Estado satélite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Estado satélite é um dos nomes pejorativos que se lhe dá em política internacional a qualquer Estado que, se bem é nominalmente independente e reconhecido por outros, na prática se encontra supostamente sujeito ao domínio político ou ideológico de alguma potência. Da mesma forma que ocorre com termos similares como governo fantoche, a catalogação de um Estado como satélite é considerada partidarista e própria dos detratores dos governos em questão.

O termo, analogia aos corpos celestes que orbitam um maior, foi inicialmente utilizado pela imprensa ocidental capitalista para referir-se aos países da Europa Central e Oriental [1] do Pacto de Varsóvia e a Mongólia entre 1924 e 1990,[2] devido a estreita relação desses países com a União Soviética durante a Guerra Fria. Outros países na esfera de influência soviética, como a Coreia do Norte — particularmente nas décadas posteriores à Guerra da Coreia — ou Cuba — especialmente depois que integrar-se ao Comecon — também foram catalogados como satélites da União Soviética nesse contexto. Por sua vez, a imprensa dos estados socialistas costumava usar definições de similar calibre para referir-se a estados capitalistas periféricos e os aliados dos Estados Unidos na OTAN, aliança capitalista criada em resposta ao Pacto de Varsóvia que se deu de 1945 a 1991.

Em tempos de guerra ou de tensão política, os estados de satélite, por vezes, servem como um tampão entre um país inimigo e a nação que a exercer controle sobre o satélite. [3]

Referências

  1. Source: NATO website 2nd Footnote at bottom
  2. Sik, Ko Swan (1990). Nationality and International Law in Asian Perspective. [S.l.: s.n.] p. 39. ISBN 9780792308768 
  3. Wood, Alan (2005) [1990]. Stalin and Stalinism. [S.l.]: Routledge. p. 62. ISBN 978-0-415-30732-1. Consultado em 10 de setembro de 2009 
  • Langley, Andrew (2006), The Collapse of the Soviet Union: The End of an Empire, ISBN 0-7565-2009-6, Compass Point Books 
  • Merkl, Peter H. (2004), German Unification, ISBN 0-271-02566-2, Penn State Press 
  • Olsen, Neil (2000), Albania, ISBN 0-85598-432-5, Oxfam 
  • Rajagopal, Balakrishnan (2003), International law from below: development, social movements, and Third World resistance, ISBN 0-521-01671-1, Cambridge University Press, 
  • Rao, B. V. (2006), History of Modern Europe Ad 1789-2002: A.D. 1789-2002, ISBN 1-932705-56-2, Sterling Publishers Pvt. Ltd 
  • Wettig, Gerhard (2008), Stalin and the Cold War in Europe, ISBN 0-7425-5542-9, Rowman & Littlefield 
  • Wood, Alan (2005), Stalin and Stalinism, ISBN 978-0-415-30732-1, Routledge 

Ver também

Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.