Estudos da Tradução

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Estudos de tradução)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Setembro de 2017). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Estudos de tradução é um campo disciplinar que contém elementos das Ciências Sociais e humanidades, que lida com o estudo sistemático da teoria, da descrição e da aplicação da tradução e da interpretação.

Os Estúdios De tradução podem ser normativos (estabelecendo regras para a aplicação destas actividades) ou descritivos; um acadêmico de tradução que insistiu sobre esta última abordagem foi Antoine Berman.

Os Estúdios De tradução vão buscar muito aos diferentes campos de estudo que apoiam a tradução. Estes incluem a literatura comparada, a informática, a história, a linguística, a filologia, a filosofia, a semiótica, a terminologia, entre outros.

O termo Estúdios De tradução foram sistematizados por James Stratton Holmes, professor de uma escola em Amsterdam em sua carta "the Name and Nature of translation Studies" (O Nome e a Natureza dos Estúdios De tradução), considerado fundamental para a disciplina.

História[editar | editar código-fonte]

Estudos Preliminars[editar | editar código-fonte]

Historicamente, os Estúdios De tradução foram prescritivos (diz ao tradutor como traduzir), ao ponto de discutir se as traduções não prescritivas não serem tradução. Quando os historiadores dos Estúdios De tradução traçaram o mais antigo pensamento ocidental sobre a tradução, por exemplo, mais frequentemente põem como início os comentários de Cícero sobre como traduzir do grego para o latim melhoraria suas habilidades orais—um caso mais antigo foi a tradução de São Jerônimo da Bíblia que foi chamada de sentido por sentido.—presumidamente por causa disso não se diz ao tradutor como traduzir. Na China, essa discussão surgiu na tradução dos sutras budistas durante a dinastia de Han.

Escolas de pensamento[editar | editar código-fonte]

As principais escolas de pensamento no nível da pesquisa tendem a se agrupar em torno de conceitos teóricos chave, muitos dos quais se tornaram objeto de debate.

Estudos Descritivos da tradução[editar | editar código-fonte]

Os Estudos Descritivos da tradução (termo criado no livro de 1995, Descriptive translation Studies and Beyond, de toury) objetivam construir uma disciplina empírica descritiva, para preencher uma seção do mapa de Holmes. A ideia de que a metodologia científica poderia ser aplicável a produtos culturais foi desenvolvida pelos formalistas russos nos primeiros anos do século XX e recuperada por vários pesquisadores da literatura comparada. Aplica-se atualmente à tradução literária. Parte dessa aplicação foi a teoria dos polissistemas (Even-Zohar, 1990[1]), em que a literatura traduzida é vista como um subsistema do sistema literário receptor ou alvo. Gideon toury baseia sua teoria na necessidade de considerar as traduções "fatos da cultura-alvo" para fins de pesquisa. Os conceitos de "manipulação" e "patronagem" também foram desenvolvidos em relação às traduções literárias.

teoria dos Polissistemas[editar | editar código-fonte]

A teoria dos Polissistemas, conforme mencionado anteriormente, foi elaborada por Itamar Even-Zohar, e analisa um compilado de informações sobre traduções literárias ao longo da história. Este, portanto, permite descrever os fenômenos e comportamentos pelos quais todo processo tradutório se fundamenta. A partir da análise das regularidades do texto traduzido, é possível descrever normas que estão enquadradas dentro de um sistema múltiplo, ou seja, um sistema que se inter-relaciona com outros.

Outro autor que se enquadra nessa perspectiva é Gideon toury, cujo principal campo de pesquisa é o estudo de tais normas que direcionam à atividade tradutória. Para este autor, o conceito de normas não necessariamente impõe uma ordem ou lei ao tradutor. Sendo assim, o processo tradutório ocorre dentro de um polissistema, já que cada língua possui seu próprio sistema, embora todas estejam hierarquizadas em uma estrutura mais ampla. Isto é, as normas/leis estão enquadradas em um sistema que permite ao tradutor tomar determinada decisão ao realizar sua translação conforme o meio linguístico e as regras que a gramática impõe à língua. toury baseou-se na teoria dos polissistemas para explicar a conduta e o desempenho também dentro dos sistemas literários. Investigou características que diferem um texto traduzido de outros em língua fonte ou meta. Even-Zohar, por sua vez, retoma Jakobson para afirmar que é possível fazer diferentes tipos de leituras do texto traduzido, porque estamos inseridos em sistemas sociais distintos, já que cada um deles tem suas formas de hierarquizar as normas tanto linguísticas quanto culturais, sociais, econômicas etc. O teórico queria entender como um texto traduzido circula em um sistema e qual a sua função dentro dele. Diante disso, toury se interessa por esse questionamento e considera que o texto traduzido somente circula na sociedade de chegada, ou seja, o que foi um dia um texto na língua de partida NÃO importa para a cultura de chegada, uma vez que não será reconhecido por seus leitores. A função que esse texto tem é fornecer mensagens, informações, estruturas literárias, de uma comunidade a outra, de forma a ampliar os conceitos, enriquecer construções narrativas, por exemplo, ou mesmo apresentar possíveis novas formas de compreensão de um texto. Ainda dentro dessa teoria, cada sistema compõe-se de um conjunto de fenômenos que, por sua vez, se constitui a partir de redes de relações que estabelece entre si. Even-Zohar fundamenta que o objetivo maior de uma tradução é conseguir transformar o sistema em um repertório.

Estudos Culturais[editar | editar código-fonte]

A tradução cultural é um conceito usado em estudos culturais para denotar o processo de transformação, linguístico ou outro, numa dada cultura. O conceito utiliza a tradução linguística como ferramenta ou metáfora na análise da natureza das transformações nas culturas. Nesta ótica, a etnografia é considerada uma narrativa traduzida de uma cultura viva e abstrata. Essa preocupação em transpor um texto a outra cultura vem desde a Antiguidade, quando Cícero escreve:

O conceito de tradução cultural decorre, em grande parte, da leitura de Homi Bhabha de Salman Rushdie em the Location of Culture. tradução cultural é, então, um conceito usado para denotar o processo de transformação, linguística ou não, em uma dada cultura. O conceito usa a tradução linguística como uma ferramenta ou metáfora na análise da natureza da transformação e do intercâmbio nas culturas. "No entanto, apesar do fato de que a tradução aproxima as culturas, em cada ato tradutório, haverá uma alteração definitiva entre as culturas".

teoria do Skopos[editar | editar código-fonte]

Outra mudança de paradigma na teoria da tradução pode ser datada de 1984 na Europa. Naquele ano, a publicação de dois livros em alemão: Foundation for a General theory of translation por Katharina Ress (também escrito Reiß) e Hans Vermeer e translation Action (translatorisches Handeln) por Justa Holz-Mänttäri. Desses dois veio o que é conhecido como teoria do Skopos, que dá prioridade ao propósito a ser cumprido pela tradução em vez de priorizar a "equivalência".

Campos de Investigação[editar | editar código-fonte]

História da tradução[editar | editar código-fonte]

A história da tradução diz respeito ao desenvolvimento ao longo do tempo de como os tradutores se organizaram como um grupo profissional e social; e, da mesma forma, à história das traduções como indicadores da maneira como as culturas se organizam, interagem e podem acabar. Alguns princípios para a história da tradução foram propostos por Lieven D'hulst e Pym. Seus principais projetos incluíram a Oxford History of Literary translation e a Histoire des traductions. Antologias históricas de teorias de tradução foram compiladas por Robinson (2002) para as teorias ocidentais até Nietzsche; por D'hulst (1990) para as teorias francesas, 1748-1847; por Santoyo (1987) para a tradição espanhola; por Edward Balcerzan (1977) para a experiência polonesa, 1440–1974; e por Cheung (2006) para o chinês.

Sociologias da tradução[editar | editar código-fonte]

A sociologia da tradução inclui o estudo de quem são os tradutores, quais são suas formas de trabalho (estudos sobre os locais de trabalho) e quais dados sobre tradução refletem o movimento de ideias de um idioma a outro.

Estúdios De tradução pós-colonial[editar | editar código-fonte]

Os estudos pós-coloniais analisam traduções entre a metrópole e suas ex-colônias, ou mesmo dentro de ex-colônias complexas. Eles questionam radicalmente a suposição de que a tradução ocorre entre culturas e idiomas que são radicalmente separados.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referencias

  • Bachmann-Medick, Doris (2009). Translational Turn, in: Doris Bachmann-Medick, Cultural Turns. Neuorientierungen in den Kulturwissenschaften. 3rd. ed. Reinbek: Rowohlt, 238-283.
  • Bachmann-Medick, Doris ed. (2009). The Translational Turn. (=Special Issue of 'Translation Studies' vol. 2, issue 1)
  • Baker, Mona ed. (2001). Routledge Encyclopedia of Translation Studies. New York & London: Routledge.
  • Baker, Mona (1992). In Other Words: Coursebook on Translation. New York & London: Routledge.
  • Bassnett, Susan (1980; revised 1991; 2002). Translation Studies.
  • Benjamin, Walter (1923). The Task of the Translator, introduction to Benjamin's translation of Fleurs du Mal.
  • Berman, Antoine (1984). L’Épreuve de l’étranger, Paris, Gallimard.
  • Berman, Antoine et al. (1985). Les Tours de Babel, Essais sur la traduction, Mauvezin, T.E.R., 1985
  • Catford, J.C., (1965). A Linguistic Theory of Translation. London.
  • Gentzler, Edwin (2001). Contemporary Translation Theories. 2nd Ed. London & New York: Routledge
  • Holmes, James S. (1972/1988). The Name and Nature of Translation Studies. In: James S. Holmes, Translated! Papers on Literary Translation and Translation Studies, Amsterdam: Rodopi, pp. 67–80.
  • Levy, Jiři (1967). Translation as a Decision Process. In To Honor Roman Jakobson. The Hague: Mouton, II, pp. 1171–1182.
  • Levy, Jiři (1969). Die literarische Übersetzung: Theorie einer Kunstgattung. Frankfurt am Main-Bonn.
  • Mounin, George (1963). Les problèmes théoriques de la traduction. Paris.
  • Newmark, Peter (1988). A Textbook of Translation, New York & London: Prentice Hall.
  • Reiss, Katharina (1989). Text Types, Translation Types and Translation Assessment. In: Chesterman, Andrew (ed.) (1989). Readings in Translation Theory. Helsinki: Oy Finn Lectura Ab.
  • Toury, Gideon (1995). Descriptive Translation Studies and beyond. Amsterdam / Philadelphia: John Benjamins.
  • Steiner, George (1975). After Babel. Oxford University Press
  • Venuti, Lawrence (1995). The Translator's Invisibility: A History of Translation. London & New York: Routledge (Read full version here)
  • Vermeer, Hans J./Reiß, Katharina: Grundlegung einer allgemeinen Translationstheorie. Niemeyer, Tübingen 1984, ISBN 3-484-30147-3.
  • Translation Studies. An International Peer-reviewed Journal. Vol. 1,1 2008 and Vol. 1,2 2008. London: Routledge.
  • Even-Zohar, I. (1990b) "Polysystem theory," Poetics Today 11(1): 9-26 LINK
  1. Even-Zohar, I. (1990b) "Polysystem theory," Poetics Today 11(1): 9-26 LINK