Estados escravos e livres

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Uma animação que mostra o status de estados livre/escravo e territórios dos Estados Unidos, 1789-1861. A guerra civil começou em 1861. A escravidão foi abolida pela 13ª Emenda, em 1865.

Na história dos Estados Unidos, um estado de escravos era um estado norte-americano em que a escravidão era legal em um determinado ponto do tempo, e um estado livre era aquele em que a escravidão era proibida ou sendo eliminada em algum ponto do tempo. A escravidão era um assunto polêmico e foi uma das causas da Guerra Civil Americana. A Décima Terceira Emenda à Constituição dos Estados Unidos, ratificada em 1865, aboliu a escravidão no país, e a distinção terminou.[1]

História inicial[editar | editar código-fonte]

A escravidão era legal e praticada em cada uma das Treze Colônias.[2] Movimentos políticos e sociais organizados para acabar com a escravidão começaram em meados do século XVIII.[3] Os sentimentos da Revolução Americana e da igualdade evocados pela Declaração da Independência reuniu muitos negros americanos para a causa revolucionária e suas próprias esperanças de emancipação; ambos os homens negros escravos e livres lutaram na Revolução em ambos os lados.[3]

Na década de 1770, os negros em toda Nova Inglaterra começaram a enviar petições às legislaturas do norte exigindo liberdade. Na Convenção Constitucional, muitas questões da escravidão foram debatidas e por um tempo a escravidão era um grande impedimento para a aprovação da nova Constituição. O compromisso da instituição era reconhecido embora nunca mencionado diretamente na constituição, como no caso da Cláusula do Escravo Fugitivo. Em 1800, todos os estados do norte haviam abolido a escravidão ou medidas elaboradas de modo a reduzi-la gradualmente.[3][4] Por volta de 1789, quatro dos estados do Norte tinham adotado políticas para abolir a escravidão, pelo menos, gradualmente: Pensilvânia (1780), Nova Hampshire e Massachusetts (1783), Connecticut e Rhode Island (1784). Em 1804 todos os outros estados do Norte aboliram a escravidão: Nova Iorque (1799), Nova Jérsei (1804). Vermont aboliu a escravidão em 1777, quando ainda era independente, e quando se juntou aos Estados Unidos como o 14º estado, em 1791, foi o primeiro estado a aderir a escravidão. Kentucky foi criado um estado de escravos da Virgínia (1792), e Tennessee foi criado um estado de escravos da Carolina do Norte (1796). Por volta de 1800, antes da criação de novos estados a partir dos territórios ocidentais federais, o número de estados livres e escravos eram oito cada um. No uso popular, a divisão geográfica entre os estados escravos e livres foi chamada de Linha Mason-Dixon.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Schultz, David Andrew (2009). Encyclopedia of the United States Constitution (em inglês). Nova Iorque: Infobase Publishing. p. 735. ISBN 1438126778 
  2. Betty Wood, Slavery in Colonial America, 1619–1776 (2013) Trecho e texto de pesquisa
  3. a b c Painter, Nell Irvin (2007). Creating Black Americans: African-American History and Its Meanings, 1619 to the Present (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. p. 70  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Painter" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Painter" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  4. Wilson, Black Codes (1965), p. 15. "Por volta de 1775, inspirado por essas verdades 'auto-evidentes' que deviam ser expressas pela Declaração de Independência, um número considerável de colonos sentiu que havia chegado a hora de acabar com a escravidão e dar os negros livres alguns frutos da liberdade. Este sentimento, somado a considerações de ordem econômica, levou à abolição imediata ou gradual da escravidão em seis estados do norte, enquanto houve uma inundação inchaça das alforrias privadas do Sul. Pouco ganho real foi feito pelo negro livre, mesmo nesse período, e, na virada do século, a tendência de queda havia começado de novo. Depois disso, a única mudança importante nessa tendência antes da Guerra Civil foi que, após 1831, o declínio do status do negro livre tornou-se mais precipitado."

Ligações externas[editar | editar código-fonte]