Estreito de Querche

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Localização do estreito de Querche
Estreito de Querche. Vista da costa da Crimeia

O estreito de Kerch ou estreito de Querche[1] (em russo: Керченский пролив, em ucraniano: Керченська протока) é um estreito que liga o mar Negro e o mar de Azov, separando a Crimeia, a oeste, da península de Taman, a leste. O estreito tem 4,5 a 15 km de largura e até 18 m de profundidade. O porto mais importante é a cidade de Querche.

O transporte por ferry através do estreito foi inaugurado em 1952, ligando a Crimeia e o Krai de Krasnodar (linha Porto Krym - Porto Kavkaz). No início, havia quatro navios trem-ferry; mais tarde, três navios carro-ferry foram adicionados. O transporte ferroviário continuou durante quase 40 anos. Ferries de trem tornaram-se velhos no final dos anos 1980 e foram retirados de operação. No outono de 2004 novos navios foram postos à disposição, e o transporte ferroviário foi restabelecido.

Diversas tentativas foram feitas para a construção de uma ponte sobre o estreito para substituir o ferry, mas a difícil configuração geológica da área torna os projetos de ponte caros demais. Finalmente, em maio de 2018, foi inaugurada a Ponte da Crimeia, a mais longa da Europa, iniciativa da Rússia, após a anexação da Crimeia, não reconhecida internacionalmente.

Diversas fábricas de processamento de peixes localizam-se na costa do estreito. A estação de pesca começa no final do outono e dura de dois a três meses, quando diversos barcos se lançam nas águas do estreito para pescar.

Antigamente, a Crimeia era conhecida sob o nome de Quersoneso Cita ou Quersoneso Táurico,[2] e o estreito como Bósforo Cimeriano[3] ou a boca do Lago Meotis; Estrabão relata que o estreito, no inverno, havia congelado, de forma que um general de Mitrídates VI do Ponto derrotou os bárbaros em uma batalha de cavalaria sobre o gelo, no mesmo ponto onde, no verão, depois que o gelo derreteu, os derrotou em uma batalha naval.[4]

Também é conhecido pelo seu nome tártaro, Yenikale. O estreito foi homenageado com o nome de um navio da marinha russa (de nome Querche).

História[editar | editar código-fonte]

Antiguidade[editar | editar código-fonte]

Na Antiguidade, parece ter havido um grupo de ilhas formadas por braços do delta do rio Cubã (Hypanis) e várias enseadas que desde então estão a assorear.[5] No século VI a.C., colonos milésios fundaram a cidade de Panticapeu na costa ocidental do estreito,[6] onde atualmente está a cidade de Querche. Heródoto menciona a existência de travessias sobre o estreito,[7] o que provavelmente se devia ao facto de que naquela época, o nível do mar Negro era significativamente menor do que atualmente. Durante a construção da ponte da Crimeia, foram recuperados cerca de 60 mil achados arqueológicos do século V a.C.[8] e descobertos os destroços de dois antigos assentamentos no fundo do estreito.[9] Os romanos conheciam o estreito como o Bósforo Cimério (Cimmerianus Bosporus) do seu nome em grego, o estreito Cimério (Κιμμάριος Βόσπορος; Kimmérios Bosporos), que homenageava os cimérios, nómades de estepes próximas.[10] O mar de Azov, perto do estreito, era conhecida como lago meótico.[11][12][13] No século II a.C. ocorreu uma batalha no norte do estreito entre o exército do rei Mitrídates VI Eupátor[14] sob a liderança do comandante Neoptólemo e os bárbaros.[15]

Domínio turco[editar | editar código-fonte]

Em 1774, duas batalhas navais ocorreram na sequência da Guerra Russo-Turca de 1768–1774 no estreito de Querche entre as frotas dos impérios russo e otomano, que foram ganhas pelos russos,[16] o que levou à assinatura do tratado de Küçük-Kainarji, onde o Império Otomano cedeu o estreito ao Império russo.[17] Durante a Guerra Russo-Turca de 1787–1792, uma outra batalha naval ocorreu no estreito de Querche em 19 de julho de 1790,[18] durante o qual um esquadrão russo sob o comando do contra-almirante Ushakov obteve uma vitória, e não permitiu que o Império Otomano desembarcasse as suas tropas na Crimeia.

Em 1792, a pedra Tmutarakan, uma laje de mármore com uma inscrição em russo antigo, foi encontrada na península Taman pelo almirante Pavel Pustoshkin enquanto escoltava os cossacos do mar Negro até Taman. A pedra relata a medição da distância entre as cidades de Tmutarakan e Korchev (Querche)[19][20] e tem um mapa do contorno das margens do estreito de Querche que foi riscado com grafite na superfície lateral.[21] É a evidência mais antiga de obras hidrográficas da Rússia, datado do século XI.[22]

Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Durante a Segunda Guerra Mundial, a península de Querche tornou-se palco de um combate muito desesperado entre as forças do Exército Vermelho Soviético e da Alemanha Nazi. A frequência de combate intensificou-se nos meses mais frios do ano quando o estreito congelou, permitindo o movimento das tropas sobre o gelo.[23]

Depois que a Frente Oriental estabilizou no início de 1943, Hitler ordenou a construção de uma ponte rodoferroviária de 4,8 quilómetros sobre do estreito de Querche na primavera de 1943 para apoiar a sua vontade de uma nova ofensiva no Cáucaso. O teleférico, que entrou em operação em 14 de junho de 1943 com capacidade diária de mil toneladas, só era adequada para as necessidades defensivas do 17º Exército em Cubã. Devido aos frequentes tremores de terra, esta ponte teria exigido grandes quantidades de vigas de aço de força extra, e o seu transporte teria restringido os embarques de material militar para a Crimeia. A ponte nunca foi concluída, e a Wehrmacht terminou de evacuar os soldados em Cubã em setembro de 1943.[24]

Em novembro de 1943, os forças soviéticas invadiram a península de Querche pelo estreito durante a operação Kerch-Eltigen[25] e construíram uma ponte ferroviária provisória sobre o estreito em 1944 para transportar suprimentos capturados dos alemães para apoiar a ofensiva da Crimeia. A ponte entrou em operação em novembro de 1944, mas os blocos de gelo em movimento destruíram alguns pilares em fevereiro de 1945. A reconstrução não foi tentada e a ponte foi demolida em junho de 1945.[26][27]

Novas tentativas de construir uma ponte permanente sobre o estreito foram feitas,[28] mas em 1950 a construção foi interrompida e uma linha de balsa foi criada no seu lugar.[29] Originalmente havia quatro balsas ferroviárias e posteriormente três novas balsas foram adicionadas. O transporte de vagões continuou por quase 40 anos, mas no final da década de 1980, as balsas de envelhecidas tornaram-se obsoletas e foram removidas de serviço. No outono de 2004, novas embarcações foram entregues como substitutos e o transporte de vagões foi restabelecido. A linha de balsa parou as operações no final de 2020.[30]

Início do século XXI[editar | editar código-fonte]

Em 2003, o estreito de Querche estava no centro de uma disputa territorial entre a Rússia e a Ucrânia depois das autoridades do krai de Krasnodar começarem a construir um dique da península de Taman em direção à ilha de Tuzla,[31] que anteriormente fazia parte da península de Tuzla.[32] O conflito foi resolvido após a intervenção dos presidentes e a construção do dique foi interrompida a cem metros da ilha. Em 2003, foi assinado um acordo entre a Federação Russa e a Ucrânia sobre a cooperação no uso do mar de Azov e do estreito de Querche,[33] que declarou o estreito como "águas históricas internas da Rússia e da Ucrânia".[34] Em 2004, nas conversações entre os dois países, já se falava em preparar documentos sobre uma delimitação em fases - primeiro o mar de Azov, depois o estreito. No entanto, só em 2012 os presidentes de ambos os países assinaram uma declaração conjunta sobre a futura delimitação da fronteira marítima entre a Rússia e a Ucrânia.[35][36]

Em 11 de novembro de 2007, agências de notícias relataram uma forte tempestade no mar Negro. O petroleiro russo Volgoneft-139 encontrou problemas no estreito de Querche e partiu-se ao meio enquanto tentava sair da tempestade,[37] libertando cerca de 3 000 toneladas de óleo combustível.[38] Os cargueiro russos Volnogorsk e Nakhchevan afundaram no estreito[39] e o cargueiro Kovel afundou após embater no Volnogorsk no porto de Kavkaz,[40] resultando no derramamento de mais de cerca de 7 000 toneladas de enxofre. O casco do petroleiro Volganeft-123 também ficou danificado, mas a carga que transportava não vazou para o mar.[37] Uma outra embarcação também afundou durante a tempestade, outros seis encalharam em um banco de areia perto da península de Chushka e cinquenta outros navios foram evacuados do estreito de Querche.[41]

A tempestade dificultou os esforços para resgatar os membros da tripulação,[42][43] o que causou a morte de 8 pessoas.[44] Devido às temperaturas baixas de inverno, o óleo combustível afundou no fundo do mar em vez de flutuar à superfície, tornando mais difícil encontrar, mas quando houve outra forte tempestade, o óleo espalhou-se novamente pelo estreito, causando outra poluição. A avaliação dos prejuízos foi de 30 mil milhões de rublos.[38]

Guerra Russo-Ucraniana[editar | editar código-fonte]

A Rússia e a Ucrânia concordaram em garantir a liberdade de navegação para navios de ambas as nações em um tratado naval de 2003,[34] porém desde o início da Guerra Russo-Ucraniana e a anexação da Crimeia em 2014, as forças russas estabeleceram à força um novo status quo, sendo agora o único poder de controle do estreito. O ministro russo das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, disse que o estreito de Querche não poderia mais ser um tema de negociações enre a Rússia e a Ucrânia.[45][46]

Construção de uma ponte sobre o estreito[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Ponte da Crimeia

Em 1999, o ex-prefeito de Moscovo, Yuri Lujkov, fez uma campanha para que uma ponte rodoviária fosse construída sobre o estreito.[47] A Rússia anunciou oficialmente que construiria uma ponte sobre o estreito em 19 de março de 2014, após a anexação russa da Crimeia em 2014.[48][49] O governo ucraniano condenou a construção da ponte[50] como ilegal[51] porque a ponte restringiria a navegação no estreito[52] e porque a Ucrânia não deu o seu consentimento para tal construção.[53] Durante a construção da ponte, foram encontrados cerca de 60 mil achados arqueológicos do século V a.C.,[8] mais de 200 bombas[54] e alguns aviões da era da Segunda Guerra Mundial. A Ponte da Crimeia foi inaugurada em 2018 e o troço ferroviário foi inaugurado em 2019.[55]

Os média estatais russos afirmam que a construção da ponte causou um aumento de nutrientes e de plâncton nas águas, atraindo um grande número de peixes e mais de 1 000 golfinhos-nariz-de-garrafa-do-Mar-Negro, que estão em extinção.[56] No entanto, a Ucrânia afirma que o ruído acústico, a poluição e os exercícios militares podem estar realmente a matar os golfinhos no mar Negro.[57]

Incidente em 2018[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Incidente do estreito de Querche

Em 25 de novembro de 2018, três navios da marinha ucraniana estavam a fazer uma uma viagem de Odessa até Mariupol.[58] Quando se aproximaram do estreito de Querche, embarcações da Guarda Costeira russa ordenaram os navios ucranianos saíssem, pois estavam a entrar ilegalmente em águas territoriais russas. No entanto, os ucranianos citaram o tratado russo-ucraniano de 2003 sobre a liberdade de navegação no estreito e continuaram a viagem.[59] Os russos então colocaram um grande navio de contentores sob a ponte, bloqueando a rota para Mariupol e obrigando os navios ucranianos a recuarem,[60][61][62][63] e enviaram dois caças e dois helicópteros para patrulhar o estreito.[58] Ao voltarem, os navios ucranianos foram atacados e apreendidos pela guarda costeira russa a cerca de 23 quilómetros da costa da Crimeia, em águas internacionais.[64][65]

Incêndio em petroleiros em 2019[editar | editar código-fonte]

Em 21 de janeiro de 2019, os petroleiros tanzanianos Kandy e Maestro[66][67] transportavam 4 500 toneladas de combustível pelo estreito de Querche.[68] As duas embarcações incendiaram-se enquanto transferiam o gás liquefeito de um navio para o outro,[69][70] matando quatorze tripulantes e deixando seis desaparecidos,[71] enquanto doze homens conseguiram saltar para o mar e foram resgatados pela Marinha russa.[72] O petroleiro Kandy transportava dezessete tripulantes, enquanto Maestro era tripulado por quinze tripulantes.[73]

O navio de salvamento russo Spasatel Demidov liderou o esforço de combate ao incêndio, mas apesar de bombear água para ambos os navios, o fogo continuou a deflagrar por cinco dias.[74] A operação de resgate da tripulação foi conduzida por dez navios, incluindo um navio de resgate russo.[72]

Encerramento do estreito[editar | editar código-fonte]

Em 15 de abril de 2021, a Rússia decidiu fechar a área do estreito de Querche para "navios de guerra e outros navios estatais" de 24 de abril a 31 de outubro. A justificativa declarada para o encerramento foram os exercícios militares.[75] O encerramento cortou parcialmente os portos ucranianos de Berdiansk e Mariupol do mar Negro.[76] O Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia protestou contra a decisão, afirmando que "tais ações da Federação Russa são mais uma tentativa de violar as normas e princípios do direito internacional para usurpar os direitos soberanos da Ucrânia como um Estado costeiro, já que a Ucrânia tem o direito de regular a navegação nessas áreas do Mar Negro".[75]

A decisão de fechar o estreito foi precedida por um aviso da Rússia aos Estados Unidos após o plano do governo Biden de enviar dois contratorpedeiros (USS Roosevelt (DDG-80) e USS Donald Cook (DDG-75)[77]) para o mar Negro em meio à crescente presença militar da Rússia perto da Ucrânia.[78] O governo Biden reteve os contratorpedeiros depois da intensificação dos combates entre as forças separatistas ucranianas e apoiadas pela Rússia, em um esforço para aliviar a tensão. Putin ameaçou a segurança dos navios da Marinha dos Estados Unidos, dizendo que eles deveriam ficar longe da área "para seu próprio bem". Depois que os contratorpedeiros foram retidos, a Rússia aproveitou a abertura para fechar o estreito de Querche.[77]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Enciclopédia brasileira mérito. 16. [S.l.]: Editora Mérito S. A. 1967. p. 392; 398 
  2. Estrabão, Geografia, Livro VII, Capítulo 4, 1 [fr] [en] [en]
  3. Estrabão, Geografia, Livro VII, Capítulo 2, 2 [fr] [en] [en]
  4. Estrabão, Geografia, Livro II, Capítulo 1, 16 [fr] [en] [en]
  5. Minns, Ellis (1911). «Bosporus Cimmerius». Encyclopædia Britannica (em inglês). IV 11ª ed. Cambridge University Press. pp. 286–287 
  6. Boardman, John; Hammond, Nicholas G. L. (1925). The Cambridge Ancient History: The Expansion of the Greek World, Eighth to Sixth Centuries B.C. (em inglês). III parte 3. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 129–130 
  7. Heródoto, Histórias, Livro IV, Melpômene, 12 [pt] [el] [el/en] [ael/fr] [en] [en] [en] [es]
  8. a b «При строительстве Крымского моста нашли голову древнегреческой статуи» [Encontrada a cabeça de uma antiga estátua grega durante a construção da ponte da Crimeia]. lenta.ru (em russo). 22 de março de 2017 
  9. «злинский историко-географический район Боспора / Киммерийского в античную эпоху» [Região histórico-geográfica de Zlín do Bósforo / Cimério na Antiguidade] (PDF) (em russo). 25 de fevereiro de 2004. pp. 87–91. Consultado em 26 de junho de 2014 
  10. Lemprière, John; Anthon, Charles (1872). A Classical Dictionary: Containing an Account of the Principal Proper Names Mentioned in Ancient Authors (em inglês) 4ª ed. Nova Iorque: Harper & Brothers publishers. pp. 349–350. OCLC 702346564 
  11. Smith, William; James, Edward Boucher (1857). Dictionary of Greek and Roman Geography (em inglês). II 1ª ed. Londres: Walton & Maberly. p. 244 
  12. «Hun». everything2.com (em inglês). 7 de maio de 2003. Consultado em 21 de abril de 2010 
  13. «Etruscan_Phrases, research providing new insight into Indo-European languages». maravot.com (em inglês). 13 de fevereiro de 2009. Consultado em 25 de abril de 2016 
  14. Estrabão, Geografia, Livro II, Capítulo 1, 6 [fr] [en] [en]
  15. Estrabão, Geografia, Livro VII, Capítulo 3, 18 [fr] [en] [en]
  16. Anderson, Roger C. (1952). «Matapan July 19th, 1717». Naval Wars in the Levant 1559–1853 (em inglês). Princeton: Princeton University Press. p. 275. OCLC 1015099422. hdl:2027/mdp.39015005292860 
  17. Bezikoğlu, Metin (Setembro de 2001). «The Deterioration of Ottoman Administration In the Light of the Ottoman-Russian War of 1768-1774» (PDF). Universidade Bilkent (em inglês e turco). Ancara. p. 99. Consultado em 5 de agosto de 2009 
  18. Sytin, Ivan D. (1913). «Керчь-Еникальский пролив». Enciclopédia Militar de Sytin (em russo). 12. Moscovo: Tipografiya T-va. pp. 513–514 
  19. Volodikhin, Dmitri M. (2016). «Русский период в истории средневекового Восточного Крыма» (PDF). Moscovo: Instituto Russo de Estudos Estratégicos. Problemas da estratégia nacional (em russo). 2 (35): 194-205. ISSN 2079-3359 
  20. Chkhaidze, Viktor N. (2006). «Тмутаракань (80-е гг. X в. – 90-е гг. XI в.). Очерки историографии» (PDF) 6ª ed. Armavir: MIA Severnogo Kavkaza. Materialy i issledovaniya po arkheologii Severnogo Kavkaza (em russo): 139-174. Consultado em 19 de outubro de 2019 
  21. Ena, V. G.; Ena, Alexander V.; Ena, Andrey V. (2007). «Пролог к познанию Тавриды: от античности до нового времени: «...от Тмутороканя до Корчева...»». Открыватели земли Крымской (em russo). Simferopol: [s.n.] OCLC 230200364. Consultado em 26 de maio de 2016 
  22. «Tmutarakan Stone». Museu Hermitage (em inglês). Consultado em 25 de fevereiro de 2015 
  23. McTaggart, Pat; Editores da Command Magazine (2003). «XXIII - The War in the Crimea, 1941-42». Hitler's Army: The Evolution and Structure of German Forces, 1933-1945 (em inglês). [S.l.]: Da Capo Press. p. 264. ISBN 978-0-306-81260-6. OCLC 53087421 
  24. Albert Speer (1969). «19». Por Dentro do III Reich. Nova Iorque: Simon & Schuster. p. 270. ISBN 0-684-82949-5 
  25. Jumatiy, Vladimir. «Керченско-Эльтигенская десантная операция» [Operação de desembarque Kerch-Eltigen]. Ministério da Defesa da Rússia (em russo). Consultado em 20 de novembro de 2020 
  26. «Мост через Керченский пролив» [Ponte sobre o estreito de Querche]. kerch.com.ua (em russo). 11 de junho de 2003. Consultado em 6 de fevereiro de 2008 
  27. «Мост через Керченский пролив» [Ponte sobre o estreito de Querche]. kerch.rusarchives.ru (em russo). Consultado em 5 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2020 
  28. «Постановление Совета министров СССР № 1935-728с «О строительстве моста через Керченский пролив»» [Resolução do Conselho de Ministros da URSS nº 1935-728 "Sobre a construção de uma ponte no estreito de Querche"]. kerch.rusarchives.ru (em russo). Consultado em 8 de dezembro de 2019 
  29. «История переправы» [História da balsa]. GSK (em russo). Consultado em 14 de fevereiro de 2011. Arquivado do original em 2 de julho de 2011 
  30. Izotov, Ilya (29 de setembro de 2020). «Керченская паромная переправа остановила свою работу» [A travessia da balsa de Querche parou o seu trabalho]. Rossiyskaya Gazeta (em russo). Simferopol. Consultado em 29 de setembro de 2020 
  31. Murphy, Kim (3 de novembro de 2003). «Russia-Ukraine Ties Founder on the Shore of Tiny Isle». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 3 de agosto de 2018. Arquivado do original em 25 de janeiro de 2012 
  32. «Остров Тузла» [Ilha Tuzla]. ok.archipelag.ru (em russo). 2000. Consultado em 27 de março de 2014. Arquivado do original em 15 de outubro de 2014 
  33. Kozelsky, Mara (22 de novembro de 2018). «The Kerch Strait and the Azov Sea». Oxford Scholarship Online (em inglês). 1. doi:10.1093/oso/9780190644710.003.0008 
  34. a b «On the Legal status of the Sea of Azov and the Kerch Strait». Black Sea News (em inglês) 
  35. «Россия и Украина договорились о морской границе» [Rússia e Ucrânia concordaram sobre uma fronteira marítima]. lenta.ru (em russo). 13 de julho de 2012. Consultado em 24 de junho de 2018 
  36. Dorosh, Svetlana (28 de novembro de 2018). «Чьи воды в Керченском проливе?» [A quem pertencem as águas no estreito de Querche?]. BBC News Ucrânia (em russo). Consultado em 30 de novembro de 2018 
  37. a b Baldwin, Chris (12 de novembro de 2007). «Russia tries to contain oil spill, save seamen». Reuters (em inglês). Consultado em 11 de novembro de 2007 
  38. a b «Трагедия Керченского пролива четыре года спустя: Ущерб до сих пор никто не возместил» [A tragédia do estreito de Querche quatro anos depois: ninguém compensou os estragos até agora]. Komsomolskaia Pravda (em russo). 11 de dezembro de 2017. Consultado em 6 de julho de 2021 
  39. «В порту "Кавказ" затонул сухогруз c серой» [Cargueiro com enxofre afundou no porto "Kavkaz"]. lenta.ru (em russo). 11 de novembro de 2007. Consultado em 26 de janeiro de 2011 
  40. «Сухогруз "Ковель" затонул» [O cargueiro "Kovel" afundou]. lenta.ru (em russo). 12 de novembro de 2007 
  41. «Из Керченского пролива эвакуируются полсотни судов» [Cinquenta navios estão a ser evacuados do estreito de Querche]. lenta.ru (em russo). 11 de novembro de 2007. Consultado em 6 de maio de 2008 
  42. Irshenko, Arkady (11 de novembro de 2007). «Fuel spill disaster reported in waters near Russia». CNN (em inglês). Moscovo. Consultado em 12 de novembro de 2007 
  43. «Russian oil tanker splits in half». BBC News (em inglês). 11 de novembro de 2007. Consultado em 12 de novembro de 2007 
  44. «В кораблекрушениях в Керченском проливе виновно государство» [O Estado é culpado dos naufrágios no estreito de Querche]. Oil Capital (em russo). 20 de fevereiro de 2008. Consultado em 11 de novembro de 2008. Arquivado do original em 11 de setembro de 2009 
  45. «триста сорок девятого (внеочередного) - заседания Совета Федерации» [349ª reunião (extraordinária) - Conselho da Federação] (PDF). Assembleia Federal da Federação Russa (em russo). 21 de março de 2014. pp. 12–13. Consultado em 1 de fevereiro de 2015 
  46. «Лавров: Керченский пролив больше не может являться предметом переговоров с Украиной» [Lavrov: Estreito de Querche não pode mais ser objeto de negociações com a Ucrânia]. TACC (em russo). 21 de março de 2014. Consultado em 21 de março de 2014 
  47. «Лужков присоединяет Крым к России» [Lujkov anexa a Crimeia à Rússia]. Kommersant (em russo). 8 de abril de 1999. Consultado em 25 de abril de 2009 
  48. «Russia to Build Bridge to Crimea». RIA Novosti (em inglês). 19 de março de 2014. Consultado em 22 de março de 2014. Arquivado do original em 22 de março de 2014 
  49. «Kerch Strait bridge to be built ahead of schedule – deputy minister». ITAR–TASS (em inglês). 19 de março de 2014. Consultado em 22 de março de 2014 
  50. «Ukraine-Russia sea clash: Who controls the territorial waters around Crimea?». BBC News (em inglês). 27 de novembro de 2018. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  51. «Statement of the Ministry of Foreign Affairs of Ukraine on the unlawful launch of the Kerch Strait bridge by the Russian Federation» (PDF). United Nations Documents (em inglês). 25 de maio de 2018. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  52. «United Nations General Assembly Resolution 74/17 "Problem of the militarization of the Autonomous Republic of Crimea and the city of Sevastopol, Ukraine, as well as parts of the Black Sea and the Sea of Azov"». United Nations Documents (em inglês). 13 de dezembro de 2019. Consultado em 18 de dezembro de 2019 
  53. «Киев считает противоправным введение РФ запрета на судоходство через Керченский пролив» [Kiev considera que a introdução de uma restrição de navegação no estreito de Querche pela Federação Russa é ilegal]. Interfax-Ukraine (em russo). 11 de agosto de 2017. Consultado em 28 de novembro de 2019 
  54. «200 бомб найдено в районе строительства моста через Керченский пролив» [200 bombas encontradas na área de construção da ponte sobre o estreito de Querche]. tvzvezda.ru (em russo). 1 de julho de 2015. Consultado em 13 de dezembro de 2017 
  55. «United Nations General Assembly Resolution 74/17 "Problem of the militarization of the Autonomous Republic of Crimea and the city of Sevastopol, Ukraine, as well as parts of the Black Sea and the Sea of Azov"». United Nations Documents (em inglês). 13 de dezembro de 2019. Consultado em 18 de dezembro de 2019 
  56. Goldman, Eleonora (28 de fevereiro de 2017). «Crimean bridge construction boosts dolphin population in Kerch Strait». Russia Beyond the Headlines (em inglês). Consultado em 10 de março de 2017 
  57. «Ukrainian scientist: Dolphins in the Black Sea are dying because of the construction of the Kerch Strait bridge and military exercises». UAWire.org (em inglês). 12 de julho de 2017. Consultado em 15 de maio de 2018 
  58. a b «Tension escalates after Russia seizes Ukraine naval ships». BBC News (em inglês). 26 de novembro de 2018. Consultado em 25 de novembro de 2018 
  59. «Bellingcat: Shooting of "Berdyansk" boat most likely took place in international waters» (em inglês). UNIAN. 1 de dezembro de 2018. Consultado em 14 de dezembro de 2018 
  60. «Russia-Ukraine sea clash in 300 words». BBC News (em inglês). 30 de novembro de 2018. Consultado em 12 de dezembro de 2018 
  61. Esch, Christian (4 de dezembro de 2018). «Russia Tries to Strangle Ukraine with New Maritime Strategy». Spiegel Online (em inglês). Consultado em 14 de dezembro de 2018 
  62. «Росія перекрила прохід цивільних суден через Керченську протоку» [Rússia bloqueia a passagem de navios civis pelo estreito de Querche]. Ukrayinska Pravda (em ucraniano). 25 de novembro de 2018. Consultado em 25 de novembro de 2018 
  63. «Ukraine accuses Russia of firing on its ships near Crimea». The Irish Times. 25 de novembro de 2018. Consultado em 6 de outubro de 2019 
  64. «О провокационных действиях кораблей ВМС Украины» [Sobre as ações provocatórias dos navios da Marinha da Ucrânia]. Serviço Federal de Segurança (em russo). 26 de novembro de 2018. Consultado em 28 de novembro de 2018 
  65. «У мережі показали координати місця атаки росіянами українських катерів» [A Internet mostrou as coordenadas do ataque russo a barcos ucranianos] (em ucraniano). UNIAN. 26 de novembro de 2018. Consultado em 28 de novembro de 2018 
  66. «Ships with Indian, Turkish crews catch fire in Kerch Strait». The Hindu Business Line (em inglês). Moscovo. 22 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de março de 2020 
  67. «6 Remain Missing After Black Sea Ship Fire». Voice of America (em inglês). Moscovo. 22 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de março de 2020. Arquivado do original em 23 de março de 2020 
  68. «Ships on fire in Black Sea are in Russia's territorial waters» (em inglês). TASS. 23 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de março de 2020 
  69. «Explosion sets ships ablaze off Crimea». BBC News (em inglês). 21 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de março de 2020 
  70. «Two ships catch fire in the Black Sea, leaving at least 14 sailors dead: Russian officials». National Post (em inglês). 21 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de março de 2020 
  71. «Fourteen dead after fire engulfs two gas tankers off Crimea». The Telegraph (em inglês). 22 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de março de 2020 
  72. a b MacFarquhar, Neil (21 de janeiro de 2019). «Explosion and Fire Off Crimea Kill 11 Sailors». The New York Times (em inglês). Moscovo. Consultado em 23 de março de 2020 
  73. «Two ships with Indian, Turkish crew catch fire in Kerch Strait, 14 dead; accident took place during fuel transfer». Firstpost (em inglês). 22 de janeiro de 2020. Consultado em 23 de março de 2020 
  74. «6 Indian sailors killed, 6 missing in ship accident off Russia». The Times of India (em inglês). 23 de janeiro de 2019. Consultado em 23 de março de 2020 
  75. a b «Ukraine protests against Russia's restrictions on freedom of navigation in Black Sea» (em inglês). Ukrinform. 15 de abril de 2021. Consultado em 15 de abril de 2021 
  76. Turecki, Kamil (18 de abril de 2021). «Rosjanie dokręcają śrubę, a świat się przygląda». Onet (em polaco). Consultado em 18 de abril de 2021 
  77. a b Moore, Mark (15 de abril de 2021). «Putin closes off access to Black Sea after Biden's about-face on Ukraine». New York Post (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2021 
  78. Channon, Max (15 de abril de 2021). «Reports Russia is closing Kerch Strait in Black Sea as Ukraine tensions escalate». Plymouth Herald (em inglês). Consultado em 15 de abril de 2021