Al-Qaeda in Iraq, em inglês, acesso em 02 de janeiro de 2014.
  2. a b c d Leaders’ deaths a blow to al Qaeda in Iraq, em inglês, acesso em 03 de janeiro de 2014.
  3. a b Withnall, Adam (29 de junho de 2014). «Iraq crisis: Isis changes name and declares its territories a new Islamic state with 'restoration of caliphate' in Middle East». The Independent. Consultado em 29 de junho de 2014 
  4. «Political reform in Iraq will stem the rise of Islamists». The National. 11 de junho de 2014. Consultado em 18 de junho de 2014 
  5. «What the Takeover of Mosul Means for ISIS». Carnegie Endowment for International Peace. 12 de junho de 2014. Consultado em 18 de junho de 2014 
  6. Al-Qaeda-linked groups expand into Lebanon
  7. Al-Akhbar in Qalamoun: The Throne of God and Cherry Trees
  8. Islamic State has training camps in Libya, warns US commander, em inglês, acesso em 27 de dezembro de 2014.
  9. ISIL’s Rise in Libya, em inglês, acesso em 11 de fevereiro de 2015.
  10. Grupo radical Estado Islâmico desafia Al-Qaeda no Iêmen, acesso em 22 de março de 2015.
  11. Tunisia says gunmen trained in Libya, em inglês, acesso em 23 de março de 2015.
  12. A perder terreno no Iraque e Síria, ISIS cria "província" nas Filipinas, acesso em 30 de maio de 2017
  13. "Islamic State 'has 50,000 fighters in Syria'". Página acessada em 18 de setembro de 2014.
  14. "ISIS has 100,000 fighters, growing fast - Iraqi govt adviser". Página acessada em 18 de setembro de 2014.
  15. "IS has 20,000-31,500 fighters in Iraq and Syria: CIA". Página acessada em 18 de setembro de 2014.
  16. «ISIS down to 6,500 fighters, holds only 3 percent of Iraq». Washington Examiner. 17 de outubro de 2017. Consultado em 19 de dezembro de 2017 
  17. Al-Qaeda chief disbands main jihadist faction in Syria: Al-Jazeera", Hurriyet, (novembro de 2013).
  18. a b «ISIS Spokesman Declares Caliphate, Rebrands Group as "Islamic State"». SITE Institute. 29 de junho de 2014. Consultado em 29 de junho de 2014 
  19. "Syria launches rare strikes on ISIL-held Raqqa". Página acessada em 13 de novembro de 2015.
  20. O que é o temível Estado Islâmico? Revista IHU online. Instituto Humanitas Unisinos, 18 de novembro de 2014.
  21. Em árabe, a fórmula الدولة الإسلامية في العراق والشام(ad Dawla al Islamiya fi al ‘Iraq wa ash Sham) significa literalmente 'Estado Islâmico no Iraque e no Levante'. Essa formulação, e não 'Estado Islâmico do Iraque e do Levante', é a mais próxima da sintaxe árabe. Admais, embora a mídia também se refira à organização como Islamic State in Irak and Syria [Estado Islâmico no Iraque e na Síria] ou Islamic State in Irak and al-Sham [Estado Islâmico no Iraque e al-Sham], somente essa segunda forma seria a correta pois os objetivos da organização não se limitam ao território de um país. Sham designa o Levante, nome dado historicamente à região constituída por Síria, Líbano, Jordânia e Israel-Palestina, antes de serem traçadas as fronteiras coloniais. Ver Doit-on dire EIIL, Da'ech, ISIS, Etat islamique en Irak et au Levant, de l'Irak et du Levant? Por Fanny Arlandis. Slate, 25 de junho de 2014.
  22. Bunzel, Cole. «From Paper State to Caliphate: The Ideology of the Islamic State» (PDF). Brookings 
  23. Wood, Graeme. «What ISIS Really Wants». The Atlantic. Consultado em 19 de fevereiro de 2015 
  24. 'wahabita' in Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa. Porto: Porto Editora, 2003-2019.
  25. Crooke, Alastair (27 de agosto de 2014). «You Can't Understand ISIS If You Don't Know the History of Wahhabism in Saudi Arabia». Huffington Post. Consultado em 11 de abril de 2015 
  26. a b Yglesias, Matthew; Beauchamp, Zack (14 de novembro de 2015). «Why John Kerry and the French president are calling ISIS "Daesh"». www.vox.com. Vox. Consultado em 20 de novembro de 2015 
  27. a b Tharoor, Ishaan (18 de junho de 2014). «ISIS or ISIL? The debate over what to call Iraq's terror group». The Washington Post. Consultado em 18 de junho de 2014 
  28. Bem-vindo a bordo do D-AECH. Por Nuno Paixão Louro. Sábado, 28 de novembro de 2015.
  29. Du bon usage du mot « terrorisme » et de quelques autres. Por Alexis Varende. Orient XXI, 1º de dezembro de 2014.
  30. "Agora vamos deixar duas coisas bem claras: ISIL não é "islâmico". Nenhuma religião tolera a morte de inocentes. E a grande maioria das vítimas do ISIL é constituída por muçulmanos. E o ISIL certamente não é um estado" (declaração de Barack Obama sobre o EI, em 2014).
    No original: "Now let’s make two things clear: ISIL is not "Islamic". No religion condones the killing of innocents. And the vast majority of ISIL’s victims have been Muslim. And ISIL is certainly not a state." The White House. Office of the Press Secretary. Statement by the President on ISIL. 10 de setembro de 2014.
  31. Porque é que o Estado Islâmico tem tantos nomes?. Observador, 16 de novembro de 2015.]
  32. Correia, Paulo (Direção-Geral da Tradução – Comissão Europeia) (Primavera de 2015). «EIIL/Daexe — geografias e transliterações» (PDF). «a folha» – Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (n.º 50). ISSN 1830-7809. Consultado em 21 de junho de 2016 
  33. «Proposta de resolução sobre o perigo do Daexe na Turquia e no Médio Oriente - B8-1127/2015». www.europarl.europa.eu. Parlamento Europeu. 21 de outubro de 2015. Consultado em 20 de novembro de 2015 
  34. «Conclusões da 43.ª reunião do Conselho do EEE Bruxelas (18 de maio de 2015)». www.consilium.europa.eu. Consilium. Consultado em 20 de novembro de 2015 
  35. Correia, Paulo (Primavera de 2019). «Duxambé, Chechénia e os estados Xã e Chim» (PDF). Sítio web da Direcção-Geral da Tradução da Comissão Europeia no portal da União Europeia. A Folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (n.º 59): 5-14. ISSN 1830-7809. Consultado em 8 de julho de 2019 
  36. «داعش تعلن تأسيس دولة الخلافة وتسميتها "الدولة الإسلامية" فقط دون العراق والشام والبغدادي أميرها وتحذر "لا عذر لمن يتخلف عن البيعة». Arabic CNN. 29 de julho de 2014. Consultado em 31 de julho de 2014 
  37. «Isis rebels declare 'Islamic state' in Iraq and Syria». BBC News. 30 de junho de 2014. Consultado em 30 de junho de 2014 
  38. «What is ISIS? — The Short Answer». The Wall Street Journal. 12 de junho de 2014. Consultado em 15 de junho de 2014 
  39. Cockburn, Patrick (9 de junho de 2014). «Battle to establish Islamic state across Iraq and Syria». The Independent. Consultado em 12 de junho de 2014 
  40. a b «Foreign Terrorist Organizations». Bureau of Counterterrorism. Departamento de Estado dos Estados Unidos. Consultado em 28 de julho de 2014 
  41. a b «Atentado em Beirute». www.itamaraty.gov.br. Itamaraty. 13 de novembro de 2015. Consultado em 20 de novembro de 2015 
  42. a b «Proscribed Terrorist Organisations» (PDF). Home Office. 20 de junho de 2014. Consultado em 31 de julho de 2014 
  43. a b «Listed terrorist organisations». Australian National Security. Consultado em 31 de julho de 2014 
  44. a b «Currently listed entities». Public Safety Canada. Consultado em 31 de julho de 2014 
  45. a b «BNPT Declares ISIS a Terrorist Organization». Revista Tempo. 2 de agosto de 2014. Consultado em 4 de agosto de 2014 
  46. a b «Saudi Arabia designates Muslim Brotherhood terrorist group». Reuters. 7 de março de 2014. Consultado em 31 de julho de 2014 
  47. «Security Council concerned about illicit oil trade as revenue for terrorists in Iraq, Syria». United Nations. 28 de julho de 2014. Consultado em 17 de agosto de 2014 
  48. Tran, Mark (11 de junho de 2014). «Who are Isis? A terror group too extreme even for al-Qaida». The Guardian. Consultado em 11 de junho de 2014 
  49. a b c McCoy, Terrence (13 de junho de 2013). «ISIS, beheadings and the success of horrifying violence». The Washington Post. Consultado em 23 de junho de 2014 
  50. Coughlin, Con; Whitehead, Tom (19 de junho de 2014). «US should launch targeted military strikes on 'terrorist army' Isis, says General David Petraeus». The Daily Telegraph. Consultado em 31 de julho de 2014 
  51. «Iraq religious leader supports liberation of Mosul, calls ISIS terrorists». Foreign Affairs Committee. National Council of Resistance of Iran. 13 de junho de 2014. Consultado em 8 de agosto de 2014 
  52. a b Ricks, Thomas E. (11 de setembro de 2006). «Situation Called Dire in West Iraq». The Washington Post. Consultado em 13 de julho de 2014 
  53. a b Linzer, Dafna; Ricks, Thomas E. (28 de novembro de 2006). «Anbar Picture Grows Clearer, and Bleaker». The Washington Post. Consultado em 18 de julho de 2014 
  54. a b Engel, Richard (27 de dezembro de 2006). «Reporting under al-Qaida control». MSNBC. Consultado em 28 de outubro de 2009 
  55. a b Engel, Richard (17 de janeiro de 2007). «Dangers of the Baghdad plan». MSNBC. Consultado em 28 de outubro de 2009. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2007 
  56. Sly, Liz; Yaseen, Jabbar (23 de julho de 2013). «Iraq jailbreak highlights al-Qaeda affiliate's ascendancy». The Washington Post 
  57. Sly, Liz (23 de julho de 2013). «Islamic law comes to rebel-held Syria». The Washington Post 
  58. a b «Theresa May hails 'historic moment' as Islamic State is driven out of Iraq». Derbyshire Times. 10 de dezembro de 2017. Consultado em 12 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 11 de dezembro de 2017  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  59. a b Malcolm Turnbull; Julie Bishop; Marise Payne (10 de dezembro de 2017). «Liberation Of Iraq From ISIS». Department of Defence - Australian Government. Consultado em 12 de dezembro de 2017 
  60. Lister, Tim (3 de julho de 2017). «Islamic State 2.0: As the caliphate crumbles, ISIS evolves». CNN. Consultado em 12 de dezembro de 2017 
  61. «Jihadistas abandonam seus redutos após fim do 'califado' do Estado Islâmico». G1. Consultado em 26 de março de 2019 
  62. a b Bulos, Nabih (20 de junho de 2014). «Islamic State of Iraq and Syria aims to recruit Westerners with video». Los Angeles Times. Consultado em 17 de agosto de 2014 
  63. a b Abi-Habib, Maria (26 de junho de 2014). «Iraq's Christian Minority Feels Militant Threat». The Wall Street Journal. Consultado em 6 de julho de 2014 
  64. Sciutto, Jim; Crawford, Jamie; Carter, Chelsea J. (12 de setembro de 2014). «ISIS can 'muster' between 20,000 and 31,500 fighters, CIA says». CNN. Consultado em 27 de outubro de 2015 
  65. al-Salhy, Suadad (11 de dezembro de 2013). «Al Qaeda tightens grip on western Iraq in bid for Islamic state». Reuters. Consultado em 23 de junho de 2014 
  66. a b Sly, Liz (3 de fevereiro de 2014). «Al-Qaeda disavows any ties with radical Islamist ISIS group in Syria, Iraq». The Washington Post. Consultado em 7 de fevereiro de 2014 
  67. McClam, Erin (20 de junho de 2014). «More Extreme than al Qaeda? How ISIS compares to other terror groups». NBC. Consultado em 28 de junho de 2014 
  68. Qiu, Linda (13 de agosto de 2014). «David Gregory: Al-Qaida cast off ISIS as 'too extreme'». Politifact.com. Consultado em 23 de agosto de 2014 
  69. Pool, Jeffrey (16 de dezembro de 2004). «Zarqawi's Pledge of Allegiance to Al-Qaeda: From Mu'Asker Al-Battar, Issue 21». Terrorism Monitor. 2 (24): The Jamestown Foundation. Consultado em 30 de julho de 2014. Arquivado do original em 30 de setembro de 2007 
  70. «Zarqawi pledges allegiance to Osama». Dawn. Agence France-Presse. 18 de outubro de 2004. Consultado em 13 de julho de 2007. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2007 
  71. «Al-Zarqawi group vows allegiance to bin Laden». NBC News. Associated Press. 18 de outubro de 2004. Consultado em 13 de julho de 2007 
  72. Whitaker, Brian (13 de outubro de 2005). «Revealed: Al-Qaida plan to seize control of Iraq». The Guardian. Consultado em 19 de setembro de 2014 
  73. «Al-Qaeda in Iraq names new head». BBC News. 12 de junho de 2006 
  74. Tran, Mark (1 de maio de 2007). «Al-Qaida in Iraq leader believed dead». The Guardian 
  75. «al Qaeda's Grand Coalition in Anbar». The Long War Journal. 12 de outubro de 2006. Consultado em 11 de fevereiro de 2015 
  76. «Jihad Groups in Iraq Take an Oath of Allegiance». MEMRI. 17 de outubro de 2006. Consultado em 10 de fevereiro de 2015 
  77. Stephen Negus: "Call for Sunni state in Iraq". Financial Times, 15 de outubro de 2006. Acessado em 15 de janeiro de 2015.
  78. «Al-Qaida in Iraq (AQI)». Dudley Knox Library. Naval Postgraduate School. Consultado em 14 de julho de 2014. Cópia arquivada em 1 de abril de 2007 
  79. «Islamic State of Iraq Announces Establishment of the Cabinet of its First Islamic Administration in Video Issued Through al-Furqan Foundation». SITE Institute. 19 de abril de 2007. Consultado em 20 de julho de 2014. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2007 
  80. Mahnaimi, Uzi (13 de maio de 2007). «Al-Qaeda planning militant Islamic state within Iraq». The Sunday Times. Londres. Cópia arquivada em 24 de maio de 2011 
  81. Targeting al Qaeda in Iraq's Network, The Weekly Standard, 13 de novembro de 2007
  82. Ricks, Thomas; DeYoung, Karen (15 de outubro de 2007). «Al-Qaeda in Iraq Reported Crippled». The Washington Post. Consultado em 13 de fevereiro de 2015 
  83. Samuels, Lennox (20 de maio de 2008). «Al Qaeda in Iraq Ramps Up Its Racketeering». Newsweek. Consultado em 13 de fevereiro de 2015 
  84. Phillips 2009, p. 65.
  85. Kahl 2008.
  86. Christie, Michael (18 de novembro de 2009). «Al Qaeda in Iraq becoming less foreign-US general». Reuters 
  87. Arango, Tim (22 de agosto de 2014). «Top Qaeda Leaders in Iraq Reported Killed in Raid». The New York Times 
  88. Shanker, Thom (4 de junho de 2010). «Qaeda Leaders in Iraq Neutralized, US Says». The New York Times 
  89. «US says 80% of al-Qaeda leaders in Iraq removed». BBC News. 4 de junho de 2010 
  90. «Attacks in Iraq down, Al-Qaeda arrests up: US general». Google News. Agence France-Presse. 4 de junho de 2010. Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2015 
  91. Shadid, Anthony (16 de maio de 2010). «Iraqi Insurgent Group Names New Leaders». The New York Times. Consultado em 22 de agosto de 2014 
  92. «Abu Bakr al-Baghdadi: Islamic State's driving force». BBC World News. 31 de julho de 2014. Consultado em 19 de agosto de 2014 
  93. «U.S. Actions in Iraq Fueled Rise of a Rebel». The New York Times. 10 de agosto de 2014. Consultado em 28 de agosto de 2014 
  94. «Military Skill and Terrorist Technique Fuel Success of ISIS». The New York Times. 27 de agosto de 2014. Consultado em 28 de agosto de 2014 
  95. a b «Al-Qaida: We're returning to old Iraq strongholds». Associated Press. 22 de julho de 2012. Consultado em 22 de agosto de 2014 
  96. a b «Al Qaeda in Iraq Resurgent» (PDF). Institute for the Study of War. Setembro de 2013. Consultado em 13 de fevereiro de 2015 
  97. Abouzeid, Rania (14 de março de 2014). «Syria: The story of the conflict». Politico. Consultado em 22 de agosto de 2014 
  98. a b Abouzeid, Rania (23 de junho de 2014). «The Jihad Next Door». Politico. Consultado em 22 de agosto de 2014 
  99. «Jabhat al-Nusra A Strategic Briefing» (PDF). Quilliam Foundation. 8 de janeiro de 2013. Consultado em 22 de agosto de 2014 
  100. «Qaeda in Iraq confirms Syria's Nusra is part of network». GlobalPost. Agence France-Presse. 9 de abril de 2013. Consultado em 9 de abril de 2013 
  101. «ISI Confirms That Jabhat Al-Nusra Is Its Extension in Syria, Declares 'Islamic State of Iraq And Al-Sham' As New Name of Merged Group». MEMRI. 8 de abril de 2013. Consultado em 10 de abril de 2013. Arquivado do original em 6 de outubro de 2014 
  102. «Al-Nusra Commits to al-Qaida, Deny Iraq Branch 'Merger'». Naharnet Agence France-Presse. 10 de abril de 2013. Consultado em 18 de maio de 2013 
  103. «Al Qaeda says it freed 500 inmates in Iraq jail-break». Reuters. 23 de julho de 2013. Consultado em 22 de agosto de 2014 
  104. «Zawahiri disbands main Qaeda faction in Syria». The Daily Star. 8 de novembro de 2013. Consultado em 8 de novembro de 2013 
  105. a b c Birke, Sarah (27 de dezembro de 2013). «How al-Qaeda Changed the Syrian War». New York Review of Books 
  106. Iraque: combatentes sunitas 'assumem controle de Fallujah', acesso em 05 de janeiro de 2014.
  107. Syria rebels unite and launch new revolt, against jihadists, em inglês, acesso em 05 de janeiro de 2014.
  108. "Combates entre rebeldes e jihadistas matam 1.400 em 20 dias na Síria". Página acessada em 23 de janeiro de 2014.
  109. "Jihadistas iraquianos se aproximam de Bagdá em ofensiva devastadora". Página acessada em 12 de junho de 2014.
  110. Zaracostas, John (8 de julho de 2014). «U.N.: Islamic State executed imam of mosque where Baghdadi preached». MIAMI HERALD. Consultado em 9 de julho de 2014 
  111. "Iraqi forces withdraw from Tikrit as Islamic State advances". Página acessada em 13 de julho de 2015.
  112. "The Islamic State's atrocities". Página acessada em 13 de julho de 2015.
  113. "Avanço jihadista fez Estados Unidos voltarem a intervir no Iraque". Página acessada em 18 de setembro de 2014.
  114. "Syrian opposition says West is already aiding rebels". Página acessada em 18 de setembro de 2014.
  115. "Iraq crisis: What is a caliphate?". Página acessada em 30 de junho de 2014.
  116. ISIS Strikes Deal With Moderate Syrian Rebels: Reports, em inglês, acesso em 18 de setembro de 2014.
  117. Maggie Michael (9 de Nov de 2014). «Libyan City Joined the Islamic State Group». ABC News. Consultado em 11 de Nov de 2014 
  118. AP sources: IS, al-Qaida reach accord in Syria Associated Press, DEB RIECHMANN, 13 de novembro de 2014
  119. «Coalizão enviará 1.500 soldados contra Estado Islâmico». Terra.com. 8 de dezembro de 2014. Consultado em 11 de dezembro de 2014 
  120. "ISIS gaining ground in Yemen, competing with al Qaeda". Página acessada em 17 de fevereiro de 2015.
  121. "Officials confirm ISIL present in Afghanistan". Página acessada em 17 de fevereiro de 2015.
  122. "Islamic State takes Libyan city; 100K under terror group’s control as chaos spreads". Página acessada em 17 de fevereiro de 2015.
  123. "Egypt launches airstrikes against ISIL in Libya". Página acessada em 17 de fevereiro de 2015.
  124. "YPG retakes the entire city of Ayn al- Arab 'Kobani' after 112 days of clashes with IS militants". Página acessada em 17 de fevereiro de 2015.
  125. "ISIS accused of crimes against humanity". Página acessada em 17 de fevereiro de 2015.
  126. "Exército iraquiano recupera o controlo de Tikrit". Página acessada em 5 de maio de 2015.
  127. "Key Iraqi city falls to ISIS as police, military retreat". Página acessada em 20 de maio de 2015.
  128. "Iraqi Forces Retake Center of Ramadi From ISIS". Página acessada em 14 de janeiro de 2016.
  129. "Estado Islâmico já controla metade da Síria". Página acessada em 22 de maio de 2015.
  130. «ISIS is getting desperate — it's asking women to fight». Miami Herald. Consultado em 20 de fevereiro de 2018 
  131. "US Confirms Russian Airstrikes in Syria". Página acessada em 30 de setembro de 2015.
  132. Gerges, Fawaz A. (13 de fevereiro de 2016). «Syria war: Tide turns Assad's way amid ceasefire push». BBC World Service. Consultado em 18 de março de 2016 
  133. Yan, Holly; Muaddi, Nadeem (17 de outubro de 2016). «Why the battle for Mosul matters in the fight against ISIS». CNN. Consultado em 28 de outubro de 2016 
  134. "Primeiro-ministro iraquiano proclama vitória contra Estado Islâmico em Mossul". Página acessada em 9 de julho de 2017.
  135. «U.S.-backed forces push back Islamic State in Raqqa campaign - officials». 11 de abril de 2017 – via Reuters 
  136. "Aliança contra o Estado Islâmico anuncia retomada total da cidade de Raqa, na Síria". Página acessada em 17 de outubro de 2017.
  137. «Total victory declared in Marawi over ISIL». Al Jazeera. Consultado em 24 de outubro de 2017 
  138. Chulov, Martin (19 de Julho de 2016). «How Isis has devised new ways of sowing savagery in Europe -Strategy to weaken western societies from within is exploiting changing circumstances such as mass immigration». The Guardian 
  139. Smith-Spark, Laura (e outros) (28 de junho de 2015). «Tourists flee Tunisia after resort attack». CNN 
  140. Loveluck, Louisa (e outros) (22 de julho de 2015). «Suruc bomber was 'Turk with links to Isil'». The Telegraph 
  141. Stephen, Chris (18 de março de 2015). «Tunis museum attack: 20 people killed after hostage drama at tourist site». The Guardian 
  142. «Death toll hits 142 from attacks in Yemen mosques». Albawaba News. 20 de março de 2015 
  143. Hassan, Ahmed Mohamed (e outro) (8 de Novembro de 2015). «Exclusive: Investigators '90 percent sure' bomb downed Russian plane». Reuters 
  144. «Ankara Bombing death toll rises to 102: Chief Public Prosecutor's Office». Hurriyet Daily News. 16 de outubro de 2015 
  145. Barnard, Anne (e outro) (12 de Novembro de 2015). «ISIS Claims Responsibility for Blasts That Killed Dozens in Beirut». The new York Times 
  146. «Sobe para 130 o número de mortos nos atentados de Paris, diz França -Primeiro-ministro Manuel Valls disse nesta sexta que número foi atualizado. -Ataques deixaram mais de 350 feridos, muitos em estado grave.». Globo. 22 de Novembro de 2015 
  147. Shaheen, Kareem (6 de Dezembro de 2015). «Isis claims responsibility for assassinating governor of Aden». The Guardian 
  148. Louro, Manuel (12 de Janeiro de 2016). «8 turistas alemães entre os 10 mortos em atentado. Turquia culpa Estado Islâmico». Observador 
  149. Dearden, Lizzie (22 de Março de 2016). «Isis supporters claim group responsible for Brussels attacks: 'We have come to you with slaughter'». The Independent 
  150. Karimi, Faith (1 de julho de 2016). «ISIS leadership involved in Istanbul attack planning, Turkish source says». CNN 
  151. Chrisafis, Angelique (14 de Julho de 2016). «Dozens feared dead after truck drives into crowd in Nice -Driver reportedly shot dead after vehicle mounted kerb and struck people celebrating Bastille Day, local media sources claim». The Guardian 
  152. Harooni, Mirwais (23 de julho de 2016). «Islamic State claims responsibility for Kabul attack, 80 dead». Reuters 
  153. Connolly, Kate (20 de dezembro de 2016). «Police investigate deadly Berlin truck crash as 'presumed terrorist attack'». The Guardian 
  154. Carriço, Marlene (2 de Janeiro de 2017). «Estado Islâmico acaba de reivindicar ataque na Turquia na madrugada da passagem de ano». Observador 
  155. «11 killed, over 50 injured in St. Petersburg Metro blast (graphic images)». RT. 3 de Abril de 2017 
  156. «Manchester Arena blast: 19 dead and more than 50 hurt». BBC. 23 de maio de 2017 
  157. Erdbrink, Thomas (e outro) (7 de Junho de 2017). «At Least 12 Killed in Pair of Terrorist Attacks in Iran». The New York Times 
  158. «Over 128 slain, more than 200 maimed: Massacre in Mastung, blast in Bannu». The News. 14 de julho de 2018 
  159. Amroune, Bachir (e outro) (29 de Setembro de 2018). «Terror at the Moria refugee camp - A group of IS followers are said to be terrorizing people in the Moria refugee camp on the Greek island of Lesbos..». DW 
  160. Kokkinidis, Tasos (1 de outubro de 2018). «Sharia Law, Islamic Militants Rule in Greece's Notorious Migrant Camp: Report». Greek Reporter. Consultado em 9 de novembro de 2018 
  161. Scarborough, Rowan (29 de janeiro de 2017). «Islamic State finds success infiltrating its terrorists into refugee flows to West». The Washington Times 
  162. Christys, Patrick (22 de Agosto de 2016). «ISIS infiltrate Greek refugee camps as EU police discover terrorist passports - FAKE passports destined for Islamic State terrorists have been found in Greek refugee camps.». Express 
  163. Brown, Aaron (19 de novembro de 2015). «'Just wait…' Islamic State reveals it has smuggled THOUSANDS of extremists into Europe -An operative working for Islamic State has revealed the terror group has successfully smuggled thousands of covert jihadists into Europe.». Express 
  164. Agência Lusa (23 de Março de 2019). «Forças Democráticas Sírias anunciam fim do "califado" do Estado Islâmico na Síria». Observador 
  165. «Islamic State group defeated as final territory lost, US-backed forces say». BBC. Consultado em 26 de março de 2019 
  166. Zack Beauchamp (2 de setembro de 2014). «17 things about ISIS and Iraq you need to know». Vox. Consultado em 5 de setembro de 2014 
  167. Abu Mohammad. «Letter dated 9 July 2005» (PDF). Office of the Director of National Intelligence. Consultado em 22 de julho de 2014 
  168. a b c Johnson, M. Alex (3 de setembro de 2014). «'Deviant and Pathological': What Do ISIS Extremists Really Want?». NBC News. Consultado em 5 de setembro de 2014 
  169. Laith Kubba (7 de julho de 2014). «Who is the U.S. targeting in Iraq air strikes?». Al Jazeera 
  170. Tran, Mark; Weaver, Matthew (30 de junho de 2014). «Isis announces Islamic caliphate in area straddling Iraq and Syria». The Guardian. Consultado em 6 de julho de 2014 
  171. McGrath, Timothy (2 de julho de 2014). «Watch this English-speaking ISIS fighter explain how a 98-year-old colonial map created today's conflict». Los Angeles Times. GlobalPost. Consultado em 22 de julho de 2014 
  172. Romain Caillet (27 de dezembro de 2013). «The Islamic State: Leaving al-Qaeda Behind». Carnegie Endowment for International Peace 
  173. a b c Blair, Leonardo (22 de setembro de 2014). «'We Will Raise the Flag of Allah in the White House' and Humiliate Your Soldiers, Says ISIS in Threat to US». The Christian Post. Consultado em 16 de janeiro de 2015 
  174. Thompson, Nick; Shubert, Attika (18 de setembro de 2014). «The anatomy of ISIS: How the 'Islamic State' is run, from oil to beheadings». CNN. Consultado em 21 de setembro de 2014 
  175. «Military Skill and Terrorist Technique Fuel Success of ISIS». Agosto de 2014. Consultado em 1 de Fevereiro de 2015 
  176. «Foreign Recruits Are Islamic State's Cannon Fodder». Fevereiro de 2015. Consultado em 1 de Fevereiro de 2015 
  177. «Iraqis, Saudis call shots in Raqa, ISIL's Syrian 'capital'». Junho de 2014. Consultado em 1 de Fevereiro de 2015 
  178. «Meet ISIS' new breed of Chechen militants». Agosto de 2014. Consultado em 1 de Fevereiro de 2015 
  179. Ben Hubbard (24 de julho de 2014). «Life in a Jihadist Capital: Order With a Darker Side». The New York Times. Consultado em 5 de setembro de 2014 
  180. Zelin, Aaron Y. (13 de junho de 2014). «The Islamic State of Iraq and Syria Has a Consumer Protection Office». The Atlantic. Consultado em 17 de junho de 2014 
  181. a b Charles C. Caris; Samuel Reynolds (julho de 2014). «ISIS Governance in Syria» (PDF). Institute for the Study of War 
  182. Gardner, Frank (9 de julho de 2014). «'Jihadistan': Can Isis militants rule seized territory?». BBC News. Consultado em 17 de agosto de 2014 
  183. Flick, Maggie (30 de setembro de 2014). «Special Report: Islamic State uses grain to tighten grip in Iraq». Reuters 
  184. Vatchagaev, Mairbek (9 de agosto de 2013). «Influence of Chechen Leader of North Caucasian Fighters in Syria Grows». The Jamestown Foundation. Consultado em 3 de janeiro de 2014 
  185. a b «Islamic State of Iraq and the Levant» (em inglês). Australian National Security. Consultado em 6 de julho de 2014. Arquivado do original em 26 de junho de 2014 
  186. «Iraq crisis: What does the Isis caliphate mean for global jihadism?». Hussain, Ghaffar (em inglês). The Independent. Consultado em 6 de julho de 2014 
  187. Stone, Jeff (17 de junho de 2014). «ISIS Attacks Twitter Streams, Hacks Accounts To Make Jihadi Message Go Viral». International Business Times. Consultado em 19 de junho de 2014 
  188. Prusher, Ilene (9 de setembro de 2014). «What the ISIS Flag Says About the Militant Group». Time. Consultado em 29 de setembro de 2014 
  189. «US targets al Qaeda's al Furqan media wing in Iraq». The Long War Journal. 28 de outubro de 2007. Consultado em 24 de junho de 2014 
  190. Bilger 2014, p. 1.
  191. Zelin, Aaron Y. (8 de março de 2013). «New statement from the Global Islamic Media Front: Announcement on the Publishing of al-I'tiṣām Media Foundation – A Subsidiary of the Islamic State of Iraq – It Will Be Released Via GIMF». JIHADOLOGY. Consultado em 24 de junho de 2014 
  192. Gertz, Bill (13 de junho de 2014). «New Al Qaeda Group Produces Recruitment Material for Americans, Westerners». The Washington Free Beacon. Consultado em 24 de junho de 2014 
  193. «ISIS Declares Islamic Caliphate, Appoints Abu Bakr Al-Baghdadi As 'Caliph', Declares All Muslims Must Pledge Allegiance To Him». MEMRI. 30 de junho de 2014. Consultado em 7 de julho de 2014 
  194. «ISIL Launches 'Ajnad Media Foundation' to Specialize in Jihadi Chants». SITE Institute. 15 de janeiro de 2014. Consultado em 25 de junho de 2014 
  195. «Dabiq: What Islamic State's New Magazine Tells Us about Their Strategic Direction, Recruitment Patterns and Guerrilla Doctrine». The Jamestown Foundation. 1 de agosto de 2014. Consultado em 18 de agosto de 2014 
  196. Allam, Hannah (23 de junho de 2014). «Records show how Iraqi extremists withstood U.S. anti-terror efforts». McClatchy News. Consultado em 25 de junho de 2014 
  197. Chulov, Martin (15 de junho de 2014). «How an arrest in Iraq revealed Isis's $2bn jihadist network». The Guardian. Consultado em 17 de junho de 2014 
  198. Moore, Jack (11 de junho de 2014). «Mosul Seized: Jihadis Loot $429m from City's Central Bank to Make Isis World's Richest Terror Force». International Business Times UK. Consultado em 19 de junho de 2014 
  199. McCoy, Terrence (12 de junho de 2014). «ISIS just stole $425 million, Iraqi governor says, and became the 'world's richest terrorist group'». The Washington Post. Consultado em 18 de junho de 2014 
  200. Carey, Glen; Haboush, Mahmoud; Viscusi, Gregory (26 de junho de 2014). «Financing Jihad: Why ISIS Is a Lot Richer Than Al-Qaeda». Bloomberg News. Consultado em 19 de julho de 2014 
  201. Mariam Karouny (4 de setembro de 2014). «In northeast Syria, Islamic State builds a government». Reuters 
  202. a b Scott Bronstein; Drew Griffin (7 de outubro de 2014). «Self-funded and deep-rooted: How ISIS makes its millions». CNN 
  203. Karen Leigh (2 de agosto de 2014). «ISIS Makes Up To $3 Million a Day Selling Oil, Say Analysts». ABC news. Consultado em 8 de outubro de 2014 
  204. Nebehay, Stephanie (8 de setembro de 2014). «New U.N. rights boss warns of 'house of blood' in Iraq, Syria». Reuters. Consultado em 9 de setembro de 2014 
  205. "UN 'may include' Isis on Syrian war crimes list". BBC News. 26 de julho de 2014
  206. UN accuses Islamic State group of war crimes. Acessado em 2 de outubro de 2014.
  207. «Syria conflict: Islamic State 'committed war crimes'». BBC News. 27 de agosto de 2014. Consultado em 2 de setembro de 2014 
  208. Iraq crisis: Islamic State accused of ethnic cleansing. Acessado em 2 de outubro de 2014.
  209. «ISIL Militants Killed More Than 1000 Civilians In Recent Onslaught In recent Onslaught in Iraq: UN». RT News. Consultado em 4 de julho de 2014 
  210. «Iraq violence: UN confirms more than 2000 killed, injured since early June». UN News Centre. 24 de junho de 2014. Consultado em 4 de julho de 2014 
  211. «UN warns of war crimes as ISIL allegedly executes 1,700». Today's Zaman. 15 de junho de 2014. Consultado em 4 de julho de 2014 
  212. Spencer, Richard (16 de junho de 2014). «Iraq crisis: UN condemns 'war crimes' as another town falls to Isis». The Telegraph. Consultado em 6 de julho de 2014 
  213. «Syria: ISIS Summarily Killed Civilians». Human Rights Watch. 14 de junho de 2014. Consultado em 5 de julho de 2014 
  214. «Syria conflict: Amnesty says ISIS killed seven children in north». BBC News. 6 de junho de 2014. Consultado em 5 de julho de 2014 
  215. «NGO: ISIS kills 102-year-old man, family in Syria». Al Arabiya. Consultado em 7 de julho de 2014 
  216. «Armed Children as Young as 9 Patrolling Streets of Mosul». The Clarion Project. 3 de julho de 2014. Consultado em 9 de julho de 2014 
  217. «Surging Violence Against Women in Iraq». Inter Press Service. 27 de junho de 2014. Consultado em 5 de julho de 2014 
  218. Winterton, Clare (25 de junho de 2014). «Why We Must Act When Women in Iraq Document Rape». The Huffington Post. Consultado em 10 de julho de 2014 
  219. Opera Mundi, ed. (3 de julho de 2014). «ONU: iraquianas se suicidam após serem vítimas de estupro por membros do Estado Islâmico». Consultado em 17 de setembro de 2014 
  220. O Globo, ed. (11 de setembro de 2014). «Na vida sob o califado, histórias de estupros». Consultado em 17 de setembro de 2014 
  221. Susskind, Yifat (3 de julho de 2014). «Under Isis, Iraqi women again face an old nightmare: violence and repression». The Guardian. Consultado em 17 de julho de 2014 
  222. Mike, Giglio (27 de junho de 2014). «Fear Of Sexual Violence Simmers In Iraq As ISIS Advances». BuzzFeed. Consultado em 9 de julho de 2014 
  223. Ruth, Sherlock (26 de junho de 2014). «Hague urges unity as Iraq launches first counter-attack». The Telegraph. Consultado em 9 de julho de 2014 
  224. Williams, Martin (25 de setembro de 2013). «Sexual jihad is a bit much». The Citizen. Consultado em 7 de julho de 2014 
  225. Brekke, Kira (8 de setembro de 2014). «ISIS Is Attacking Women, And Nobody Is Talking About It». Huffington Post. Consultado em 11 de setembro de 2014 
  226. Ahmed, Havidar (14 de agosto de 2014). «The Yezidi Exodus, Girls Raped by ISIS Jump to their Death on Mount Shingal». Rudaw Media Network. Consultado em 26 de agosto de 2014 
  227. https://womenintheworld.com/2015/12/29/islamic-state-issues-fatwa-detailing-rules-for-sex-with-female-slaves/
  228. «Exclusive - Islamic State ruling aims to settle who can have sex...». Reuters (em inglês). 29 de dezembro de 2015 
  229. a b «Iraq: Isis warns women to wear full veil or face punishment». The Guardian. Reuters. Consultado em 27 de julho de 2014 
  230. «Islamic State says women in Mosul must wear full veil or be punished». The Irish Times. 26 de julho de 2014. Consultado em 23 de agosto de 2014 
  231. «Islamic State tells Mosul shopkeepers to cover up naked mannequins». Daily News. Consultado em 17 de setembro de 2014. Arquivado do original em 6 de outubro de 2014 
  232. Taylor, Adam (12 de junho de 2014). «The rules in ISIS' new state: Amputations for stealing and women to stay indoors.». The Washington Post. Consultado em 2 de agosto de 2014 
  233. «ISIS bans music, imposes veil in Raqqa». Al-Monitor. 20 de janeiro de 2014. Consultado em 13 de setembro de 2014 
  234. «Convert, pay tax, or die, Islamic State warns Christians». The Guardian. Reuters. 18 de julho de 2014. Consultado em 27 de julho de 2014 
  235. Abedine, Saad; Mullen, Jethro (28 de fevereiro de 2014). «Islamists in Syrian city offer Christians safety -- at a heavy price». CNN. Consultado em 27 de julho de 2014 
  236. Hubbard, Ben. «Life in a Jihadist Capital: Order With a Darker Side». The NewYork Times. Consultado em 27 de julho de 2014 
  237. «Iraq's heritage needs protection from Islamic State - UNESCO». Reuters 
  238. a b «Islamic State seeking to 'delete' entire cultures, UNESCO chief warns in Iraq». The Christian Science Monitor 
  239. Franklin Lamb. «SYRIA: "Raqqa is Being Slaughtered Silently"». Consultado em 28 de dezembro de 2014 
  240. «The Plight of Mosul's Museum: Iraqi Antiquities At Risk Of Ruin». NPR. 9 de julho de 2014 
  241. Christopher Dickey, "ISIS Is About to Destroy Biblical History in Iraq,", The Daily Beast, 7 de julho de 2014
  242. Al-Alawi, Irfan. «Extreme Wahhabism on Display in Shrine Destruction in Mosul». Gatestone Institute. Consultado em 4 de outubro de 2014 
  243. «Islamic State: Jihadists destroying and looting Iraqi heritage sites for artefacts, UNESCO warns». ABC News 
  244. «Nimrud: Outcry as IS bulldozers attack ancient Iraq site». BBC News. 6 de março de 2015. Consultado em 6 de março de 2015 
  245. Deutsche Welle, ed. (7 de março de 2015). «EI explode ruínas assírias milenares em Hatra, Iraque» 
  246. Revista Veja, ed. (7 de março de 2015). «Estado Islâmico arrasa patrimônio histórico de Hatra» 
  247. «Al-Qaida Sanctions List». United Nations. Consultado em 2 de outubro de 2014 
  248. Wahlisch, Martin (2010). «EU Terrorist Listing - An Overview about Listing and Delisting Procedures» (PDF). Berghof Peace Support. Berghof Foundation. Consultado em 3 de novembro de 2014 
  249. Kaplan, Hilal (3 de setembro de 2014). «Charging Turkey for ISIS». Daily Sabah. Consultado em 28 de setembro de 2014 
  250. Mahcupyan, Etyen (20 de setembro de 2014). «ISIS, Turkey and the US». Daily Sabah. Consultado em 28 de setembro de 2014 
  251. «List of terror groups published by United Arab Emirates» 
  252. «Ya'alon Designates Islamic State as Unlawful Organization». Arutz Sheva. Consultado em 9 de setembro de 2014 
  253. «‏إسرائيل تصنف "داعش" و" عبد الله عزام" تنظيمات "إرهابية"». 4 de setembro de 2014. Consultado em 8 de outubro de 2014 
  254. Rieger, Sol (26 de agosto de 2014). «Israel Moves to Declare Support for ISIS Illegal as Photo of Groups Flag Appear». JP Updates. Consultado em 12 de outubro de 2014 
  255. «Malaysia designates ISIS as terrorist group, vows tough action: Report». The Straits Times. 25 de setembro de 2014. Consultado em 25 de setembro de 2014 
  256. «Court affirms ISIS' 'terrorist group' designation - Daily News Egypt». Daily News Egypt 
  257. «Egypt brands jihadist ISIL a 'terrorist group'». Hürriyet Daily News. 30 de novembro de 2014 
  258. «Banned Organisations». Consultado em 16 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 1 de janeiro de 2015 
  259. «India bans IS». The Hindu. Press Trust of India. Consultado em 16 de dezembro de 2014 
  260. «Russia calls on all states to put Islamic State, Jabhat al-Nusra on terrorist lists». Russian News Agency "TASS". Consultado em 29 de dezembro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Estado Islâmico do Iraque e do Levante
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Estado Islâmico do Iraque e do Levante