Estige

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estige
Pais Oceano e Tétis

Estige (Στυξ, transl. Styx), na mitologia grega, é uma ninfa e também um rio infernal no Hades dedicado a ela. Era filha de Tétis. Ajudou Zeus na guerra Titanomaquia contra os titãs e foi recompensada com uma fonte de águas mágicas que desaguavam no Tártaro.

Estige também é o nome do rio da invulnerabilidade, um dos rios do Tártaro. Segundo uma versão da lenda de Dionisio, uma promessa feito a partir pelo Estige é o voto mais sagrado que pode ser feito. Nem mesmo os deuses podem quebrar uma promessa pelo Estige. Segundo a lenda, a mortal Semele, mãe de Dionísio, uma amante de Zeus, foi enganada por Hera, que querendo vingar-se da amante do marido se metamorfoseou em sua serva. Hera convenceu Semele a pedir a Zeus uma prova de amor: primeiro Semele fez Zeus fazer uma promessa pelo Estige sem saber do que se tratava; depois Semele disse que queria ver a forma verdadeira de Zeus. Tendo já feito a promessa, Zeus não pôde voltar atrás e mostrou sua verdadeira forma a Semele, que morreu nessa metamorfose. O fato de nem mesmo Zeus ter ousado quebrar a promessa, demonstra a importância do voto. O Estige aparece em várias histórias. Numa das mais comuns, Tétis tentou tornar o seu filho Aquiles invulnerável mergulhando-o nas águas desse rio. Porém, ao mergulhá-lo, suspendeu-o pelo calcanhar (o calcanhar de Aquiles), ficando esta parte vulnerável, o que acabou sendo o motivo de sua morte durante a Guerra de Troia.[1]

Impacto cultural[editar | editar código-fonte]

Divina Comédia[editar | editar código-fonte]

A Divina Comédia de Dante Alighieri envolve tradições gregas e católicas, na primeira parte da obra (Inferno). O rio Estige é citado no canto VIII, onde Dante e Virgílio são conduzidos pelo barqueiro Flégias através do rio, onde estão as almas dos condenados pelo pecado da ira. [2] [3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Herodotus, Histories 6. 74. 1, http://www.theoi.com/Khthonios/PotamosStyx.html
  2. Da Rocha, Helder (2000). «Dante Alighieri - A Divina Comédia». www.stelle.com.br. Consultado em 13 de fevereiro de 2016. 
  3. Alighieri, Dante. «La Divina Commedia». http://divinacommedia.weebly.com/. Consultado em 13 de fevereiro de 2016.  Ligação externa em |website= (Ajuda)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Petrocchi, G. (1966-1967). La Commedia secondo l'antica vulgata (em italiano) (Milão: Ed. Naz. della Società Dantesca Italiana).  Parâmetro desconhecido |volumes= ignorado (|volume=) (Ajuda)
Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia grega é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.