Eta Muscae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
η Muscae
Dados observacionais (J2000)
Constelação Musca
Asc. reta 13h 15m 14,9s[1]
Declinação -67° 53′ 40,5″[1]
Magnitude aparente 4,774[1]
Características
Tipo espectral B8 V[1]
Cor (U-B) -0,34[2]
Cor (B-V) -0,08[2]
Astrometria
η Muscae A
Velocidade radial -8 km/s[1]
Mov. próprio (AR) -36,46 mas/a[1]
Mov. próprio (DEC) -11,36 mas/a[1]
Paralaxe 8,52 ± 0,19 mas[1]
Distância 383 ± 9 anos-luz
117 ± 3 pc
Magnitude absoluta -0,57
η Muscae B
Mov. próprio (AR) -30,949 ± 0,046 mas/a[3]
Mov. próprio (DEC) -11,420 ± 0,051 mas/a[3]
Paralaxe 8,6768 ± 0,0323 mas[3]
Distância 375,9 ± 1,4 anos-luz
115,25 ± 0,43 pc
Detalhes
Massa 3,30 / 3,29[4] M
Raio 2,14 / 2,13[4] R
Gravidade superficial log g: 4,293 / 4,298 cgs[4]
Luminosidade 107 / 100[4] L
Temperatura 12 700 / 12 550[4] K
η Muscae C
Massa 0,88[4] M
Temperatura 4 900[4] K
Outras denominações
CPD-67 2224, FK5 493, HR 4993, HD 114911, HIP 64661, SAO 252224.[1]
Eta Muscae
Musca constellation map.png

Eta Muscae (η Muscae, η Mus) é uma estrela múltipla na constelação de Musca. Tem uma magnitude aparente de 4,774,[1] sendo visível a olho nu em boas condições de visualização. Com base em medições de paralaxe, está localizada a aproximadamente 383 anos-luz (117 parsecs) da Terra.[1]

As duas principais estrelas do sistema, denominadas Eta Muscae A, formam uma binária eclipsante com um tipo espectral de B8 V.[2] Estão separadas por 14,11 vezes o raio solar e têm uma órbita quase circular com uma excentricidade de 0,0016 e período de 2,396 dias.[4] São estrelas quase idênticas com massa de 3,30 e 3,29 massas solares e raio de 2,14 e 2,13 raios solares. Emitem 107 e 100 vezes mais luminosidade que o Sol a uma temperatura efetiva de 12 700 e 12 550 K,[4] que lhes dá a coloração azul-branca típica de estrelas de classe B.[5]

A uma distância angular de 60 segundos de arco está Eta Muscae B,[4] uma estrela de magnitude aparente 7,3 e classe espectral A1, que apresenta quantidades anormais dos elementos estrôncio, crômio e európio.[6] Apesar de sua velocidade radial parecer indicar que não está gravitacionalmente ligada a Eta Muscae A,[4] sua paralaxe e movimento próprio, medidos com precisão pela sonda Gaia, são aproximadamente iguais ao do par primário.[3] A 2,71 segundos de arco do componente primário está Eta Muscae C, uma estrela de magnitude 10 da pré-sequência principal com massa de 0,88 massas solares e temperatura efetiva de 4 900 K.[2][4] Não se sabe se esta estrela está relacionada gravitacionalmente à binária.[4] Por outro lado, de acordo com Eggleton et al. (2008), as duas estrelas estão ligadas a Eta Muscae A.[7] Se esse for o caso, Eta Muscae B e C têm um período orbital de 200 mil e 3 mil anos, respectivamente.[2]

Eta Muscae provavelmente pertence ao subgrupo Centaurus-Crux Inferior da Associação Scorpius–Centaurus, a associação OB mais próxima do Sol.[2][8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k «SIMBAD query result - eta Mus». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 2 de março de 2014. 
  2. a b c d e f Butland, R. J.; Budding, E (novembro de 2011). «Another component in the multiple system eta Mus». Information Bulletin on Variable Stars. 6004. Bibcode:2011IBVS.6004....1B 
  3. a b c d Gaia Collaboration: Brown, A. G. A.; Vallenari, A.; Prusti, T.; de Bruijne, J. H. J.; et al. (2018). «Gaia Data Release 2. Summary of the contents and survey properties». Astronomy & Astrophysics. 616: A1, 22 pp. Bibcode:2018A&A...616A...1G. arXiv:1804.09365Acessível livremente. doi:10.1051/0004-6361/201833051.  Catálogo Vizier
  4. a b c d e f g h i j k l m Bakış, V.; Bakış, H.; Eker, Z.; Demircan, O (dezembro de 2007). «η Muscae: a young detached binary with two identical components». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 382 (2). pp. pp. 609–620. Bibcode:2007MNRAS.382..609B. doi:10.1111/j.1365-2966.2007.12287.x 
  5. «The Colour of Stars», Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation, Australia Telescope, Outreach and Education, 21 de dezembro de 2004, consultado em 3 de março de 2014. 
  6. Renson, P.; Manfroid, J (maio de 2009). «Catalogue of Ap, HgMn and Am stars». Astronomy and Astrophysics. 498 (3). pp. pp. 961–966. Bibcode:2009A&A...498..961R. doi:10.1051/0004-6361/200810788 
  7. Eggleton, P. P.; Tokovinin, A. A. (setembro de 2008), «A catalogue of multiplicity among bright stellar systems», Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, 389 (2): 869–879, Bibcode:2008MNRAS.389..869E, arXiv:0806.2878Acessível livremente, doi:10.1111/j.1365-2966.2008.13596.x. 
  8. Chen, Christine H.; Pecaut, Mark; Mamajek, Eric E.; Su, Kate Y. L.; Bitner, Martin (setembro de 2012). «A Spitzer MIPS Study of 2.5-2.0 M ⊙ Stars in Scorpius-Centaurus». The Astrophysical Journal. 756 (2). pp. artigo 133, 24 pp. Bibcode:2012ApJ...756..133C. doi:10.1088/0004-637X/756/2/133 
Ícone de esboço Este artigo sobre Estrelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.