Estado Islâmico de Coraçone

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Grupo Khorasan.
Estado Islâmico de Coraçone
ولاية خراسان (Wilayah Khurasan)
Participante na Guerra no Noroeste do Paquistão, Guerra do Afeganistão e Conflito Talibã–Estado Islâmico
No god but God.jpg
Bandeira jihadista do Estado Islâmico
Ideologia Islamismo salafita
Jihadismo salafita
Organização
Parte de  Estado Islâmico
Líder Líder do Estado Islâmico:
Abu Bakr al-Baghdadi
Abu Ibrahim al-Hashimi al-Qurashi
Emir da Província de Khorasan:
Hafiz Saeed Khan  (2015–Julho de 2016)
Abdul Haseeb Logari [1][2] (2016–Abril de 2017)
Abdul Rahman Ghaleb [3][4] (Abril–Julho de 2017)
Abu Saad Erhabi [5] (Julho de 2017–Agosto de 2018)
Principais comandantes de campo:
Qari Hekmat 
Mufti Nemat Rendição (militar)
Dawood Ahmed Sofi 
Área de
operações
Afeganistão, Paquistão, Tajiquistão, Jammu e Caxemira.
Efetivos 3.000+[6] (Novembro de 2017)
3.500–4.000+ (No Afeganistão)[7] (2018)

10.000 (reivindicação russa)

Antecessor(es)
anterior
Desertores afegãos e paquistaneses do Talibã e outras facções que juraram lealdade ao Estado Islâmico.
Relação com outros grupos
Aliados
Inimigos Oponentes estatais


Oponentes não-estatais

Conflitos

Estado Islâmico de Coraçone (EI–C) [a], também Estado Islâmico – Khorasan ou Estado Islâmico – Província de Khorasan (EI–K)[b] (em árabe: الدولة الإسلامية في العراق والشام – ولاية خراسان, ad-Dawlah al-Islāmiyah fī 'l-ʿIrāq wa-sh-Shām – Wilayah Khorasan), é uma organização militar salafita jihadista, um ramo do grupo Estado Islâmico, ativo no Afeganistão e no Paquistão. A área de operações do Estado Islâmico – Khorasan também inclui outras partes do sul da Ásia, [21][22][23] como a Índia. [24][25] No entanto, sua principal atividade é na região fronteiriça do leste do Afeganistão e norte do Paquistão.

O Estado Islâmico anunciou a formação do grupo em janeiro de 2015 e nomeou o ex-militante do Tehrik-i-Taliban Pakistan Hafiz Saeed Khan como seu líder, com o ex-comandante do Talibã afegão Abdul Rauf Aliza indicado como vice-líder. Aliza foi morto em um ataque de drones dos Estados Unidos em fevereiro de 2015, [26] enquanto Khan foi morto em um ataque aéreo estadunidense em julho de 2016. [27]

Em 13 de abril de 2017, o presidente dos Estados Unidos Donald Trump, ordenou o uso da Mãe de Todas as Bombas (a maior bomba não nuclear do mundo) durante um bombardeio coordenado onde, de acordo com os meios oficiais do governo estadunidense, 94 mortes foram registradas entre os combatentes do Estado Islâmico – Khorasan.[28]

Em 2021, durante a evacuação de civis e militares do Afeganistão após a tomada de Cabul pelo Talibã, o EI-K realizou atentados com homens-bombas no aeroporto de Cabul.[29] Deixando cerca de 182 mortos e mais de 150 feridos, incluindo 13 militares americanos e 28 membros do Talibã.[30][31]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Por volta de setembro de 2014, o Estado Islâmico enviou representantes ao Paquistão para se encontrar com militantes locais, incluindo algumas facções do Tehrik-i-Taliban Pakistan (TTP), após vários meses de discussões. [32] Ao mesmo tempo, panfletos, bandeiras e materiais de propaganda em apoio ao Estado Islâmico começaram a ser distribuídos em partes do Paquistão, incluindo panfletos escritos em pashto e dari que convocavam todos os muçulmanos a jurarem fidelidade a Abu Bakr al-Baghdadi. Acreditava-se que os folhetos fossem produzidos e distribuídos do outro lado da fronteira no Afeganistão. [33] Em outubro de 2014, o ex-comandante do Talibã, Abdul Rauf Khadim, visitou o Iraque. Mais tarde, ele retornou ao Afeganistão, onde recrutou seguidores nas províncias de Helmand e Farah. [34] No mesmo mês, seis comandantes da TTP no Paquistão; Hafiz Khan Saeed, o porta-voz oficial Shahidullah Shahid e os comandantes da TTP das regiões tribais de Kurram e Khyber e dos distritos de Peshawar e Hangu, desertaram publicamente do TTP e juraram fidelidade a Abu Bakr al-Baghdadi. [35][36]

Em 10 de janeiro de 2015, esses seis indivíduos apareceram em um vídeo onde novamente juraram lealdade a al-Baghdadi e nomearam Hafiz Saeed Khan como o líder de seu grupo. Estes juntariam-se a outros comandantes de nível médio, incluindo representantes da província de Logar e Kunar, no Afeganistão e da localidade paquistanesa de Lakki Marwat. Shahidullah Shahid alegou que outros jihadistas de ambos os países apoiavam o juramento de lealdade, mas não puderam comparecer pessoalmente à reunião. [36][37]

História[editar | editar código-fonte]

Em 26 de janeiro de 2015, o porta-voz oficial do Estado Islâmico, Abu Muhammad al-Adnani, divulgou uma declaração em áudio na qual aceitou o juramento de lealdade anterior e anunciou a expansão do califado com a criação do Wilayat Khorasan (Província de Coraçone), uma região histórica que incorpora partes do atual Afeganistão e Paquistão. Hafiz Khan Saeed foi apontado como líder local, ou uale (governador). [38][39] Abdul Rauf Aliza foi nomeado como vice, entretanto, este seria morto por um ataque de drones estadunidenses no Afeganistão várias semanas depois. [40]

O Estado Islâmico começou a recrutar ativamente desertores do Talibã, em particular entre aqueles que estavam insatisfeitos com seus líderes ou com a falta de sucesso no campo de batalha. Isso levou o líder do Talibã, Akhtar Mansour, a escrever uma carta endereçada a Abu Bakr al-Baghdadi, pedindo que o recrutamento no Afeganistão parasse e argumentando que a guerra no Afeganistão deveria estar sob a liderança talibã. [41] No entanto, combates entre os dois grupos irromperam na província de Nangarhar e, em junho de 2015, o Estado Islâmico foi capaz de capturar território no Afeganistão pela primeira vez.[42] Depois de expulsar com sucesso os talibãs de vários distritos de Nangarhar após meses de confrontos, o grupo começou a realizar seus primeiros ataques contra as forças afegãs na província.[43] O EI–K também estabeleceu uma presença em outras províncias, incluindo Helmand e Farah. [44] No final de 2015, o Estado Islâmico começou a transmitir rádio em idioma pashto na província de Nangarhar,[45] posteriormente adicionando conteúdo em dari. [46]

O EI–K seria impulsionado em agosto de 2015, quando o grupo militante baseado no Afeganistão, o Movimento Islâmico do Uzbequistão (MIU), jurou lealdade ao Estado Islâmico e declarou serem membros do Wilayah Khorasan. [47] Logo após, surgiriam confrontos entre os combatentes do MIU e dos talibãs na província de Zabul. Os talibãs lançaram uma ofensiva contra o movimento uzbeque, causando pesadas baixas e eliminando sua presença na província até o final do ano. [48][49] O Talibã também conseguiu expulsar o Estado Islâmico da província de Farah no mesmo período. [14]

Guerrilheiros do Estado Islâmico que se renderam ao Talibã após a Batalha de Darzab em 2018.

O EI–K sofreu novos reveses em 2016, perdendo o controle de grande parte de seu território na província de Nangarhar. Foi repelido dos distritos de Achin e Shinwar após uma operação militar das Forças de Segurança Afegãs,[50] enquanto os confrontos com os talibãs levariam-nos a serem expulsos dos distritos de Batikot e Chaparhar. [14] Após o afrouxamento das restrições de alvos pelas Forças dos Estados Unidos no Afeganistão no início do ano, a Força Aérea dos Estados Unidos começou a realizar inúmeros ataques aéreos contra alvos do Estado Islâmico. [51] Em abril de 2016, o Talibã informou que vários líderes seniores e de nível médio do Wilayah Khorasan, na província de Nangarhar, desertaram do Estado Islâmico e prometeram lealdade ao líder do Talibã, Akhtar Mansour. Os desertores incluíam membros do conselho central do grupo, do conselho judicial e do conselho de prisioneiros, bem como vários comandantes de campo e seus combatentes. [52]

Em 15 de maio de 2019, o Estado Islâmico proclamou novas sucursais 'Província do Paquistão' e 'Província da Índia' depois de reivindicar ataques no Baluchistão e na Caxemira, respectivamente. Isso sugere que, embora a "Província de Khorasan" ainda exista, sua autoproclamada área geográfica foi provavelmente reduzida. [53]

Análise[editar | editar código-fonte]

Segundo um relatório da ONU, até 70 combatentes do Estado Islâmico chegaram do Iraque e da Síria para formar o núcleo do grupo no Afeganistão. [34] Juntamente com os combatentes estrangeiros do Paquistão e do Uzbequistão, a maior parte do crescimento do número de membros do grupo provém do recrutamento de desertores afegãos do Talibã. [42] O general estadunidense Sean Swindell disse à BBC que os membros da "Província de Khorasan" estão em contato com a liderança central do Estado Islâmico na Síria, embora a relação exata entre os dois não seja clara. [54]

Embora o grupo tenha conseguido estabelecer uma base de operações no Afeganistão, teve menos sucesso no Paquistão, realizando em grande parte ataques isolados em pequena escala. [55]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. A versão em português do Jornal Oficial da União Europeia assim denomina o grupo. [16]
  2. Várias fontes jornalísticas em português utilizam essas denominações. [17][18][19][20]

Referências

  1. «Army Rangers killed in Afghanistan were possible victims of friendly fire». Army Times. 28 de Abril de 2017 
  2. Barbara Starr; Ralph Ellis (8 de Maio de 2017). «ISIS leader in Afghanistan was killed in raid, US confirms». CNN 
  3. Browne, Ryan. «US kills leader of ISIS in Afghanistan». CNN 
  4. «Statement by Chief Pentagon Spokesperson Dana W. White on death of ISIS-K leader in Afghanistan». U.S. Department of Defense 
  5. ISIL leader in Afghanistan killed in air raids - aljazeera (26 de agosto de 2018)
  6. Seldin, Jeff (18 de novembro de 2017). «Afghan Officials: Islamic State Fighters Finding Sanctuary in Afghanistan». VOA News. ISSN 0261-3077 
  7. http://undocs.org/S/2018/705
  8. «IS claims responsibility for Quetta attack, 31 killed». India Today 
  9. Khalid Alokozay and Mujib Mashal. «ISIS Claims Assault That Killed 7 Near Pakistani Consulate in Afghanistan». New York Times 
  10. «ISIS fighters wearing US Army uniforms attacked the Afghan interior ministry». Business Insider. 31 de Maio de 2018 
  11. «ISIS claims responsibility for suicide attack in Afghanistan». Fox News. 12 de Novembro de 2018 
  12. U.S. and Afghan forces battle Taliban and ISIS ahead of elections - CBS
  13. «ISIS reportedly moves into Afghanistan, is even fighting Taliban». 12 de janeiro de 2015. Arquivado do original em 13 de fevereiro de 2015 
  14. a b c «Taliban Captures IS Bases in Afghanistan». Voice of America. 5 de janeiro de 2016 
  15. «Pakistan Taliban reject Islamic State leader's claim to be 'caliph'». Reuters. 19 de dezembro de 2015. In its latest statement, the Pakistani Taliban, like the Afghan Taliban, also condemn the 'barbarity' of Islamic State's rule. "Baghdadi's caliphate is not Islamic because in a real caliphate you provide real justice while Baghdadi's men kill many innocent mujahideen (fighters) of other groups," the statement said. 
  16. REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2019/791 DA COMISSÃO de 16 de maio de 2019.
  17. «Líder religioso do EI no Afeganistão morre em bombardeamento dos EUA em Kunar». Diário de Notícias. 30 de Julho de 2017 
  18. «Talibãs definem alvos de uma nova ofensiva». Jornal de Angola. 29 de Abril de 2017 
  19. «Militares dos EUA mortos pelo Estado Islâmico no Afeganistão». Jornal de Noticias. 27 de abril de 2017 
  20. «"Estado Islâmico" sobrevive no Afeganistão». Deutsche Welle. 11 de janeiro de 2018 
  21. «Islamic State threatens to 'expand to Kashmir'». 3 de fevereiro de 2016 
  22. «Islamic State moves in on al-Qaeda turf». BBC News. 25 de Junho de 2015 
  23. «IS Loyalists Kill 3 Police in First Attack on Afghan Forces». The New York Times. 27 de setembro de 2015 
  24. Singh, Kanishka (8 de março de 2017). «What is ISIS Khorasan module? Everything you need to know». Indian Express 
  25. Naveeni, P. (8 de março de 2017). «Madhya Pradesh train blast: 'Mastermind' Al-Qasim, a self-proclaimed India 'emir' of 'Khorasan group'». Times of India 
  26. «Afghanistan drone strike 'kills IS commander Abdul Rauf'». BBC News. 9 de fevereiro de 2015. A drone strike in Afghanistan has killed a militant commander who recently swore allegiance to Islamic State (IS), officials say. The police chief of Helmand said that former Taliban commander Mullah Abdul Rauf had died in the strike. The group has received allegiance from individuals in Kashmir & has officially expanded its operations in Indian Controlled Kashmir. 
  27. «Top ISIS commander killed in U.S. airstrike in Afghanistan». BNO News. 12 de agosto de 2016 
  28. La "madre de todas las bombas" ya dejó 94 muertos en Afganistán LA GACETA - 15 de março de 2018
  29. «Isis-K assume responsabilidade pelo ataque ao aeroporto de Cabul». CNN Brasil. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  30. «Bloomberg - Are you a robot?». www.bloomberg.com. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  31. Rasmussen, Yaroslav Trofimov, Nancy A. Youssef and Sune Engel (27 de agosto de 2021). «Kabul Airport Attack Kills 13 U.S. Service Members, at Least 90 Afghans». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660. Consultado em 27 de agosto de 2021 
  32. «Seth G. Jones - ISIS' South Asia Strategy». Foreign Affairs 
  33. «The Islamic State Is Spreading Into Pakistan». The New Republic. 3 de setembro de 2014 
  34. a b «Islamic State gaining ground in Afghanistan: UN». AFP 
  35. «Pakistani Taliban leaders pledge allegiance to Islamic State». Washington Post. 14 de outubro de 2014 
  36. a b «Situating the emergence of the Islamic State of Khorasan». CTC Sentinel. 19 de março de 2015 
  37. «Pakistani Taliban splinter group again pledges allegiance to Islamic State». Long War Journal. 13 de janeiro de 2015 
  38. «'Wilayat Khurasan': Islamic State Consolidates Position in AfPak Region». Jamestown Foundation. 3 de Abril de 2015 
  39. «IS announces expansion into AfPak, parts of India». Hindustan Times 
  40. «Afghanistan drone strike 'kills IS commander Abdul Rauf'». BBC News 
  41. «Taliban urge Islamic State to stop 'interference' in Afghanistan». Reuters. 16 de Junho de 2015 
  42. a b «Exclusive: In turf war with Afghan Taliban, Islamic State loyalists gain ground». Reuters 
  43. «IS Loyalists Kill 3 Police in First Attack on Afghan Forces». Associated Press. 27 de setembro de 2015 
  44. «Afghan official: IS group present in at least 3 provinces». Associated Press. 3 de Junho de 2015 
  45. «A new Islamic State radio station spreads panic in eastern Afghanistan». Washington Post. 22 de dezembro de 2015 
  46. «IS Radio Expands Reach in Afghanistan». Voice of America. 27 de janeiro de 2016 
  47. «IMU Declares It Is Now Part Of The Islamic State». Radio Free Europe/Radio Liberty. 6 de agosto de 2015 
  48. «Wilayat Khorasan Stumbles in Afghanistan». Jamestown Foundation. 3 de março de 2016 
  49. «The Islamic Movement Of Uzbekistan Comes Unraveled». Radio Free Europe/Radio Liberty. 28 de Novembro de 2015 
  50. Afghan president: ISIS being wiped out in Afghanistan - Al Arabiya (6 de março de 2016)
  51. «Air strikes hit Islamic State in Afghanistan under new rules: U.S.». Reuters. 14 de Abril de 2016 
  52. Roggio, Bill (11 de Abril de 2016). «Senior Islamic State Khorasan leaders defect to Taliban». The Long War Journal 
  53. ISIS announces new India and Pakistan provinces, casually breaking up Khorasan - The Defense Post (15 de maio de 2019)
  54. «Afghanistan fighters 'linked to Islamic State in Syria'». BBC News. 30 de Junho de 2015 
  55. «Islamic State is having a hard time taking root in Pakistan». The Washington Post. 5 de dezembro de 2015