Estudo Op. 10, nº. 1 (Chopin)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Trecho do Estudo Op. 10, Nº. 1.

O Estudo Opus 10, nº.1 em dó maior, composto por Frédéric Chopin, é um estudo técnico com arpejos para piano, apelidado de "Estudo Queda d'água" ("La cascade"). Foi composto em 1829 e publicado pela primeira vez em 1833, na França[1], Alemanha[2], e Inglaterra[3] como a primeira peça de seus Estudos Op. 10. Este estudo, em termos de alcance e arpejos, foca no alongamento dos dedos da mão direita. O crítico de música americano James Huneker (1857-1921) comparou o "charme hipnótico" de tais "vertiginosas ascendências e exercício de descidas para os olhos e também ouvidos" à escada assustadora de um das gravuras de Giovanni Battista Piranesi[4]. O pianista virtuoso Vladimir Horowitz, que recusou tocar este estudo em público, relatou: "Para mim, o (estudo) mais difícil de todos é o primeiro, em dó maior, Op. 10 nº. 1".[5]

Estrutura e traços estilísticos[editar | editar código-fonte]

Comparação do Prelúdio Nº.1 em dó maior (BWV 846) de Bach’s com o Estudo Op. 10, Nº. 1 de Chopin

O estudo, como todos os outros de Chopin, é em forma ternária (A-B-A), recapitulando o início. A primeira parte da seção central introduz o cromatismo na melodia em oitavas, da mão esquerda, enquanto a segunda modula (muda de tonalidade) para a recapitulação em dó maior por meio de um círculo de quintas estendido.

James Huneker declara que Chopin desejava começar a "exposição de seu maravilhoso sistema técnico" com uma "padronização esquematizada" e compara o estudo a uma "árvore descascada".[6]

A harmonia do estudo lembra um coral e sua relação com o Prelúdio n.º 1 em dó maior de Bach (BWV 846) do Cravo Bem Temperado é notável, entre outras, pelo musicologista Hugo Leichtentritt (1874-1951)[7].

Um exemplo imaginário das harmonias de Chopin com a configuração de Bach e vice-versa é dado pelo musicologista britânico Jim Samson (nascido em 1946)[8]. Uma redução harmônica ("melodia-base") da obra pode ser achada na Escola de Prática Composicional de Czerny.[9]

A peça deve ser executada em um tempo Allegro. A marcação do metrônomo de Chopin, dadas nas fontas ogirinais, é de 176 MM (escala do metrônomo de Mälzel), referindo-se às semínimas. A marcação de tempo se dá de acordo com as primeiras edições francesa, inglesa e alemã.[10] Uma cópia autografada por Chopin, de Józef Linowski, declara sê-lo binário (alla breve).[11] Um tempo mais lento (MM 152) foi sugerido por editores posteriores como Hans von Bülow que temia que a MM 176 " o majestoso esplendor [seria] comprometido".[12] No entanto, não há indicação de tempo Maestoso por Chopin. Ao contrário do estudo nº. 4 da Opus 10, que alcança ƒƒƒ, este permaneçe em ƒ na peça inteira e chega a ƒƒ. Ambos arpejos da mão direita e oitavas da mão esquerda são, ao todo, tocadas legato.

Executado por Martha Goldstein em um Erard (1851)

Executado por Kristian Cvetkovic

Executado por Carlos Gardel. Cortesia de Musopen

Problemas para escutar estes arquivos? Veja a ajuda.

Dificuldades técnicas[editar | editar código-fonte]

Friederike Müller-Streicher(1816-1895), aluno de Chopin, cita-o:

"Deves beneficiar-te deste Estudo. Se aprenderes de acordo com minhas instruções, enlarguecer-te-á a mão e possibilitar-te-á executar arpejos como o soar do arco em um violino. Infelizmente, ao invés de ensinar, este usualmente desconstrói tudo o que se aprendera."

Em um artigo do NZM (Neue Zeitschrift für Musik, Novo Periódico de Música) de Schumann em Pianoforte-Estudos, NZM (1836), o estudo é classificado pela categoria "alogamentos: mão direita" (Spannungen. Rechte Hand). A inovação deste estudo é seus amplos arpejos na mão direita em semínimas.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. ("French edition"). Paris: M. Schlesinger, June 1833.
  2. ("German edition"). Leipzig: Fr. Kistner, August 1833 .
  3. ("English edition"). London: Wessel & Co, August 1833.
  4. Huneker, James. "The Studies—Titanic Experiments." In Chopin: The Man and His Music. New York: Charles Scribner's Sons, 1900.
  5. Dubal, David. Evenings with Horowitz. Amadeus Press, 2004
  6. Huneker, James. "The Studies—Titanic Experiments." In Chopin: The Man and His Music. New York: Charles Scribner's Sons, 1900.
  7. Leichtentritt, Hugo. "Die Etüden." In Analyse der Chopin’schen Klavierwerke [Analysis of Chopin’s Piano Works]. Band II. Berlin: Max Hesses Verlag, 1922.
  8. Samson, Jim. "Baroque reflections." In The Music of Chopin. London: Routledge and Kegan Paul, 1985.
  9. Czerny, Carl. School of Practical Composition London: R. Cocks & Co., [1848]; Reprint, New York: Da Capo Press, 1979.
  10. Palmer, W: Chopin Etudes for the Piano, Alfred Publishing Co., Inc., 1992, p. 29.
  11. Ekier, Jan, ed. (National Edition). "Source Commentary." Chopin Etudes. Warsaw: Polskie Wydawnictwo Muzyczne, 1999.
  12. Huneker, James. "The Studies—Titanic Experiments." In Chopin: The Man and His Music. New York: Charles Scribner's Sons, 1900.

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal da Música Erudita