Eta Antliae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
η Antliae
Dados observacionais (J2000)
Constelação Antlia
Asc. reta 09h 58m 52,3s[1]
Declinação -35° 53′ 27,5″[1]
Magnitude aparente 5,222[2]
Características
Tipo espectral F1 V[3]
Cor (U-B) +0,068[2]
Cor (B-V) +0,333[2]
Astrometria
Velocidade radial 30 km/s[1]
Mov. próprio (AR) -89,65 mas/a[1]
Mov. próprio (DEC) -17,23 mas/a[1]
Paralaxe 30,02 ± 0,24 mas[1]
Distância 108,6 ± 0,9 anos-luz
33,3 ± 0,3 pc
Magnitude absoluta 2,66
Detalhes
Massa 1,55[4] M
Gravidade superficial 3,94 (log g)[3]
Luminosidade 6,6[4] L
Temperatura 7 ,132[3] K
Metalicidade [Fe/H] –0,20[3]
Idade 900 milhões[4] de anos
Outras denominações
CD–35 6050, FK5 377, HD 86629, HIP 48926, HR 3947, SAO 200926.[1]
Eta Antliae
Antlia constellation map.png

Eta Antliae (η Ant, η Antliae) é uma estrela dupla na constelação de Antlia. A estrela mais brilhante tem uma magnitude aparente de 5,222,[2] sendo visível a olho nu em boas condições de visualização. Medições de paralaxe mostram que o sistema está a cerca de 108,6 anos-luz (33,3 parsecs) da Terra.[1]

O componente principal tem uma classificação estelar de F1 V,[3] o que indica que é uma estrela de classe F da sequência principal. Tem 55% mais massa que o Sol.[4] Brilha com uma luminosidade 6,6 vezes maior que a do Sol[4] a uma temperatura efetiva de 7 132 K.[3] Essa temperatura dá à estrela uma coloração branco-amarela típica de estrelas de classe F.[5] A 31 segundos de arco de distância está o segundo componente, com uma magnitude aparente de 11,3. O par provavelmente forma um sistema estelar binário.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h «SIMBAD query result - eta Ant». Simbad (em inglês). Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 20 de agosto de 2012 
  2. a b c d Gutierrez-Moreno, Adelina; et al. (1966), A System of photometric standards, 1, Publicaciones Universidad de Chile, Department de Astronomy, pp. 1–17, Bibcode:1966PDAUC...1....1G. 
  3. a b c d e f Gray, R. O.; et al. (julho de 2006), «Contributions to the Nearby Stars (NStars) Project: spectroscopy of stars earlier than M0 within 40 pc-The Southern Sample», The Astronomical Journal, 132 (1): 161–170, Bibcode:2006AJ....132..161G, arXiv:astro-ph/0603770Acessível livremente, doi:10.1086/504637. 
  4. a b c d e Mallik, Sushma V.; Parthasarathy, M.; Pati, A. K. (outubro de 2003), «Lithium and rotation in F and G dwarfs and subgiants», Astronomy and Astrophysics, 409: 251–261, Bibcode:2003A&A...409..251M, doi:10.1051/0004-6361:20031084. 
  5. «The Colour of Stars», Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation, Australia Telescope, Outreach and Education, 21 de dezembro de 2004, consultado em 16 de janeiro de 2012. 
  6. Eggleton, P. P.; Tokovinin, A. A. (setembro de 2008), «A catalogue of multiplicity among bright stellar systems», Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, 389 (2): 869–879, Bibcode:2008MNRAS.389..869E, arXiv:0806.2878Acessível livremente, doi:10.1111/j.1365-2966.2008.13596.x. 
Ícone de esboço Este artigo sobre Estrelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.