Estremoz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Extremoz (município brasileiro).
Estremoz
Estremoz-FlickrCCby-PhillipC.jpg
Vista parcial de Estremoz e do seu castelo.

Brasão de Estremoz Bandeira de Estremoz

Localização de Estremoz

Gentílico Estremocense
Área 513,80 km²
População 12 683 hab. (2021)
Densidade populacional 24,7  hab./km²
N.º de freguesias 9
Presidente da
câmara municipal
José Sádio (PS, 2021-2025)
Fundação do município
(ou foral)
Vestígios romanos e islâmicos. Foral atribuído por D. Afonso II em 1258.
Região (NUTS II) Alentejo
Sub-região (NUTS III) Alentejo Central
Distrito Évora
Província Alto Alentejo
Orago Santa Maria e Santo André
Rainha Santa Isabel
Feriado municipal Quinta-feira de Ascensão
Código postal 7100
Sítio oficial CM Estremoz
Município de Portugal Flag of Portugal.svg

Estremoz é uma cidade portuguesa no distrito de Évora, na região do Alentejo, sub-região do Alentejo Central e com 7 890 habitantes (2021).[1]

Esta cidade é sede do município de Estremoz com 513,80 km² de área[2] e 12 683 habitantes (2021),[3][4] subdividido em nove freguesias.[5] O município é limitado a norte pelos municípios de Sousel e Fronteira, a nordeste por Monforte, a sueste por Borba, a sul pelo Redondo e a oeste por Évora e por Arraiolos.

É conhecida internacionalmente pelas suas jazidas de mármore branco, o chamado Mármore de Estremoz. A exploração do mármore de Estremoz tem uma origem muito antiga, como comprova o Templo romano de Évora, que contém mármore originário de Estremoz. Está também presente no altar-mor da Catedral de Évora.

A Estremoz foi concedida a distinção de «Notável Vila», atribuída pelos reis de Portugal a muitas das suas vilas; foi elevada à categoria de cidade em 1926.

Freguesias[editar | editar código-fonte]

Freguesias do município de Estremoz

Desde a reorganização administrativa de 2012/2013,[5] o município de Estremoz está dividido em 9 freguesias:

Geminações[editar | editar código-fonte]

Toponímia[editar | editar código-fonte]

A origem do topónimo «Estremoz» é incerta, porém, a sua antiguidade remonta já ao século XIII.[7] Num documento de 1258 refere-se já à localidade como Stremoz.[7]

Lenda etiológica[editar | editar código-fonte]

Na tradição popular portuguesa, há a lenda de que o nome «Estremoz» terá provindo de um campo de tremoceiros, no meio do qual um grupo de desterrados se teria refugiado, para pernoitar, tendo decidido, posteriormente, fixar-se naquele local.[8] Nalgumas versões da lenda, reza que os desterrados proviriam de Castelo Branco e que o episódio teria ocorrido no reinado de D. Afonso III.[9]

Noutras versões da lenda, esmiúça-se que se trataria de uma só família de desterrados, condenados injustamente, e que em vez de um campo de tremoceiros, só encontraram um único tremoceiro de grandes dimensões, onde se abrigar durante a noite.[10] Tendo sido confrontados na manhã seguinte, pelo dono das terras, que os pretendia escorraçar.[10] Sem embargo, conseguiram valer-se da força do seu bom carácter, para convencer o proprietário a que os deixasse lá ficar.[10]

Qualquer que seja a versão da lenda, todas desaguam num final comum, os desterrados acabam por fixar-se naquele lugar e por fundar uma povoação. Subsequentemente, pediram ao rei que lhes concedesse um foral e que no brasão figurassem as coisas que tinham primeiramente encontrado naquela terra: o sol, a lua, as estrelas e o tremoceiro.[8]

Sendo que o nome «Estremoz», nos conformes desta lenda popular, derivaria da palavra tremoço[8], nalgumas versões inclusive aventa-se que a versão medieval do nome da terra seria a palavra «Estremoços», num esforço apócrifo para estabelecer o nexo etimológico.[10]

História[editar | editar código-fonte]

Em 1336, a Rainha Santa Isabel, então com 65 anos, deslocou-se a Estremoz desde o convento franciscano em Coimbra onde se tinha recolhido após a morte de D. Dinis, seu marido, de modo a evitar uma guerra entre o seu filho Afonso IV e o rei de Castela Afonso XI. Afonso IV declarou guerra a Afonso XI pelos maus tratos que este infligia à sua esposa D. Maria (filha do rei português). A Rainha Santa Isabel colocou-se entre os dois exércitos desavindos, e de novo evitou a guerra tal como tinha acontecido em 1323 na batalha de Alvalade, entre as tropas de D. Dinis e as de D. Afonso IV. A enciclopédia do D.N. diz que a Rainha Santa faleceu nesta data.

Estremoz foi o local de falecimento do rei D. Pedro I, em 1367, no convento dos franciscanos.

Na crise de 1383-1385, foi uma das cidades que se revoltaram no Alentejo a favor de João de Aviz, pouco depois do assassínio do Conde de Andeiro em Lisboa. Foi nas proximidades de Estremoz que se deu a primeira batalha entre portugueses e castelhanos à época, a batalha dos Atoleiros, ganha pelos primeiros sob o comando de D. Nuno Álvares Pereira.

Em 1659, foi em Estremoz que o exército português se reuniu às ordens de D. António Luís de Meneses, conde de Cantanhede, para socorrer Elvas, que se encontrava cercada por um exército espanhol, comandado por D. Luís de Haro. De ali partiram para derrotar os espanhóis na Batalha das Linhas de Elvas, tendo causado enormes baixas aos seus adversários.

Em 1663 o exército espanhol, comandado por D. João de Áustria e o exército português, comandado pelos condes de Vila Flor e de Schomberg defrontaram-se nos campos de Ameixial a 5 km de Estremoz. O exército espanhol tinha acabado de conquistar Évora. Era constituído por 3000 cavaleiros e 2000 homens a pé, sendo este um dos mais perigosos ataques espanhóis durante a guerra da Restauração. Depois da batalha, o exército espanhol retirou para Badajoz.

Em Fevereiro de 1821, Mouzinho da Silveira foi encarregado da diligência de arrecadação da Fazenda em Estremoz.

Estremocenses ilustres[editar | editar código-fonte]

Evolução da População do Município[editar | editar código-fonte]

De acordo com os dados avançados pelo INE o distrito de Évora registou em 2021 um decréscimo populacional na ordem dos 8.5% relativamente aos resultados do censo de 2011. No concelho de Estemoz esse decréscimo rondou os 11.4%.

Número de habitantes ★ [12]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 2021
13 310 14 675 15 151 16 238 18 142 19 190 20 550 23 372 24 488 23 201 19 222 18 073 15 461 15 672 14 318 12 680

★ Número de habitantes "residentes", ou seja, que tinham a residência oficial neste município à data em que os censos se realizaram.

Número de habitantes por Grupo Etário ★★ [13]
1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 2021
0-14 Anos 4 744 5 915 5 969 6 610 7 057 6 253 5 109 4 175 3 435 2 333 2 099 1 666 1 448
15-24 Anos 3 248 3 105 3 581 4 263 4 446 4 844 3 922 2 380 2 394 2 069 1 870 1 426 1 136
25-64 Anos 7 589 7 807 8 276 9 291 10 299 11 500 12 205 10 155 9 146 7 848 7 670 7 144 6 413
= ou > 65 Anos 990 1 077 1 012 1 205 1 468 1 716 1 965 2 340 3 098 3 211 4 033 4 082 3 683

★★ De 1900 a 1950 os dados referem-se à população "de facto", ou seja, que estava presente no município à data em que os censos se realizaram. Daí que se registem algumas diferenças relativamente à designada população residente)

Política[editar | editar código-fonte]

Eleições autárquicas [14][editar | editar código-fonte]

Data % V % V % V % V % V % V % V % V % V % V % V % V % V % V % V Participação
FEPU/APU/CDU CDS-PP PS AD UDP/BE PPD/PSD PPM PCTP/MRPP IND PSD/CDS CH NC MPT A RIR
1976 38,90 3 31,31 2 25,24 2
70,41 / 100,00
1979 48,92 4 AD 9,64 - 38,04 3 1,09 - AD AD
81,25 / 100,00
1982 45,41 4 17,76 1 32,22 2
75,54 / 100,00
1985 45,87 3 49,70 4
70,01 / 100,00
1989 27,60 2 39,27 3 28,88 2
67,32 / 100,00
1993 34,94 3 4,05 - 23,56 2 33,33 2
67,83 / 100,00
1997 42,92 4 1,76 - 20,98 1 26,60 2 2,95 -
66,17 / 100,00
2001 38,32 3 2,84 - 26,59 2 2,78 - 25,35 2
62,34 / 100,00
2005 33,24 3 2,28 - 34,11 3 1,38 - 19,54 1 5,22 -
62,38 / 100,00
2009 10,43 - 1,82 - 32,09 3 1,26 - 10,96 1 40,03 3
67,37 / 100,00
2013 8,46 - 1,33 - 28,20 2 5,12 - 51,35 5
60,06 / 100,00
2017 8,62 - PPD/PSD 31,72 3 CDS-PP 48,25 4 6,71 -
60,14 / 100,00
2021 7,69 - AD 35,32 3 9,23 1 AD AD 33,19 3 4,80 - 4,70 - 2,06 - MPT MPT
59,35 / 100,00

Eleições legislativas[editar | editar código-fonte]

Data %
PS PCP CDS PSD UDP APU/

CDU

AD FRS PRD PSN B.E. PAN PàF L CH IL
1976 36,14 29,81 11,84 11,07 2,45
1979 17,80 APU AD AD 2,19 39,13 33,80
1980 FRS 1,30 36,62 36,69 19,14
1983 23,68 6,44 24,55 0,98 39,09
1985 12,56 4,18 26,38 1,11 29,94 19,03
1987 14,56 CDU 3,07 41,42 0,65 24,04 9,37
1991 24,22 3,25 45,36 16,40 1,03 1,56
1995 43,55 7,18 26,86 0,85 16,76
1999 47,44 6,12 24,88 15,56 0,27 1,37
2002 42,91 5,44 32,34 13,56 1,87
2005 51,36 4,88 22,15 12,91 4,23
2009 36,21 7,79 26,03 13,66 9,59
2011 30,96 10,18 34,24 13,25 4,03 0,75
2015 38,90 PàF PàF 12,99 8,77 0,73 31,38 0,26
2019 40,66 3,84 22,51 10,25 8,92 1,85 0,49 3,32 0,54

Património classificado[editar | editar código-fonte]

Monumentos Nacionais

Lista de monumentos:[15]

Imóveis de Interesse Público[editar | editar código-fonte]

Lista de imóveis de interesse público:[16]

Imóveis de Interesse Municipal[editar | editar código-fonte]

Lista de imóveis de interesse municipal:[17]

Património não classificado[editar | editar código-fonte]

Lista de patrimônios não classificados:[18][19]

Museus e outras Instituições Culturais[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

  • Escola Básica do 1º Ciclo nº1 de Estremoz
  • Escola Básica do 1º Ciclo nº2 de Estremoz
  • Escola Básica do 1º Ciclo de São Bento do Cortiço
  • Escola Básica do 1º Ciclo de Veiros
  • Escola Básica do 1º Ciclo da Glória
  • Escola Básica 2,3 Sebastião da Gama
  • Escola Secundária/3 da Rainha Santa Isabel de Estremoz
  • Escola Profissional da Região Alentejo - Pólo de Estremoz
  • Centro de Formação Novas Oportunidades de Estremoz
  • Agrupamento de Escolas de Estremoz
  • Externato Rainha Santa Isabel de Estremoz (Creche, Pré-Escolar e 1º Ciclo)

Associações Culturais, Artísticas e Desportivas[editar | editar código-fonte]

Lista de associações culturais, artísticas e desportivas:[20][21]

  • Sociedade Filarmónica Artística Estremocense
  • Sociedade Recreativa Popular Estremocense
  • IAC - Associação Internacional da Consciência
  • Liga dos Combatentes - Sub-agência de Estremoz
  • LACE - Liga dos Amigos do Castelo de Évora Monte
  • Sociedade Filarmónica Lusitana de Estremoz
  • ETMOZ - Associação Etnográfica e Cultural de Estremoz
  • Grupo de Recriação Histórica "al-Morabitun"
  • Sociedade Histórica "MINERARTE"
  • Clube de Futebol de Estremoz
  • Moto-club de Estremoz
  • Clube Amador de Pesca Desportiva de Estremoz
  • Grupo "O Pedal"
  • ARCA - Associação Recreativa e Cultural de Arcos
  • Associação Cultura, Desportiva e Recreativa de Evoramonte
  • Associação Desportiva e Cultural de S. Domingos
  • Associação Filatélica Alentejana
  • GINARTE - Associação Cultural e Desportiva de Estremoz
  • Grupo Folclórico "A Convenção" de Evoramonte
  • Orfeão de Estremoz Tomaz Alcaide
  • Rancho Folclórico "As Azeitoneiras" de São Bento do Cortiço
  • Rancho Folclórico "Rosas de Maio", de Veiros
  • Sociedade Filarmónica Veirense
  • AJES - Associação Juvenil de Estremoz

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • MENDEIROS, José Filipe, Património Religioso de Estremoz, edição da Câmara Municipal de Estremoz, 2001, ISBN 972-9700-1-5
  • CRESPO, Marques, Estremoz e o seu termo municipal, editora Tipografia Brados do Alentejo, Estremoz, 1950
  • ESPANCA, Túlio, Inventário Artístico do Distrito de Évora, I, Zona Norte, págs 61-273
  • Idem, Real Convento de Estremoz", in "A Cidade de Évora nº57, 1974
  • COSTA, Mário Alberto Nunes Costa, Breve Recompilação… da Fundação, Antiguidade e Excelência de Estremoz, Coimbra, 1994
  • BELÉM, Fr. Jerónimo de, Chronica Serafica da Santa Província dos Algarves, I, 1750
  • FONSECA, Teresa, António Henriques da Silveira e as "Memórias analíticas da vila de Estremoz", Município de Estremoz, 2003
  • Estremoz Marca, edição da Câmara Municipal de Estremoz, 2008.

Referências

  1. INE (2013). Anuário Estatístico da Região Alentejo 2012. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística. p. 32. ISBN 978-989-25-0214-4. ISSN 0872-5063. Consultado em 5 de maio de 2014 
  2. Instituto Geográfico Português (2013). «Áreas das freguesias, municípios e distritos/ilhas da CAOP 2013». Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2013. Direção-Geral do Território. Consultado em 28 de novembro de 2013. Arquivado do original (XLS-ZIP) em 9 de dezembro de 2013 
  3. INE (2012). Censos 2011 Resultados Definitivos – Região Alentejo. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística. p. 98. ISBN 978-989-25-0182-6. ISSN 0872-6493. Consultado em 27 de julho de 2013 
  4. INE (2012). «Quadros de apuramento por freguesia» (XLSX-ZIP). Censos 2011 (resultados definitivos). Tabelas anexas à publicação oficial; informação no separador "Q101_ALENTEJO". Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 27 de julho de 2013 
  5. a b Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro: Reorganização administrativa do território das freguesias. Anexo I. Diário da República, 1.ª Série, n.º 19, Suplemento, de 28/01/2013.
  6. «Feira Internacional Ganadeira de Zafra comemora dia de Portugal – Estremoz». Metro News. Metronews.com.pt. Consultado em 20 de Março de 2011 
  7. a b Infopédia. «Estremoz | Dicionário Infopédia de Toponímia». infopedia.pt - Porto Editora. Consultado em 5 de janeiro de 2023 
  8. a b c Soeiro, Ana (2001). Produtos Tradicionais Portugueses vol. III. Lisboa: Direcção-Geral do Desenvolvimento Rural. p. 237. 337 páginas. ISBN 972-9175-96-9 
  9. Godinho, Vitorino (1995). Lendas e Outras Histórias. Estremoz: Escola Profissional da Região Alentejo. 92 páginas 
  10. a b c d Infopédia. «Lenda dos Estremoços - Infopédia». infopedia.pt - Porto Editora. Consultado em 5 de janeiro de 2023 
  11. «Nomes de Estremoz». Estremoz debate. Estremozdebate.weebly.com. Consultado em 3 de março de 2011. Arquivado do original em 22 de março de 2009 
  12. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  13. INE - http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=censos_quadros
  14. «Concelho de Estremoz : Autárquicas Resultados 2021 : Dossier : Grupo Marktest - Grupo Marktest - Estudos de Mercado, Audiências, Marketing Research, Media». www.marktest.com. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  15. «Página do SIPA (Sistema de Informação para o Património Arquitectónico)». Monumentos.pt 
  16. «Relação de imóveis classificados de "Interesse Público" (página oficial do Município de Estremoz)». Cm-estremoz.pt 
  17. «Relação de imóveis classificados de "Interesse Municipal" (página oficial do Município de Estremoz)». Cm-estremoz.pt 
  18. «Lista de Património não classificado (página oficial do Município de Estremoz)». Cm-estremoz.pt 
  19. «FUNDIS (Fundos Documentais de Instituições do Sul) do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora». Fundis.cidehus.uevora.pt 
  20. «Associativismo Cultural (página oficial do Município de Estremoz)». Cm-estremoz.pt 
  21. «Lista de Associações das "Páginas Amarelas" da PT comunicações». Pai.pt 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Estremoz