Estigma

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Julho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Estigma (desambiguação).
Estigma
Visão de um estigma ampliado.

Estigma é a área receptiva do pistilo das flores, onde o grão de pólen inicia a germinação do tubo polínico.[1] Pode estar posicionado no ápice do pistilo, ou lateralmente. É a parte achatada do carpelo, situada na sua extremidade superior; possui um líquido pegajoso que contribui para a fixação do grão de pólen.

A superfície do estigma de cada espécie está de acordo com a estrutura do grão de pólen correspondente. Espécies com grãos secos e pulverulentos geralmente apresentam áreas estigmáticas grandes, úmidas, ramificadas ou cobertas de pelos, de forma a que o pólem seja aderido com facilidade em sua superfície. Já espécies com grãos revestidos de lipídios ou espinhosos normalmente possuem estigmas secos e simples. De uma forma ou de outra, é o contato entre a superfície do grão de pólen e a superfície estigmática que ocasiona o crescimento do tubo polínico, que conduz a célula reprodutora masculina do grão de pólen ao óvulo no interior do ovário.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Infopédia. «Artigo de apoio Infopédia - estigma (botânica)». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 4 de julho de 2019